Neste Blog, o Dr. Paulo Branco irá publicar matérias sobre as suas especialidades, além de responder duvidas e interagir com seus leitores e pacientes.

Fique sempre atualizado para saber das melhores e mais inovadoras técnicas para desenvolver seu bem estar e qualidade de vida.

Envie suas dúvidas e perguntas para: paulobrancoprocto@gmail.com




Algumas amigas e pacientes do Dr. Paulo Branco que inspiraram ele a fazer esse Blog.

Youtube - Dr. Paulo Branco

Youtube - Série especial de vídeos

domingo, 20 de julho de 2014

HPV: tratamentos modernos



Proctologista: Duvidas em 2013
Serão descritas as formas de diagnostico, acompanhamento e tratamento para o HPV anal e perianal.

Medico: Dr. Paulo Branco
Clinicas:
Vila Olímpia: 11-38467973 / 7831-7380
Lapa: 11 – 3672-8943 / 986663281
Centro: Praça da republica
Fones: 11- 3
 WhatsApp. Dr. Paulo Branco
Oi. 11- 995204135
Tim. 11-987164052

HPV
Comentário: Dr Paulo Branco
O aspecto mais importante a ser compreendido, e que o HPV é uma doença sexualmente transmissível ( DST ), de evolução crônica, causadora de alguns tipos de câncer, e prevenida pelo uso regular do preservativo nas relações sexuais, principalmente nas relações iniciais e de risco. 

Você poderá nos enviar as suas dúvidas, como o paciente inicial, então vamos lá?


Paciente inicial: Doutor, Fui tratado de HPV, e não consegui tirar as duvidas abaixo com o meu medico, o senhor poderia me responder?
-Qual a faixa etária mais atingida?
Resposta: Nos últimos anos a faixa de idade mas acometida foram os adultos jovens com idade entre os 20 e 24 anos, período em que a atividade sexual e maior.
-Como o vírus penetra no organismo?
Resposta: Esse vírus precisará encontrar uma abertura na pele e através desta chegará a sua camada mas profunda descrita como basal onde se instalará dentro destas células comandando o seu DNA a espera de uma oportunidade para se multiplicar. Essas células se multiplicam, até a superfície, onde iram formar as verrugas.


-Como se multiplica?
Resposta: Quando houver uma multiplicação das células da camada basal os vírus se multiplicam também chegando até a superfície da pele formando o que em medicina de chama de apudoma que no caso serão as verrugas.

-Uma vez no meu organismo eu sempre terei a doença?
Resposta: Se não ocorrer a replicação ou multiplicação, o vírus permanecerá no organismo inofensivo ou latente e portanto sem causar as verrugas.



-Quanto tempo levara para o aparecimento das verrugas?
Resposta: A fase de incubação poderá demorar de 4 a 8 semanas até 6 a 7 meses e o seu aparecimento tem uma relação direta com a resistência imunológica dos pacientes. Em alguns pacientes poderá levar anos para se manifestar.

- Quais exames serão importantes eu fazer apos a retirada das verrugas?
Resposta: Os exames são o clinico, peniscopia, anuscopia ampliada e a  colposcopia anal.

1-       Quais as indicações da anuscopia de alta-resolução?
Resposta: Prurido ou coceira anal crônica, imunodeprimidos, portadores do vírus HIV, homossexuais do sexo masculino e para o controle de pacientes que retiraram cirurgicamente as verrugas.

2-       Todos os pacientes infectados formarão as verrugas?
Resposta: Não. A forma mas frequente ou comum de manifestação do vírus é a subclínica ou assintomática na qual o vírus habita a camada mas profunda da pele não formando as verrugas que acomete 10% dos pacientes infectados.
Comentário: Aqui reside o grande problema. Você poderá está correndo risco com aquele Deus grego ou aquela princesa, portadores do HPV, então até conhecer melhor use a camisinha.



3-       Em que tipo de relação sexual é mas frequente?
São mas frequentes na relação anal passiva, onde a solução de continuidade criada na pele pelo atrito é maior.

4-       Qual a consequência da infecção simultânea pelos vírus HIV e HPV?
Resposta: A incidência do HPV em pacientes HIV vem aumentando nos últimos anos principalmente quando os pacientes apresentam níveis de anticorpos chamados TCD4 abaixo de 500/uL.

5-       Quantos tipos de vírus existem?
Resposta: Existem mas de 200 tipos virais, sendo que 40 desses infectam a região anogenital.

6-       Quais os tipos cancerígenos?
Resposta:
Tipos de alto risco: 16, 18, 31 e 45
Comentário: Esses foram os tipos mas frequentemente isolados nos pacientes com Câncer anal.



7-       Qual o risco de contrair o HPV?
Resposta: Baixo risco
Comentário: Em 90% dos casos os vírus são destruídos pelos seus anticorpos e não reproduzem a doença clinica ( Verrugas ) que ocorre em 10% dos pacientes contaminados.

8-       Quais regiões os vírus poderão acometer?
Resposta: Poderá acometer a mucosa retal e uretra peniana, canal anal, a pele das regiões perianal e da virilha.

9-       A associação das partes contaminadas se da com frequência na sua experiência?
Resposta: Esse tipo de contaminação foi mas frequente em mulheres e a anal geralmente foi secundaria a genital
10-Na sua clinica em que tipo de pratica sexual o HPV foi mais frequente ?
      Reposta: Em homens que praticam   o sexo anal com outros homens.
       Comentário: Tenho observado na minha clinica, que nos pacientes com HIV as verrugas estavam localizadas dentro do canal anal em mas da metade dos casos e em muitos destes casos essas verrugas não foram diagnosticadas e tratadas em outras clinicas. Lembrar que essa observação é de grande importância clinica pelo fato do câncer anal tem uma frequência maior nos pacientes com HPV e HIV.

11-Quais as formas de apresentação clinica da doença?
Resposta: As verrugas de coloração esbranquiçada únicas ou múltiplas e de superfície rugosa foi a forma de apresencao clinica mas frequente da infecção pelo HPV, mas poderá aparecer na forma de manchas avermelhadas e mas raramente na forma infecciosa como uma fístula.

12-Como detectar o vírus na doença assintomática?
Resposta: Tenho realizado a  anuscopia de alta resolução associada ou não a citologia oncótica.

13-Retirei as verrugas há dois meses e no momento estou com muita coceira o que devo fazer?
Resposta: A coceira ou prurido anal em quem já retirou as verrugas poderá ser um sintoma indicativo de infecção assintomática da doença. Casos como o seu eu faço uma anuscopia que se negativa para HPV, solicito a colposcopia anal.

14-Tratei as verrugas dentro do ânus com pomada o que não resolveu e estou com muita dor as evacuações e sangramento, qual a sua orientação?
Resposta: Você poderá esta com um estreitamento anal consequente a cicatrização da  cirúrgica realizada.
Comentário: Se o grau de estreitamento for leve a moderado eu primeiro tento sessões de dilatação anal com instrumento adequado associado a uma dieta rica em fibras. No estreitamento severo eu prefiro a cirurgia com o laser.
15-Fui operado de um grande condiloma anal que o medico diagnosticou como acuminado há quatro meses e fiquei com um estreitamento anal severo que o medico optou pelo tratamento clinico, esta correto?
Resposta: O estreitamento anal decorrente de uma cirurgia , geralmente é por cicatriz. Um exame clinico através do toque, já diferenciará se o estreitamento é por cicatriz ou por hipertonia do músculo esfíncter anal. No músculo contraído, pomadas especificas poderão resolver, porém se houver cicatriz ou uma fissura associada, passará a ser de tratamento cirúrgico.




16-Estou com fissura anal e verrugas posso fazer o tratamento com o laser das duas doenças?
Resposta: Tenho feito as duas cirurgias ao mesmo tempo. O detalhe é que atualmente tenho tratado as verrugas usando simultaneamente o laser e a anuscopia de alta – resolução.  A fissura anal de tratamento cirúrgico é a crônica e consiste em diminuir a pressão do esfíncter anal interno que eu prefiro fazer através de uma pequena incisão feita lateralmente a abertura anal o que tornará a cirurgia menos agressiva e a recuperação menos dolorida para os pacientes no pós-operatório.

17-Retirei as verrugas perianais e de grandes lábios da vagina posso ter relação sem risco de contaminar o meu parceiro?
Resposta: Se você fez um bom controle e não apresenta as verrugas poderá ter a relação e se surgir alguma duvida use a camisinha.
Comentário: Já tive vários pacientes para os quais o medico proibiu a relação anal para sempre. Não penso assim e acho que o objetivo do tratamento será de fazer o paciente retornar a sua vida normal.

18-Estou com condiloma acuminado inclusive com acometimento das virilhas, poderei retira-los em uma sessão com o laser?
Resposta: Já tratei de casos como o seu que representam a minoria. Em todos os casos eu retirei todas as verrugas em uma sessão, porem tem cirurgiões que realizam a retirada em duas sessões. Em casos como o seu eu tenho associado antibióticos por via oral.

