Neste Blog, o Dr. Paulo Branco irá publicar matérias sobre as suas especialidades, além de responder duvidas e interagir com seus leitores e pacientes.

Fique sempre atualizado para saber das melhores e mais inovadoras técnicas para desenvolver seu bem estar e qualidade de vida.

Envie suas dúvidas e perguntas para: paulobrancoprocto@gmail.com




Algumas amigas e pacientes do Dr. Paulo Branco que inspiraram ele a fazer esse Blog.

Youtube - Dr. Paulo Branco

Youtube - Série especial de vídeos

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Sexologia: Impotência masculina


Sexologia: Impotência
Medico: Dr. Paulo Branco
www.medicinaintegrada.med.br

Nos homens, um dos problemas sexuais mais importantes é a impotência, também conhecida como disfunção erétil. Desejo diminuído também pode ser um problema para alguns homens.

Impotência:
Três etapas importantes são necessárias para produzir e sustentar uma ereção.

1- A primeira é a excitação sexual, que vem dos sentidos e dos pensamentos.
2- A segunda é a resposta do sistema nervoso, na qual o cérebro comunica a excitação sexual aos nervos do corpo, incluindo os nervos no pênis.
3- A terceira é uma ação relaxante dos vasos sanguíneos que suprem o pênis, permitindo que mais sangue flua para dentro dos corpos cavernosos que produzem a ereção.
Se alguma coisa afeta qualquer um desses fatores ou o delicado equilíbrio entre eles, a impotência pode resultar.

Atenção: Informações elementares
A impotência é uma incapacidade persistente de obter uma ereção ou de mantê-la por tempo suficiente para as relações sexuais. O desejo sexual diminuído ou até a perda do desejo sexual não é o mesmo que impotência. A impotência refere-se à incapacidade de usar o pênis para a atividade sexual mesmo na presença de desejo e oportunidade. Va preocupar Um episódio ocasional de impotência acontece com a maioria dos homens e é perfeitamente normal. Na maioria dos casos, não é nada com que se deva preocupar. À proporção que os homens envelhecem, também é normal que eles vivenciem mudanças na função erétil. As ereções podem levar mais tempo para desenvolver-se, podem não ser tão rígidas ou podem exigir mais estimulação direta para serem atingidas. Os homens também podem observar que os orgasmos são menos intensos, o volume ejaculado é reduzido  e o tempo de recuperação aumenta entre as ereções. Todavia, quando a impotência se torna um problema persistente, ela pode danificar a autoimagem de um homem, bem como a sua vida sexual. Ela também pode ser um sinal de um problema pessoal ou embaraçoso, mas é importante procurar tratamento, sobretudo se uma causa física pode ser culpada. Em muitos casos, a disfunção erétil pode ser tratada com êxito.

Fatores de risco:      
Uma ampla variedade de fatores de risco físicos e emocionais pode contribuir para a impotência. Eles incluem:

- Doenças e distúrbios físicos:
Doenças crônicas dos pulmões, do fígado, dos rins, do coração, dos nervos, das artérias ou das veias podem determinar á impotência. O mesmo se pode dizer do sistema endócrino, particularmente o diabetes. O acúmulo de depósitos ( placas) nas artérias ( aterosclerose ) também pode evitar que uma quantidade adequada de sangue  entre no pênis. E em alguns homens a impotência pode ser causada por baixos níveis de testosterona.

- Cirurgia ou trauma:
A cirurgia do câncer de próstata ou colorretal poderá resultar em problemas de impotência. Lesão da artéria pélvica ou na medula espinhal também pode causar problemas.

- Medicamentos:
Uma ampla variedade de fármacos, incluindo antidepressivos, os anti-histamínicos, e os medicamentos para tratar hipertensão, a dor e o câncer de próstata, pode causar impotência por interferir  nos impulsos nervosos ou no fluxo de sanguíneo para o pênis. Os tranquilizantes e os indutores do sono também podem causar problemas.




- Abuso de substancias: 
O uso crônico de álcool, maconha ou outras drogas com frequência causa impotência e impulso  sexual diminuído. 

- Estresse, ansiedade ou depressão:
O estresse libera substancias vasoconstrictoras, diminuindo o volume adequado de sangue para que haja a ereção.

Tratamento:
O tratamento da impotência inclui tudo, desde medicamentos e dispositivos mecânicos simples até cirurgia e aconselhamento psicológico. O tratamento aconselhado pelo seu medico dependerá da causa e da gravidade de sua condição:

- Aconselhamento psicológico:
Se o estresse, a ansiedade ou a depressão é a causa de sua impotência, seu médico pode sugerir que você, ou você e o seu parceiro ou parceira, consulte um psicólogo ou psiquiatra com experiência no tratamento de problemas sexuais.