19-Sou HIV positivo e o meu namorado tem fimose e tratou uma verruga no pênis com pomada, corro risco?
Resposta: Não indico esta forma de tratamento com pomadas. É conhecido que a recidiva ou retorno do HPV é mas frequente em pacientes com fimose porque o excesso de pele criará um meio propicio para a multiplicação viral. A minha conduta é retirar a verruga e o excesso de pele com sob anestesia local. É uma cirurgia que eu realizo frequentemente com o laser.


20-Tenho verrugas perianais e em mucosa vaginal posso tratar simultaneamente com o laser?
Resposta: Sem nenhum problema. Primeiro eu retiro as verrugas da mucosa vaginal e posteriormente as perianais.

21-O doutor já teve pacientes com hpv na boca?
Resposta: A contaminação fora da região genital é mas rara. Na boca a concentração do vírus é muito baixa para causar a doença, porem eu acho que para os parceiros recentes ou é melhor usar a camisinha para o sexo oral.

22-Doutor percebi algumas verruguinhas próximas ao ânus e morro de vergonha de ir ao medico, por favor me oriente?
Resposta: Muitos pacientes morrem de vergonha de ir ao medico, principalmente se o medico for um proctologista e a doença for uma DST. O medico tem de entender, tranquilizar e esta junto do paciente para diagnosticar e tratar a doença.
Possivelmente você tem o HPV perianal que poderá ser diagnosticado e tratado com tranquilidade.
Comentário: Essa vergonha de ir ao medico só será benéfica para o HPV e com certeza atrasará em muito o seu tratamento.
 
23-Realizei a retirada das verrugas anais e não consigo ter relação pela dor e sangramento, o que acontece?
Resposta: Casos como o seu na minha experiência foram causados por uma pequena fissura chamada de residual que é consequente a cicatrização da cirurgia anterior. Geralmente essa fissura está associada a um esfíncter anal hipertônico e a um estreitamento da cirurgia anterior. A qualidade de vida fica comprometida e a  relação passiva fica quase impossível, razão pela eu indico tratamento cirúrgico.

24-Doutor qual o resultado do tratamento com pomadas do HPV?
Resposta: Trabalho recente com o uso das pomadas nas verrugas concluiu que houve regressão total em 46% dos casos e diminuição do tamanho e numero em 33% que foram tratados pela cirurgia.

31-  A anuscopia de alta resolução poderá ajudar no tratamento das verrugas e na doença  assintomática?
Resposta: A principal forma de apresentação clinica da doença é assintomática. Durante o exame microscópico, são usados corantes que detectam os vírus na camada basal da pele, como áreas esbranquiçadas. As maiores poderão ser tratados com imunomoduladores, e as menores com o  laser. As verrugas maiores eu tenho tratado com o laser e as menores ou minúsculas eu detecto com o microscópio e na mesma hora já elimino com o laser.

32-Tenho uma verruga somente no freio do pênis, será possível tira-la e manter a pele que cobre a glande, e tem algum risco?
Resposta: O freio do pênis é formado por tecido, vasos e nervos. Quando se dá uma ereção, esse ligamento traciona a ponta da glande para baixo, estirando o nervo do freio, determinando a dor. Muitos pacientes me pediram para retira-lo juntamente com a verruga, por apresentarem dor durante a relação e alguns até sangramento. A cirurgia é relativamente simples e feita sob anestesia local e o laser.
Comentário: O resultado da cirurgia deverá ser estético e funcional. Os pacientes que operei com o laser referiram uma vida sexual normal após o procedimento. O cuidado que tive durante a retirada do freio é que a uretra está abaixo do freio e se deve ter o cuidado de não aprofundar o plano de clivagem cirúrgico para não lesa-la.

33- Tenho Hpv juntamente com excesso de pele que cobre a cabeça do pênis, preciso retirar o excesso de pele?
Resposta: A pele criará um meio propicio para multiplicação dos vírus, e a retirada do excesso de pele diminui o numero ou a carga de vírus no local, o que contribuirá para uma menor possibilidade de retorno ou recidiva do HPV. Eu sempre retiro o excesso de pele com o laser e sob anestesia local.
34- Tenho hemorroida interna, tenho sangramento, realizei a anuscopia e deram verrugas, preciso retirar as hemorroidas?
Resposta: Casos como o seu eu atendo frequentemente na minha clinica. Eu prefiro tratar as hemorroidas com a ligadura elástica associada ou não ao laser e com este retirar as verrugas do canal anal ereto. As hemorroidas que deveram ser retiradas são as internas de terceiro ou de quarto grau. Eu sigo o principio em proctologia de realizar sempre que possível o procedimento menos agressivo e sempre gosto que os pacientes leiam um guia, escrito por mim com todas as orientações pós-operatórios.

35- Realizei a retirada de verrugas na pele perianal, e no momento estou com uma coceira insuportável na pele e drenagem de uma secreção esbranquiçada, o senhor acha que estou com HPV?
Resposta: Os sintomas referidos, geralmente são indicativos de possível recidiva do HPV.  Casos como o seu eu prefiro fazer uma anuscopia de alta-resolução para detectar o HPV dentro da pele que dá a coceira por você referida e realizar o tratamento com pomadas adequadas.

36- O meu namorado retirou verrugas do pênis, mas tem com frequência coceira e um excesso de pele, queria a sua orientação, tenho risco de ser contaminada?
Resposta: Acho que a melhor conduta será retirar o excesso de pele, que facilita a recidiva da doença e fazer uma analise endoscópica da uretra que poderá conter o vírus.




37- Tenho uma relação de 2 anos, estável, sou monogâmico e estou com verrugas na pele perianal. No meu namorado estive observando e não vi nenhuma verruga, será possível ele ter me contaminado?
Resposta: Entenda que a principal forma de apresentação do HPV é a assintomática, sem verrugas, os vírus moram na camada mais profunda da pele, ou poderá esta na uretra do seu parceiro, que deverá ser investigada pela peniscopia.

38 - Apareceu no pênis do meu namorado uma pequena verruga que parece crescer lentamente  ou um excesso de pele ..... não sei ao certo.
Mas meu namorado diz que não dói, e que ele percebeu que essa verruga nasceu, depois de uma vez que tivemos relação sexual sem camisinha e machucou e nesse mesmo local deu a verruga. Será possível um machucadinho virar uma verruga?
Resposta: Uma verruga indica possível infecção pelo vírus do hpv e um machucado não se transformará em uma verruga. Como apareceu após o inicio da relação sem camisinha, você deverá ser examinada e solicitado exames específicos para detectar o hpv. Se confirmada a verruga, a conduta que faço na minha clinica será a sua retirada com o laser juntamente com a analise pela anuscopia de alta- resolução.

39- Verrugas na região intima sempre é hpv?
Resposta: Nem sempre será hpv. Um medico experiente somente pelo exame clinico local já confirmará ou não o diagnostico de hpv.


40- Boa tarde Doutor! Me chamo Gu e fui diagnosticado com Hpv na região anal, sou homossexual mas minha família não sabe que sou e nem aparento para não chamar a atenção. Tenho 20 anos e estou com muito medo dessa doença pois comecei a me tratar fiz uma cauterização para a retirada de algumas verrugas externas e meu medico falou que terei de fazer outra cirurgia para retirar as verrugas internas, mas ele não foi muito profissional comigo, pois passou apenas uma pomada e um antiinflamatório, e não me deu nenhuma dica de como se alimentar melhor, pois estou com muita dificuldade de utilizar o banheiro, e gostaria de continuar, mas com uma outra abordagem de  tratamento. Queria saber como faço para marcar uma consulta na sua clinica?


Resposta:
Esteja o HPV em qualquer localização, o seu tratamento deverá ter sempre a mesma abordagem.  A minha atualmente é a retirada das verrugas internas e externas e acompanhamento com microscopia de alta-resolução para detectar os vírus dentro da pele e combater com imunomodulador. Eu tenho feito todo o protocolo no mesmo tempo. Acho melhor combater ou tratar as verrugas internas no mesmo tempo, porque as vezes, e principalmente nos pacientes HIV positivo as verrugas poderão aumentar muito e comprometer o resultado do tratamento. Considero sempre o aspecto emocional e psicológico dos pacientes que optam pelo tratamento que os livre o mais rápido possível das verrugas, para poderem retomar as suas vidas. Para marcação da consulta, você poderá ligar na minha clinica.

41- Eu gostaria de marcar uma consulta e por considerar que os tratamentos até aqui realizados para o HPV anal, não foram eficientes, queria partir para o tratamento com o laser. Estarei em SP no próximo mês e se possível já chegar agendado para a consulta e procedimento, será possível?
Resposta: Eu teria de examina-lo antes para uma confirmação diagnostica e fazer uma estratégia de tratamento adequada para o seu caso.

42- olá dr!
tenho uma duvida que esta me deixando louca ...... fiz um exame e constou que tenho hpv perianal, então o médico me indicou uma cauterização perianal, e realmente não tinha nenhuma verruga na vagina e depois que o médico já tinha passado a cauterização notei que apareceu uma verruguinha na vagina e agora? Quando fizer a cirurgia será que os cirurgiões vão exterminar só anal ou eles vão ver que tem alguma coisa na minha vagina? Porque acho que não adiantaria nada se removesse só as anais ou estou errada?
Resposta: Casos como o seu eu trato com o laser as verrugas anais e vaginais, que geralmente estavam presentes nos grandes lábios. Essa será com certeza a forma correta de tratamento.

43- Presado Dr. Paulo,
Sou também médico, aqui em SP e suspeito que estou com HPV / condiloma intra-anal, apenas pelo exame digital de exploração. Acredito tratar-se de 2 pequenas lesões. Fiz uma pesquisa e percebi que você é experiente com o publico G, e portanto trabalha de maneira discreta. Vi em minhas pesquisas que talvez o tratamento das lesões intra-anais com lazer de CO2 é o mais indicado. Queria ser tratado na sua clinica e não queria ir para hospital, entende?
Resposta: Entendo. O meu protocolo de tratamento para o hpv, que inclui o laser seguido da anuscopia de alta resolução poderá ser feito na clinica. Fica tranquilo. Os meus pacientes com o hpv, geralmente me cobram a discrição.

44- Acredito que possua HPV 6/11. Possuo uma lesão bem pequena no pênis e estou tratando com pomada. Gostaria de saber se, com esse tratamento, estarei livre do vírus do HPV e se poderei manter relações sem camisinha. Um abraço.
Resposta: O diagnostico da tipagem do HPV, será feito por exames da biologia molecular, através da analise tecidual. Entenda que essa doença é crônica, não tem cura, mas poderá ser controlada, de modo que você poderá ter uma vida sexual normal, seguindo as mesmas regras do sexo seguro seguido pela  população geral.

45- Moro no Rj e estou com verruguinhas na entrada do ânus, porem tenho vergonha de consultar um medico aqui na cidade, o senhor teria algum medico proctologista no Rio de Janeiro que tenha um atendimento sem preconceito gls como o senhor?
Resposta: E difícil um atendimento aberto, quando se fala sobre sexo e principalmente para a comunidade LGBT.  Como eu tenho um blog que fala de diversos temas relacionados com o publico, passei a não ter dificuldades durante as consultas. Infelizmente não tem uma clinica na sua cidade, focada no publico, como a nossa em SP.

46- Olá. Eu moro em Curitiba e não sei onde encontrar clinicas que tratem hpv com laser. É possível uma indicação de algum eventual parceiro/clinica amiga. Grato.
Resposta: Uma clinica amiga, para tratar doenças proctologicas e difícil, e para tratar as verruguinhas com o laser é praticamente impossível.

47- Oi  doutor,
Eu estou com hpv, inclusive irei fazer  o tratamento com o laser na sua clinica. Mas eu gostaria de saber se realizando esse procedimento eu elimino o hpv do meu corpo para sempre?
Resposta: Essa doença é crônica, não tem cura e continuará com os vírus sobre o controle medico e da sua imunologia.

48- Boa noite Dr. Paulo. Me chamo Laís, tenho 24 anos e sei que o senhor deve receber muitos e-mails por dia, mas vou aguardar uma resposta ansiosa! Sempre realizo minhas consultas ao ginecologista periodicamente, e , em abril deste ano, descobri que tinha HPV. Fiz a cauterização na região anal e estou me recuperando bem. Entretanto, como preciso me examinar para cuidar e tratar do pós da cauterização, notei que tenho duas pelinhas na região que nunca me causaram dor nem sangramento, e acredito que sejam plicomas. Esteticamente, estão me incomodando muito. Li muitos artigos seus na internet e gostaria de saber como posso marcar uma avaliação sua para o acompanhamento do hpv e retirada dos plicomas. Como tenho certeza que o senhor não atendi convênios, ou ao menos o meu, gostaria de saber quanto sairia uma consulta?
Resposta: Essa pelinha incomoda muita gente e não é só a você. Além de comprometer a estética, dificulta a higiene e poderá ser irritada por detritos de fezes que poderão ficar nas suas dobrinhas, causando a dermatite, caracterizada clinicamente por uma  coceira no local.

49- Prezado Dr. Paulo.
Fiz cirurgia anorretal para retirada das verrugas provocadas pelo HPV em 25/03/2013. Segundo minha médica, eram várias as lesões. Passei muito aperto nas primeiras semanas, e o desconforto e sangramento ao evacuar acontecem até hoje, 51 dias após a cirurgia. Minha médica tem me consultado a cada 20 dias, e na ultima consulta ela verificou uma infecção, por isso antes a dor era intensa, estou tomando antibiótico e antiinflamatorio, mas essa recuperação é demorada assim mesmo? Ainda tem saído secreção do ânus, ela só vai parar quando a cirurgia cicatrizar? E após a cicatrização, o que pode ser feito para essas verrugas não aparecerem novamente?  Estou tomando a vacina, já tomei a primeira dose.
Resposta: Entenda que a vacina, não trata as verrugas, mas sim diminui o numero de vírus do seu corpo. Casos como o seu, eu prefiro fazer uma analise endoscópica na parte interna do canal anal para confirmar ou excluir o HPV. Os sintomas geralmente desaparecem com a cicatrização das feridas cirúrgicas. As vezes o processo é muito demorado, razão pela qual eu prefiro medicar pomadas de manipulação na tentativa de acelerar a cicatrização.


50- Doutor, sou homem, nunca tive relação anal, pois sou heterossexual, mais a três semanas atrás próximo ao ânus apareceu uma verruga, o que pode ser e como foi contraído?
Resposta: As verrugas poderão ser contraídas por outros meios que não o sexual, manipulação, brinquedos, secreções e sauna, porem na maioria dos casos será pela via sexual.


HIV
Comentário: A conscientização da forma de transmissão dessa DST teve grande impacto sobre o aumento da perspectiva de longevidade dos portadores dessa afecção. O ruim que eu comprovei na minha clinica, foi um aumento da doença, nos pacientes com idade acima de 60 anos, gerado possivelmente pelo uso dos  medicamentos para a ereção, associado a falta do hábito, ou aprendizado de usar o preservativo nas suas relações sexuais. Nos jovens, o lado negativo das baladas foi o principal responsável pela contaminação.


 Leia com atenção, e espero que você use as orientações no seu dia a dia.

1-Atualmente a epidemia da doença esta relacionada mas a comunidade GLBT?
Resposta: De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) as relações heterossexuais são a principal forma de transmissão do HIV do ponto de vista global, embora nos países desenvolvidos a exposição ao HIV por relações homossexuais ainda é a responsável pelo maior numero de casos.  A principal forma de transmissão do HIV se dá hoje através de relações heterossexuais desprotegidas que tem uma relação linear com o numero de parceiros e a frequência de mudanças destes parceiros. A promiscuidade parece ser uma grande aliada na transmissão do HIV independente da preferencia sexual.      

2-Quais as formas mas comuns de transmissão?
Resposta: As principais formas de transmissão são a sexual, sanguínea e perinatal e as ocupacionais por acidente de trabalho em profissionais da área da saúde. A transmissão sexual é considerada a principal forma de transmissão da doença.

3-Qual a forma mas comum de transmissão para os homossexuais e travestis?
Resposta: É a relação sexual anal receptiva sem proteção. Com a identifição do vírus e suas formas de transmissão, ficou claro que a maior incidência inicial neste grupo foi decorrente de uma maior exposição a contaminação através de relações sexuais com múltiplos parceiros e o aparecimentos de novas maneiras e  variações no sexo passivo como se da com os praticantes do fisting.  
Comentário: O tecido que reveste a região anorretal é de uma delicadeza e fragilidade muito grande e se você não tiver o cuidado de manipular com delicadeza e carinho os ferimentos com sangramento iram acontecer, aumentando o risco de contrair o vírus da AIDS. Meta isso na cabeça do ativo.


4- Quais os fatores que influenciam ou aumentam o risco de infecção pelo HIV?
Resposta:
- Profissionais do sexo;
- Homens homossexuais;
- Homens casados;
- Travestis
- Pessoas Promiscuas;
- Numero de relações sexuais receptivas;
- Idade do inicio da relação sexual com homens;
- Uso de enemas para limpeza retal;
- Contatos  com parceiros com HIV;
- Contato desprotegido com o sangue e semem.
- A relação anal de risco ou incerta;
- Relação oral e a ingestão de semem.

5- Para os travestis, gay’s, bissexuais  e idosos qual a forma mas comum de transmissão?
Resposta: Nos indivíduos com mas de 13 anos a principal forma de transmissão, em números absolutos, continua sendo através do contato sexual de homens que fazem sexo com outros homens. Tenho observado também na clinica o aumento considerável de gay idosos com o HIV o que provavelmente se deve de um lado a falta do habito do uso da camisinha quando ativo e passivo e as novas formas de tratamento da disfunção erétil com vasodilatadores. No entanto, observamos um aumento na proporção dos casos em que o uso de drogas endovenosa é o fator identificado como o modo de transmissão da infecção, que mas tem evoluído juntamente com os idosos.