-     Medicamentos orais:
Os medicamentos orais ( Cialis, Levitra, Viagra) aumentam os efeitos do óxido nítrico que é uma substancia chamada de neurotransmissor ( mensageiro químico) que atua relaxando os músculos lisos do pênis, aumentando o fluxo de sangue o que permite uma ereção mas fácil em resposta ao estimulo sexual. Embora esses medicamentos possam ajudar muitas pessoas, nem todos os homens podem ou devem toma-los para tratar a impotência.

- Terapia de reposição hormonal:
       Testosterona baixa x Desejo diminuído: A testosterona regula o impulso sexual. Embora os homens não sofram tanto quanto as mulheres na andropausa, a testosterona diminui gradualmente com o tempo. Essa diminuição provavelmente é a responsável por um pouco da perda do desejo sexual com o avançar da  idade.
        Um exame que dê o perfil dos hormônios e de outras substancias envolvidas deverá ser solicitado. Se você estiver entre o pequeno grupo de homens cuja impotência está relacionada com deficiências hormonais, as diferentes formas de reposição poderão ajuda-lo.


- Cirurgia:
        As opções cirúrgicas podem ser cogitadas  se outros tratamentos fracassarem.

     Conclusão:
     As medidas descritas a seguir podem ajuda
    -lo a diminuir a probabilidade de ter uma
    impotência:
    - Restrinja ou evite o uso de álcool e outras drogas semelhantes: O álclibera no organismo o mais potente radical livre que se conhece, a hidroxila que tem uma ação deletéria para todos os tecidos que atua.
    -  Pare de fumar: A nicotina determinará diminuição do fluxo de sangue para e pênis pelo seu potente efeito vasoconstrictor, além de favorecer a entrada de gordura na parede das artérias penianas e instalação da aterosclerose com o passar do tempo.
    -  Exercite-se regularmente: Percebo no consultório que pacientes que perderam peso e aprenderam a ter uma alimentação fracionada e balanceada e a colocar a pratica do exercício físico como parte obrigatória da sua agenda diária referiram melhora da sua vida sexual;
    -  Reduza o estresse: A participação do estresse poderá representar 100% da disfunção. Esses pacientes referem melhora mesmo quando ficam por um tempo curto longe do fator desencadeador do estresse que vai de relacionamento até o seu trabalho. Tem importância nestes pacientes a dosagem do cortisol e diminuição se estiver elevado.
    -  Durma bem: E no sono profundo que você recupera e faz uma varredura em todas as células lesadas durante o dia, pela produção de hormônios como o GH ( hormônio do crescimento ) e a testosterona responsável direto pelo seu libido.
    -  Enfrente a depressão e a ansiedade: A depressão determinará o desinteresse e  deixará você apático, sem pegada nenhuma e a ansiedade determinará que você pule etapas importantes para uma relação sexual prazerosa.
    -   Comunição: Comunique-se franca e abertamente com o seu parceiro ou parceira;
    -   Dialogo: Cogite a busca de aconselhamento como um casal.
                                         
Disfunção erétil e risco de doenças:
Uma pesquisa realizada na universidade Nacional da Austrália publicada no periódico PLoS Medicine avaliou no período de 2006 a 2009 cerca de 95.000 homens com mais de 45 anos que nunca apresentaram problemas cardíacos, mas com disfunção erétil de moderada a grave, podem ser até oito vezes mais propensos a ter insuficiência cardíaca em comparação com aqueles não apresentam  a disfunção. Esses homens também tem um risco de 92% maior de apresentar doença arterial periférica ( Estreitamento das artérias nas extremidades inferiores ), 66% maior de sofrer um ataque cardíaco, e 60% maior de desenvolver doença isquêmica do coração. Além disso, o risco de morte por qualquer outra causa é quase duas vezes maior entre esses homens e o de serem hospitalizados por problemas cardiovasculares, 505 mais elevado. Esses riscos foram maiores em pacientes com disfunção erétil que já apresentavam algum problema no coração.
Para Emily Banks, coordenador da pesquisa, não se sabe ao certo quais as razões ou motivos que fazem com que a disfunção erétil eleve o risco de doenças cardíacas. No entanto, ela acredita que, como as artérias do pênis são menores do que as das outras partes do corpo, elas podem ser mais propensas a manifestar problemas quando são deterioradas.





Nenhum comentário:

Postar um comentário