Comentário: Tenho tratado a cada ano um maior numero de pacientes idosos com HPV anal com o laser. Eu queria pedir aos idosos que aproveitem os prazeres da vida sexual possibilitado pelos avanços da medicina, porem que desfrutem praticando sexo responsável e seguro deixando a fragilidade e emoções ficarem para depois de colocar a camisinha quando ativo e controlando o ativo com a mesma responsabilidade. A consulta nos idosos com HIV geralmente exige uma tranquilidade para que haja um dialogo claro e uma explicação para que ele não se exponha a contração de outras doenças oportunistas como HPV, herpes, gonorreia, molusco contagioso, etc. Os gay’s idosos frequentam muito as saunas para realizar as suas fantasias eróticas, encontrar os amigos
pois muitos são sozinhos e buscam companhias nestes lugares. As saunas hoje são bem estruturadas, confortáveis e fornecem as CAMISNHAS para a realização do sexo sem riscos para os ativos e passivos.

6- Qual a real chance de aquisição do HIV após uma relação sexual desprotegida?
Resposta: A estimativa da probabilidade de que um individuo suscetível seja infectado pelo HIV-1 a partir de um único contato sexual com pessoa infectada pelo HIV é importante para compreender a disseminação epidêmica do HIV-1 e ajudar a explicar porque a transmissão parece variar em diferentes regiões do mundo. A descoberta da AIDS se deu como consequência da investigação epidemiológica e as primeiras definições de caso e acompanhamento da emergência da epidemia, ainda antes de se conhecer o agente etiológico, foram feitos através dos dados epidemiológicos e estatísticos. Em trabalho realizado na Tailândia por exemplo, avaliou-se homens expostos a profissionais de sexo com soro prevalência de aproximadamente 85% e obteve-se uma probabilidade de transmissão do HIV por contato sexual, da mulher para o homem, de 0,031. Esta probabilidade foi maior do que a calculada na América do Norte ( Homem para mulher, 0,01). As probabilidades de transmissão, no entanto, variaram de acordo com a presença de DST e de circuncisão. Na américa do Norte a probabilidade chegou a 0,0057 ( oito vezes maior) se o parceiro já apresentava. Estima-se que a probabilidade de contaminação em relação sexual anal receptiva sem proteção entre homens seja de 0,005 a 0,030.

7- O que poderá ser feito para reduzir o risco da transmissão do HIV pela vida sexual?
Resposta: as três estratégias de intervenção empregadas pelos programas nacionais de controle envolvem:
1- O uso de preservativos adequados e seguros;
2- Redução do numero de parceiros sexuais;
3- Controle das outras DST.
Comentário: O preservativo masculino é a única barreira comprovadamente efetiva contra o HIV e o uso correto e consistente deste método poderá reduzir substancialmente o risco de transmissão do HIV e outras DST.
O uso regular de preservativos pode levar ao aperfeiçoamento na técnica de utilização, reduzindo a frequência de ruptura e escape e, consequentemente, aumentando sua eficácia.

8- Poderá contrair o HIV mesmo usando camisinha?
Resposta: Usuários apontam como fatores de risco para a ruptura ou escape com contaminação:
- Lubrificação insuficiente;
- Lubrificantes oleosos;
- Presença de ar e/ou ausência de espaço para recolher o esperma na extremidade do preservativo;
- Tamanho menor que o pênis;
- Preservativo que venceu o tempo de validade;
- Sexo anal realizado de forma inadequada sem as suas regras do tempo de relaxamento associada a um  ativo apressadinho;
- Coito excessivamente vigoroso;
- Lubrificante em excesso adicionado no interior ou exterior do preservativo;
- Perda de ereção durante o ato sexual;
- Contração da musculatura anal durante a retirada da camizinha sem que se segure firmemente o preservativo na sua base. Muitos pacientes me enviam e-mail, descrevendo que o preservativo ficou dentro do reto.
- O uso de dois preservativos poderá aumentar o risco de ruptura em função da fricção entre eles e alguns usuários relatam empregar lubrificante adicional entre os dois preservativos para evitar ou diminuir o atrito entre eles.
- As geleias espermicidas usadas juntamente com os preservativos são capaz de inativar o HIV, porem mas estudos médicos precisaram ser feitos para se indicar de forma mas rotineira.

9- Quantos tipos de HIV existem?
Resposta: Existem dois tipos de HIV, denominados de HIV-1 e HIV-2.
HIV1: É responsável pela maioria dos casos de AIDS, sendo apenas alguns casos isolados atribuídos ao HIV2.

10- O que é o CD4+ e qual a relação do CD4 com o quadro clinico?
Resposta: O vírus entra na corrente sanguínea e pousa, adere ou conecta-se como em um aeroporto imediatamente em uma proteína do anticorpo. Esse anticorpo é chamado de linfócito T que é  muito conhecido entre os pacientes com AIDS que é o CD4+, que será atacado pelo vírus da AIDS. Uma vez firmemente aderido ao CD4+, injeta neste o seu RNA que será convertido por uma enzima em DNA e passará a ter o controle desta célula, é como se assumisse o controle, um novo piloto na aeronave. Assim, o DNA viral passa a comandar a máquina reprodutiva da célula hospedeira, enviando ordens para que se produzam mais copias do DNA do vírus. Para se ter uma idéia são produzidos 10 bilhões de cópias em um só dia. Os medicamentos destinados ao tratamento da doença atuam exatamente bloqueando a reprodução dos vírus nesta etapa. A maioria dos vírus ficam escondidos dentro do CD4+ e dos gânglios. A contagem de células CD4+ no sangue periférico tem um valor ou implicação prognostica na evolução da infecção pelo HIV pois é a marca registrada de déficit imunológico ou da resistência quando associado a certos sintomas clínicos. O sistema imunológico luta ao produzir anticorpos que combatem o HIV, mas não podem acabar com a contaminação. A maioria dos testes de HIV faz a contagem desses anticorpos.
Um teste  ELISA positivo indicará a contaminação. Entre três semanas e seis meses surgem os anticorpos, e a taxa do vírus no sangue diminui. A doença entra na fase de latência, em que a maioria dos homens se sentem bem, mas seus anticorpos CD4+ estão gradualmente sendo destruídos. Depois de aproximadamente 10 anos sem tratamento, a contagem de CD4+ cai para 200. Com a crescente supressão do sistema imunológico, o HIV se multiplica e a carga viral ou numero de vírus aumenta. É nesse momento que a AIDS se desenvolve. Não é fácil contrair o HIV. O vírus se espalha por meio do sangue ou fluidos corpóreos, esperma e possivelmente saliva. A maioria dos  gays, travestis e principalmente os heterossexuais são infectados pelo sexo desprotegido ou inseguro ou pela injeção de drogas nas veias com agulhas compartilhadas. Você pode esta pensando que nunca usou drogas, mas os anabolizantes esteroides? Já usou agulhas de amigos para injeta-los? O vírus não fará distinção entre uma carona da cocaína, da heroína ou dos esteroides.


- CD4+ > 500cél/mm3: Baixo risco de infecção.
- CD4 entre 200 e 500cél/mm3: Surgem sinais e sintomas de infecção. Risco moderado de desenvolvimento de doenças oportunistas, como o herpes simples, herpes zoster, pneumonia bacteriana e candidíase.
- CD4+ entre 50 e 200cél/mm3: Alta incidência de doenças oportunistas como as pneumonias, candidíase e vírus como o citomegalovírus.
- CD4+ < 50: Grave comprometimento da resposta a infecção. Alto risco de surgimento de doenças oportunistas.

11- O que é a carga viral e qual a sua relação com o desenvolvimento da doença? 
Resposta: Carga viral é a quantificação de células infectadas pelo HIV por mililitros de plasma. A carga viral está correlacionada com a evolução da doença, sendo que já foi demonstrado, por exemplo, que pacientes com uma alta carga viral apresentaram rápida progressão da doença, ao passo que indivíduos com níveis menores apresentaram uma progressão mas lenta para a AIDS. Na verdade, ela nada mais é do que a expressão do grau de viremia ( Numero de vírus ) presente em um paciente.

12- Quanto tempo após uma exposição pode-se afirmar com certeza que o individuo não se contaminou?
Resposta: A recomendação ;e de um acompanhamento sorológico de seis semanas, doze semanas e seis meses após a exposição, sem deixar de realizar a sorologia no tempo zero após o acidente.

13- O sexo oral é seguro?
Resposta: O sexo oral é considerado de risco moderado se praticado sem proteção e de baixo risco com a proteção de preservativos de látex não-lubrificados.
Comentário: Embora alguns pesquisadores tenham registrado casos isolados de transmissão do HIV por meio por meio do sexo oral, o risco é mínimo o que se deve principalmente a baixa concentração ou numero de vírus na saliva. Use a camisinha, sempre.

14- Poderá ser transmitido pelo beijo, aperto de mao ou abraço?
Resposta: Não. Embora o vírus tenha sido isolado de vários fluidos corporais como saliva, urina, lágrimas, somente o contato com o sangue, sêmen, secreções genitais e leite materno têm sido implicados como fonte de infecção.

15- É necessário o uso de preservativos entre dois parceiros soropositivos?
Resposta: Todo paciente desenvolve após infecção com o vírus HIV uma resposta imunológica com a produção de anticorpos. Com o tempo há uma diminuição nessa resposta e os anticorpos neutralizantes não são protetores, por isso o uso de preservativos é indicado na relação entre dois parceiros soropositivos. Existem também, vários fatores que poderão tornar os parceiros mas vulneráveis a infectividade, como:
- Imunossupressão: Traduzida por níveis baixos de CD4+.
- Tratamento: Com  anti-retroviral.
- DST: Poderão aumentar a transmissão sexual do HIV.
- Sexo: Praticas sexuais traumáticas que resultam em rompimentos e ferimentos que permitiram o contato com sangue aumentando a transmissibilidade do HIV.

16- Há uma orientação para restringir a pratica de esportes nos homossexuais?
Resposta: sabe-se, por outros estudos que o risco de transmissão em acidentes percutâneos entre atletas é extremamente baixo e depende de vários fatores como a ocorrência de sangramento ou lesão de pele de um atleta infectado ou exposição de membrana mucosa como porta de entrada. Estas condições só ocorrem em limitada taxa de atividades esportivas. Todos devem estar cientes para evitar ao máximo a ocorrência de ferimentos, acidentes com materiais cortantes, exposição de pele e mucosa a sangue e secreções.
17- O que é soroconversão?
Resposta: É  positivação da sorologia para HIV. A soroconversão é  acompanhada de uma queda expressiva na quantidade de vírus no plasma ( carga viral), seguida pela recuperação parcial dos linfócitos TCD4+ no sangue periférico. Esta recuperação é devida tanto à resposta imune celular quanto humoral. Nesta fase observa-se o sequestro das partículas virais e das células infectadas ( CD4+ ) pelos órgãos linfoides responsáveis por nossa imunidade, particularmente os linfonodos.  

18- O que janela imunológica e quanto tempo leva para um exame tornar-se positivo?
Respostas: É o tempo compreendido entre a aquisição da infecção e a soroconversão.  O tempo decorrido para a sorologia anti-HIV tornar-se positiva é de seis a 12 semanas após a aquisição do vírus, com o período médio de aproximadamente 2’1 meses. Em função do exposto, não há dúvida quanto a necessidade de um período de seguimento sorológico, com a repetição do exame a determinados intervalos. Geralmente este período de acompanhamento é de 18 meses após a última exposição considerada de risco. A periodicidade da realização do exame anti-HIV é variável de acordo com o serviço de saúde. Em muitos serviços o seguimento é feito com três, seis, 12 e 18 meses, caso não exista outra exposição de risco.

19- Quais os principais sintomas da doença?
Resposta:  
- No inicio da doença:
Crescimento de gânglios linfático
Febre alta
Diarreia constante
Emagrecimento
Erupções na pele

-     Defesa orgânica comprometida:
Pneumonia
Aparecimento de certos tumores
Neuropatias
Comprometimento da memoria
Comprometimento motor ou dos movimentos
   
20- Aquela gotinha de secreção que sai do pênis nas preliminares poderá ter vírus e contaminar?
Resposta: Pode, mas sempre em secreções. O liquido transparente e viscoso que sai pelo canal do pênis quando o homem está excitado pode ter o vírus HIV. A uretra é uma mucosa e, como tal, está sempre úmida. Na erotização anal, as brincadeiras com o pênis e sua secreção quando excitado podem ser uma forma  de contaminação. Portanto use camisina desde as preliminares, principalmente nas relações impulsionadas pelo aquele tesão de ultima hora ou na pratica do
sexo casual.

21- Qual o tratamento atual, tem cura?
Resposta: A cura da AIDS ainda não foi descoberta. Ainda não existem medicamentos que eliminem o vírus HIV do corpo humano. Atualmente poderá ser controlada com medicamentos que promovem uma qualidade de vida digna e uma maior e melhor sobrevida. O tratamento contra a HIV é um dos que muda mais rapidamente na área da saúde, mas os medicamentos jamais devem ser vistos como uma alternativa ao sexo seguro. Fico assustado ao ver pacientes que não se preocupam em ser soropositivos só porque acham que os medicamentos os manterão saudáveis. Há cerca de um ano os médicos aconselhavam o início do tratamento apenas quando as células caíssem abaixo de 200. Novas pesquisas, porém, aconselham o tratamento tão logo sua carga viral chegue ao número de 5.000 a 10.000 cópias por milímetro ou assim que sua contagem de CD4+ caia abaixo de 500. Alguns médicos, ainda, são a favor de iniciar o tratamento tão logo se saiba, que se está com o vírus. Independente de outros indicadores. Vários medicamentos estão sendo usados para o tratamento. O medicamento mas usado é o AZT que atua impedindo a reprodução do vírus na fase inicial da doença.
Comentário: Esse medicamentos poderão causar danos no Fígado, rins e no seu sistema imunológico.

21- Vacina, existe?
Resposta: Os médicos estão tentando desenvolver uma vacina, porem a principal dificuldade é a grande capacidade mutante do vírus.
22- Quais condições facilitam a infecção pelo HIV?
Resposta: Cortes abertos nos dedos, na sua boca ou no ânus tornaram a contaminação mas frequente. As DSTs concomitantes, incluindo o herpes e a gonorreia, facilitam a contaminação pelo vírus, provavelmente por criarem pequenos ferimentos por onde o vírus ganhará acesso à corrente sanguínea.


23- Qual o testo que detecta a AIDS?
Resposta: O teste ELISA verifica os anticorpos virais no sangue e é o principal dos testes para detecção do HIV. Embora muito preciso, há alguns resultados erroneamente positivos entre pacientes com doenças crônicas como hepatites e lúpus. Por isso, todo teste deverá ser repetido com a mesma amostra de sangue e realizar outros mais específicos, como o Western Blot. Se este também for positivo, então você tem AIDS. Nos EUA o padrão será a confirmação dos Anticorpos do HIV por um segundo teste para proteger aqueles poucos pacientes que tem um teste ELISA positivo e um Western Blot negativo.

24- Profilaxia: Como fazer?
Resposta: A relativamente nova estratégia de tratamento contra o HIV por profilaxia diz respeito a ingestão de medicamentos em uma das seguintes situações: Logo após o sexo desprotegido com um parceiro suspeito, ou imediatamente após descobrir que você é soropositivo. Não há ainda qualquer prova médica de que a contaminação possa ser evitada depois do tratamento profilático em nenhum desses casos. Deve-se começar nas 24  horas seguintes à exposição ao vírus. Caso você continue com os testes negativos, a maioria dos médicos irá aconselhar a interrupção da medicação e a repetição do teste regularmente para verificar se você não se tornou soropositivo. A terapia profilática não deve ser vista como uma alternativa ao sexo seguro.

28- Como o senhor acompanha os pacientes HIV positivos com verrugas?
Resposta: O HPV ou verrugas é a doença que eu mas trato nos pacientes com AIDS. Eu retiro as verrugas com o laser na pele perianal, canal anal e reto com o auxilio da endoscopia. O acompanhamento eu faço na clinica através da colposcopia anal que detecta os vírus dentro da pele e deveram ser tratados antes que se transformem em verrugas. Tenho associado para alguns casos a vacina e medicamentos  para aumentar a resistência local ao vírus.
27- Muitos pacientes com AIDS tem infecção anal com a formação de abscessos e fistulas, como o senhor trata?
Resposta: A fistula anal seguramente é a doença proctologica que eu mas trato com o laser nos pacientes HIV positivos. No meu protocolo os pacientes tomam antibióticos específicos e a retirada da fístula eu faço sob anestesia local e as vezes sedação. Em relação ao HIV é muito importante saber o momento certo para realizar a cirurgia anal.

29- As hemorroidas poderão ser causadas pelo sexo anal passivo?
Resposta: Essa pergunta me fazem com grande frequência. O sexo anal não causa hemorroida. Se você tem hemorroida evite ter a relação se estiver sentindo dor, sangramento ou ardência que são sintomas indicadores que a hemorroida poderá está inflamada ou acompanhada de uma inflamação do canal anal conhecida como proctite. Se você praticar o passivo apresentará uma piora desses sintomas e interpretará que o sexo anal determinou o aparecimento das hemorroidas.
Comentário: A sua conscientização de não ter a relação passiva na crise hemorroidária é de grande importância para a prevenção da contaminação do seu parceiro, porque na crise acontece o sangramento que poderá visível ou não.

30- E a fissura anal, qual a orientação porque tem pacientes que realizam o sexo anal passivo mesmo com a fissura anal e não referem dor , como o doutor explica?
Resposta: Muitos pacientes chegam ao meu consultório com a fissura anal aguda ou crônica referindo que tem uma vida geralmente sem dor. Esses pacientes geralmente interrompem a sua vida sexual e duplicam a quantidade de água e fibras ingeridas para formar fezes macias que não machucam ou agravam a fissura anal existente e assim prosseguem a sua vida sexual praticando somente o ativo. O que acontece é que um dia ele ou o seu parceiro querem realizar o passivo e a situação se complica porque a dieta rica em fibras produz fezes macias que não traumatizam a fissura e portanto indolor o que não acontecerá na relação passiva. Os pacientes vem a minha clinica e eu realizo o tratamento cirúrgico com o laser e os mesmos voltam a ter relações normais sem dor. É importante que os pacientes voltem a ter relação somente após a cicatrização total da cirurgia.



31- Qual o resumo que o senhor faria sobre a AIDS ?
Resposta:
- Faça o teste
- Sempre que colher sangue ou que assinar uma autorização medica, pergunte para que serão utilizados;
- Não esconda sua condição de soropositivo de qualquer funcionário de saúde nem do seu parceiro sexual quando a intensão for algo mais do que um ato de masturbação. Esteja consciente sobre quem mais deve saber;
- Assim que souber que tem o HIV Consulte-se com um especialista sobre as formas de tratamento;
- Tome os medicamentos religiosamente;
- Remédios contra o HIV não são uma alternativa à prevenção da contaminação;
- Mantenha-se informado.





Cisto pilonidal:
Comentário: Dr Paulo Branco
O cisto pilonidal é uma daquelas doenças que deverá ser tratada logo no inicio, porque em resumo, é uma reação do organismo para isolar um corpo estranho, que na quase totalidade dos casos é um pelo. Essa reação em torno do pelo, só aumentará e para todas as direções, o que classifica esse cisto em simples e complexo. Fechar ou deixar aberta a ferida cirúrgica após a retirada do cisto, me parece a controvérsia. Eu sempre fecho a ferida cirúrgica.


1- Olá, tenho 25 anos e fui em alguns médicos e foi constatado que estou com cisto pilonidal, porem os médicos que fui só fazem a cirurgia com cicatrização aberta. Estive lendo o seu artigo e me interessei bastante pela técnica fechada com laser, pois não queria fazer a técnica aberta, é possível?
Resposta: Cada caso é um caso e exige uma estratégia e técnica cirúrgica adequada para o seu tratamento, porem eu nunca deixei uma ferida cirúrgica aberta após a retirada do Cisto pilonidal.
Acredito que o segredo está em retirar todo o tecido infectado formador do cisto, para realizar o fechamento somente com tecido sadio, isento de pelos próximo a linha de sutura.

2- Dr. Paulo meu nome é Hewerton, sou pai do Henrique que hoje tem 17 anos e está sofrendo com a não cicatrização da segunda cirurgia realizada de cisto pilonidal, ele fez a primeira cirurgia aos 15  anos e após 8 meses de curativos e tentativas a mesma não cicatrizou o médico pediu a segunda cirurgia e nos alegou que poderia ter ficado um resíduo por isso não estava cicatrizando, o Henrique foi submetido a segunda cirurgia e já se passaram 10 meses e a mesma não fecha, contamos com sua ajuda para solucionarmos este problema pois hoje ele tem 17 anos e está enfrentando grandes problemas em sua vida social devido ao problema, o local sempre está com secreção e as vezes fica com mau cheiro. Verifiquei que o senhor realiza o procedimento a laser, não sei se é o caso, mas a mesma está aberta. Por favor aguardamos vosso parecer para podermos ver uma nova situação ao nosso filho e dar o caso por encerrado em um futuro próximo.
Resposta: Atendo casos como o do seu filho na minha clinica. A primeira conduta, e que eu acho de bom senso, é antes de pensar em qualquer forma de tratamento, realizar um estudo detalhado de todo o tecido formador do cisto através da Ressonância Magnética de partes moles. Esse exame será importante para mapear todo o tecido comprometido e retira-lo por completo, o que eu prefiro fazer com o laser. Eu sempre opto e gosto de fechar a ferida, o que permite ao paciente uma qualidade de vida digna.   

3- Fui diagnosticada com Cisto pilonidal, andei pesquisando e vi que a cirurgia mais comum  é a que a ferida fica aberta para cicatrização por segunda intenção, porém li que a recuperação dessa cirurgia não é nada rápida e muito menos agradável. No seu blog, parabéns pela forma didática que descreve, o senhor fala que prefere a técnica fechada. O pós-operatório é melhor que a aberta?
Resposta: Se algum dia, eu tiver um cisto pilonidal, e for operado, por favor fechem a ferida cirúrgica. A recuperação com certeza será mais rápida e confortável em relação a minha vida familiar e social.
Precisa falar mais alguma coisa!

4- Oi Doutor, tudo bem? Eu tenho cisto pilonidal, e na primeira vez deu e estourou, só voltou uns 20 anos depois, aí, se passaram mais 4 anos e voltou de novo, mas desta vez ele apareceu, por uns dias, sumiu e agora voltou de novo! Eu gostaria de uma solução, mas não queria fazer aquela cirurgia que fica com a ferida aberta, e tem de ficar um bom tempo  em recuperação. Como faço para marcar uma consulta com o senhor, porque li no seu blog da saúde medica sobre a técnica fechada.
Resposta: A recuperação da técnica fechada foi menos demorada, nos pacientes que eu reoperei, e que tinham feito a aberta. A melhor técnica, será aquela que o cirurgião tem experiência na sua execução e suporte para acompanhamento. Marque uma consulta para que eu possa avaliar o seu caso.  


5- Tenho um cisto pilonidal e a cirurgia pelo meu plano de saúde  vai demorar e não paga a cirurgia a laser, eu não aguento mais a dor e a drenagem de secreção pelo orifício. Gostaria de saber quanto seria o custo da cirurgia na sua clinica?
Resposta: Valores somente após a consulta. Planos de saúde não cobrem a cirurgia com o laser.

6- Olá Dr. Paulo, eu tenho um cisto pilonidal e ele inflama as  vezes. Toda vez que preciso ir ao médico eles querem operar mas eu simplesmente tenho pavor dessa cirurgia que eles fazem e deixam aberta. Primeiro pela recuperação e segundo pela cicatriz horrível que fica. Eu trabalho sentada o dia inteiro e preciso tratar isso. Aí procurando na internet achei o seu site falando da cirurgia usando o laser e fechando a ferida e fiquei muito interessada. Eu sou brasileira mas moro na Austrália mas estou disposta a vir a São Paulo só pra fazer essa cirurgia. Será que é possível ter uma estimativa de custos envolvidos para que eu possa me preparar?
Resposta: Seja a técnica aberta ou fechada, irá existir uma cicatriz, que não dá para saber se irá ficar boa ou horrível, como referida por você. Você poderá vir realizar o tratamento e os valores somente após a consulta.
7- Olá Dr. boa tarde, meu filho tem 15 anos e já fez uma operação do cóccix por causa do Cisto pilonidal e o medico operou e não deixou aberto, fechou e mesmo assim depois de 4 meses o problema voltou. Eu quero evitar a operação no qual fica aberto para que ele possa ter uma recuperação mais rápida e para não passar por alguns constrangimentos porque sei que é uma recuperação muito difícil e demorada e eu como pai quero fazer o melhor para o meu filho...claro como todo pai. Fiquei sabendo da operação com o laser e queria saber se o resultado é realmente positivo?
Resposta: Uma das causas de retorno do cisto é a presença de pelos próximo a sutura e a outra é deixar tecidos comprometidos ou trajetos fistulosos no local. Concordo em gênero, numero e grau em deixar fechada a ferida cirúrgica, principalmente nesta idade, onde todos os pais me pediram para realizar a técnica fechada, principalmente pelo aspecto e facilidade na condução da recuperação. Essa idade a condução do pós-operatório exige uma sincronia e comunicação intensa entre a família e medico.

8- Olá Dr. Tudo bem?? Fui ao médico e fui diagnosticada com Cisto pilonidal. Disse que para remoção é somente com cirurgia. Porém queria ter uma opinião sua, pois ele me dói poucas vezes e 1,2 dias e logo passa. A inflamação não é forte. Sai muito pouco liquido de inflamação. O Dr. que eu fui quer fechar com pontos, porem eu estava pesquisando e a maioria dos lugares diz que se fechar pode dar complicações. Por isso pergunto na sua opinião em fechar e com a sua experiência e por eu ser uma mulher me preocupo também com a cicatriz deste procedimento tem algum problema?
Resposta: Você tem de ter cuidado, porque o fato de não te incomodar, não tratará a doença que continua evoluindo com o risco de criar novos trajetos, o que tornará a cirurgia maior. Segundo uma cicatriz sempre ficará e sempre que possível eu procuro fazer pontos mais estéticos. Eu sempre fecho a ferida e nunca tive complicações desta conduta.

9- Bom dia Dr. Paulo Branco. Ao pesquisar por tratamentos ao Cisto Pilonidal, apareceu seu nome. Eu possuo esse problema, e já é a terceira vez que ele retorna, e eu gostaria de saber qual cirurgia você me indica, pois trabalho e estudo, vi que as cicatrizações são demoradas, queria saber se existe uma cirurgia de rápida cicatrização e retorno?
Resposta: A cicatrização dependerá de vários fatores, como a técnica, tecnologia, orientações para os cuidados no pós-operatório, medicamentos e tamanho e tipo de cisto, se simples ou complexo. Eu sempre prefiro e faço a técnica fechada, porque a recuperação é melhor, mais rápida e menos agressiva física e psicológica para os pacientes que geralmente são muito jovens. E aquela historia, se um ponto infectar, eu tiro o fio e coloco pomada cicatrizante, o que é bem melhor do que uma ferida toda aberta.  

10- Dr. Paulo Branco, meu filho de 26 anos tem Cisto Pilonidal, já tendo operado 4 vezes, ocorrendo recidiva.  Qual sua recomendação e o senhor conheceria algum especialista aqui no Rio de Janeiro que realiza a mesma cirurgia que o senhor?
Resposta: Minha amiga não conheço, mas 4 vezes é demais, tem de ter alguma coisa errada neste caminho. Pare tudo, comeci do zero. Uma estratégia deverá ser estudada para uma quinta e ultima cirurgia. Esta é a minha linha de conduta para casos que eu recebo, como o do seu filho na minha clinica.  

11- Fui operado de Cisto Pilonidal, por 2 vezes e hoje drenou uma secreção por um orifício ao lado da cicatriz, o que poderá ser?
Resposta: Indica que possivelmente o cisto se formou novamente. Já tive casos como o seu e as vezes foi uma pequena infecção, ou um pequeno trajeto fistuloso que que eu resolvi sob anestesia local. Eu costumo detectar durante a consulta o novo trajeto fistuloso do cisto com um guia metálico desenvolvido por mim, para posteriormente tratar.  

12- Descobri que tenho Cisto pilonidal há 3 meses, mas também tenho uma hérnia inguinal, posso realizar as duas cirurgias ao mesmo tempo?
Resposta: As duas cirurgias eu já fiz ao mesmo tempo e sob anestesia local e sedação e com o laser.

13- Olá Dr. Paulo, tudo bom? Encontrei o seu blog através de uma pesquisa no google.
Estou com umas dúvidas em relação ao Cisto pilonidal. O sr. Poderia me responder?
Eu descobrir ontem que tenho esse cisto, que esta situado logo no começo das nádegas, bem no meio da divisão entre as bandas. O meu cisto é diferente dos citados em blogs da internet. No meu caso, há apenas um orifício com menos de 1 cm de diâmetro. Nunca senti dores nem nada. Em relação a secreção, notei que sai uma bolinhas de pelos, bem finos mesmos, parece tecido de tão fino que é. Mas, não tenho certeza se eles estão saindo deste orifício. Já Sabia que tenho o orifício a alguns anos. Não houve nenhuma trauma nesta região, com exceção  de uma queda de skate, na qual eu cai e bati o cóccix no chão e doeu por alguns dias.  Eu pergunto, nesse caso, de haver somente 01 orifício, mas não haver sintomas é necessário um procedimento cirúrgico?
Resposta: O cisto pilonidal é uma doença, cujo tratamento definitivo é a cirurgia. Se você estiver em duvida, poderá realizar uma ressonância magnética da região, ou na minha clinica eu tenho um guia que possivelmente detectará o trajeto. Já tive casos como o seu de inflamação no cóccix que causava a dor. Quando do exame clinica, eu gosto de examinar essa região para afastar ou confirmar a coccidinia.

14- Pesquisando na internet achei seu comentário sobre cirurgia de cisto pilonidal. Estou com minha filha com 18 anos com esse problema. Começou com infecção tratada com antibiótico e antiinflamatorio ao qual não surgiu efeito. Sendo necessário fazer um corte nesse local e deixar drenando até sair por completo todo o pus, e no hospital onde eu operei, não obtive maiores esclarecimentos, o que me fez pensar que a cirurgia seria definitiva. Essa semana minha filha reclamou que tinha algo a incomodando e ao levar no medico descobri que ainda está com cisto e irá precisar de outra cirurgia. Estou confusa e com pouca confiança, gostaria de saber se é possível realizar o procedimento retirada do cisto pela sua  técnica?
Resposta: A primeira cirurgia foi para tratar o abscesso, através da drenagem, porém a causa do cisto que usualmente é um pelo, ficou e mantem a infecção. A segunda cirurgia será para retirar o tecido formador do cisto. Eu faço a retirada deste tecido com o laser, sob anestesia local e as vezes sedação.

15- Boa noite Dr. Paulo,
Quem lhe escreve é Marcelo, li muito seu blog e queria tirar algumas dúvidas? Há +- 3 semanas estava com secreção e dor na região do cóccix, fui no proctologista que imediatamente me diagnosticou com Cisto Pilonidal. Esse médico eu não conhecia, e me sugeriu fazer uma cirurgia fechada com prazo de recuperação em torno de 20 dias. Eu marquei consulta com outro proctologista, esse mais conhecido pela minha família, que também diagnosticou Cisto Pilonidal e me sugeriu a cirurgia aberta com recuperação de 2 meses. Bom Dr sei que essa cirurgia, especialmente a aberta não é simples, e no meu caso que estudo a noite e trabalho pela manhã, será quase impossível arrumar este tempo? Gostaria muito de ser examinado pelo senhor, pois gostei dos seus métodos, principalmente o laser, e queria saber se fazendo, em quanto tempo estarei pronto para andar e sentar para assistir minhas aulas. Conto muito com a sua ajuda.
Resposta: A melhor técnica será aquela que cure a sua doença e que se adapte ao seu estilo de vida. Eu acho que a técnica fechada se adaptará melhor as suas necessidades, permitindo que você desempenhe as suas funções no dia a dia. O prazo de recuperação para cicatrização é difícil de prever. Mas na minha experiência a técnica fechada permitirá que você não passe por situações constrangedoras, como a drenagem de secreções nas roupas referida como a principal queixa pelos pacientes que realizaram a técnica aberta.

          


               16- Bom dia Dr. Paulo e equipe, tudo bem!?
Há alguns anos, sinto incômodo no cóccix ao sentar em superfície dura. Não chega a ser dor, mas um desconforto leve. Já percebi também que sempre há uma suave excreção de liquido com cheiro ruim, que nunca chegou sequer a manchar minhas cuecas. Mas ha um mês, ao tomar banho, percebi que abriram dois buraquinhos bem pequenos nessa região e saiu um filamento parecido com macarrãozinho. Fiquei desesperado por não saber o que era, quando o médico confirmou o cisto pilonidal. Tomei antibiótico e antiinflamatorio por uma semana. Até hoje os buraquinhos  não fecharam completamente. Ando sempre com papel higiênico para não manchar a cueca.
1-       Os buraquinhos iram fechar com pomadas?
2-       Como não sinto dor, será necessário operar?
3-       Algum dia, irá secar?
Resposta: Nunca irá secar, nem o cisto e nem os buraquinhos. Pomadas não tratam o cisto pilonidal, mas somente a   a sua retirada cirúrgica.

17- Paulo boa tarde. Moro em Mogi Mirim e gostaria de saber sobre a cirurgia do cisto pilonidal, pois apareceu no meu filho há uns três meses e já foi indicada a cirurgia. Gostaria de saber se a cirurgia a laser será benéfica para ele, e se precisará ficar internado?
Resposta: Os pacientes que eu opero não ficam internados, porque o procedimento é realizado sob anestesia local. A cirurgia será benéfica para o seu filho.



18- Gostaria de saber se é possível a cura apenas com medicamentos. Também observei os relatos sobre um tratamento alternativo com FENOL, com bons resultados. O senhor já indicou este tratamento para os seus pacientes?
Resposta: Nunca, não deixe fazer isso com você. Os medicamentos como os antibióticos estão indicados para tratar a infecção na fase aguda, mas não o cisto. 

19- Olá, desculpe o incomodo, mais estou com suspeita de Cisto Pilonidal, me incomoda o fato de ter feito pesquisas que apontam a demora da cicatrização, e por ser uma cirurgia sem pontos e não permanente, vendo muitos casos que a pele volta a abrir, sinceramente isso é algo horripilante, gostaria de saber de você, se tem algum tratamento alternativo, para a fase inicial/media, essa cirurgia não me soa nada bem, então queria saber se tem remédios, pomadas ou algum outro tratamento. Sou grato desde já. Espero a resposta.
Resposta: O cisto pilonidal não é tratado por pomadas e não existe nenhuma forma de tratamento alternativo descrito como eficaz. Você será beneficiado pela técnica fechada.

20- Bom dia Dr. Paulo Branco.
Tenho 18 anos, realizei a cirurgia do cisto pilonidal no dia 12/08/2012. Porém ela não fechou ainda. Já evoluiu muito de quando foi feita a cirurgia, mas o processo ainda está muito lento e estou muito preocupado Dr, pois todos os dias minha mãe lava com soro, e faz o curativo. Já fui em vários médicos, e cada um falou uma coisa. Dr queria a sua opinião?
Resposta: Não espere mais, somente uma nova retirada cirúrgica deixará você curado. Casos como o seu eu retiro todo o cisto com o laser, sob anestesia local e sedação.

21- Prezado Doutor
Meu filho terá que fazer uma cirurgia de Cisto Sacrococcígeo, o médico indicou o procedimento a laser de CO2, gostaria de saber se é a melhor opção, com melhor recuperação...?
Gostaria de saber também uma questão burocrática...os convênios cobrem a cirurgia a laser?
Resposta: A cirurgia a laser não é coberta por nenhum plano de saúde. Eu faço primeiro uma depilação dos pelos na volta do cisto a laser e depois faço a retirada com o laser e sempre fecho aferida cirúrgica.





Pelinha ou plicoma:
Comentário: Dr Paulo Branco
Essa pelinha ou plicoma, é diagnosticada como uma hemorroida externa crônica, porque abaixo dela há um vaso, que justifica o aumento de volume ou estufamento da pelinha, referido pelos pacientes em algum momento da sua evolução. Essa pelinha, descrita pela maioria dos médicos como inerte do ponto de vista orgânico, e assim conceituada pela quase totalidade dos livros e artigos de medicina, certamente não é do ponto de vista psicológico para muitos pacientes. Lembrar que muitos pacientes referem uma dermatite ou coceira determinada possivelmente pelo deposito de resíduos fecais nas dobrinhas da pele, o que dificulta a higiene local, e já tive pacientes que com uma verdadeira neura de limpeza nestes locais, o que só contribui para a irritação local.   

1-Dr. Paulo boa tarde, tirando duvidas na internet sobre o plicoma achei o seu site, moro em vitória e tenho um plicoma ou pelinha que é motivo de muita vergonha minha para com meu marido....vi que existe uma intervenção a laser e é coisa feita até em consultório  mesmo....pena que moro em vitória se não consultaria com o sr. O senhor sabe se existe alguém que seja bom profissional e faça a técnica com o laser para retirada do plicoma?
Resposta: A retirada desta pelinha com o laser seguramente é a cirurgia que eu mais realizo, sob anestesia local. Essa pelinha ou plicoma é diagnosticada como uma hemorroida externa crônica que dificulta a higiene local, determinando uma dermatite ( coceira). As mulheres realmente se sentem incomodadas com a estética gerada pela pele, que em muitos casos chega a cobrir parcial ou totalmente a abertura anal.


2-Bom dia doutor, estou preocupada com uma situação e gostaria da sua opinião. Bom estou com uma amiga que percebeu ainda esses dias que esta com uma pele para fora do ânus, não dói, não sangra e poucas por pouco tempo ela sente uma coceira, mas dizendo ela por pouco tempo. Ela está bastante preocupada, teria alguma idéia do que seria? Desde já agradecemos pela atenção e aguardamos pela  sua resposta.
Resposta: É que essa pelinha, fica enrugada e formando pequenas preguinhas, e facilitando a permanência de fezes no seu interior que causa uma irritação e coceira local.  Você poderá fazer uma higiene rigorosa diariamente ou retirar a pelinha, como forma definitiva de tratamento.

3- Estou com sintomas de plicoma, pelas imagens e sintomas que vi em seu blog, acredito que tem muita semelhança, para essa cirurgia a laser gostaria de saber o valor, formas de pagamento, endereço, sou de São José dos Campos mas gostaria de passar por uma consulta na sua clinica?
Resposta: Valores somente após a consulta. Não conheço na sua cidade um  colega que realize este tipo de cirurgia.
                             
4-Grampeador x Pelinha: Realizei a cirurgia de hemorroida por grampeador e ficaram algumas peles fora que me incomodam muito, principalmente quando vou fazer a higiene, é possível retira-las com o laser?
Resposta: A cirurgia com o grampeador não trata essas pelhinhas, tenho pacientes que realizaram este tipo de cirurgia e depois me procuraram para retirar as pelhinhas com o laser, sob anestesia local.

5-   Boa tarde! Desejo saber como  posso agendar com o Dr. Paulo  a cirurgia para a retirada de dois plicomas?
Resposta: Você poderá marcar a consulta para que eu confirme a sua impressão diagnostica, retire a pelinha com o laser.

6- Olá Dr. Td bem? Gostaria de saber se, o senhor realiza cirurgia de retirada de plicoma em sua clinica, se o procedimento é dentro do centro cirúrgico, no ambulatório ou no próprio consultório. Preciso fazer a retirada de um plicoma e tenho algumas dúvidas?
Resposta: A retirada do plicoma exige um cuidado de sua demarcação prévia para evitar a sua retirada incompleta  a seguir. sob anestesia local e  a alta sera demarcacao nestesia local.amenro.as fezes ficalgna. do sadio, isento de pelos prox Dessa forma, gostaria de tirar algumas dúvidas:
-     Qual o horário de atendimento da clinica?
 Horário: Das 12hs as 17hs.
-     Há necessidade de internação ou poderia voltar no mesmo dia para casa?
Não há, o procedimento é realizado sob anestesia local e  a alta será a seguir.
-     Qual o tempo de recuperação?
Geralmente você levará uma vida normal,  e tomará antitinflamatorio
 por 7 dias.
- Corro risco de incontinência anal?
Não, porque  o plicoma é superficial e formado por pele e vaso, e não há musculo.
Desde já agradeço o apoio.

7- Olá! Monica sou de Goiânia e gostaria de marcar uma consulta com o Dr. Paulo, preciso saber se vocês atendem pela Unimed?  Estou tratando com um medico daqui e não estou tendo resultado. Meu caso penso que é fissura/plicoma.
Resposta: Não faço cirurgia por plano de saúde. Precisaria examina-lo, para um diagnostico. Se fissura ou plicoma, eu trato com o laser, e sob anestesia local.

8- Tenho plicomas desde minha gravidez, meu bebe já tem 7 meses e desde então só fui uma vez ao procto e ele me receitou um tratamento sem ao menos visualizar meu caso.... fiz o tratamento durante um mês com uma pomada de manipulação e um pozinho a base de fibras, o que não melhorou. Os plicomas me incomodam terrivelmente e preciso retira-los. Doutor as pomadas poderão reduzir os plicomas?
Resposta? Os plicomas são definidos atualmente como hemorroidas externas crônicas, por apresentarem um vaso abaixo da pele, e somente a cirurgia trata.  A retirada deverá ser do plicoma e o vaso, para que não haja risco de retorno da pele.

9- Falei com o doutor uma vez mas já faz tempo. É que tenho um plicoma. Minha ginecologista me disse que não é hemorroida. Fui então a uma  proctologista e ela queria marcar logo a cirurgia de hemorroida, o que acho que não é o caso, porque é uma pele externa. Estou para ir a SP, e gostaria de saber se o senhor poderia me atender e se possível realizar o procedimento de retirada desse plicoma que tanto incomoda.
Resposta: Seguramente, e a retirada do plicoma, que é uma hemorroida  externa crônica, seguramente é uma das cirurgias que eu mais realizo com o laser.

10- Dr. Paulo após minha gravidez fiquei com duas pelinhas no ânus, que me incomodam muito em termos de higiene. Tenho uma amiga que fez a cirurgia tradicional e ficou 2 meses sofrendo, e a parte estética não ficou boa. Gostaria muito de fazer esta cirurgia a laser. Como é a recuperação?
Resposta: Eu sempre escrevo que a demarcação da pele que forma o plicoma, será fundamental para evitar a sua retirada parcial e insucesso do tratamento. A recuperação geralmente é boa, desde que você siga todas as orientações comportamentais e nutricionais descritas em um guia, escrito por mim para o pós-operatório.


Hemorroida:
Homenagem: Mestre Pitanga Santos,
Não há capitulo da Medicina mais universalmente conhecido e ao mesmo tempo mais repleto de erros e preconceitos que das hemorroidas.


Comentário Inicial: Dr Paulo Branco
Diante dos conhecimentos atuais e das tendências na realização de procedimentos cirúrgicos cada vez menos agressivos, solicitam que  a cirurgia clássica para as hemorroidas seja submetida a uma reavaliação, nos seus resultados, principalmente no seu pós-operatório.  Muita vezes me vi na situação de ter de usar varias técnicas cirúrgicas para o tratamento das  grandes hemorroidas, que provocam profundas alterações na anatomia local, transformando a cirurgia em uma verdadeira plástica anal. Duas conclusões eu tirei ao longo destes 28 anos tratando das doenças anorretais:
1-Tenho tratado os casos mais simples, com formas e técnicas de tratamento também mais simples, e procurar com a associação de técnicas e recursos técnicos transformar os casos mais complexos em mais simples possível.
2- Uma outra conclusão que tirei ao longo destes anos é que procuro me comunicar diariamente , se possível, com os meus pacientes, principalmente na primeira semana de pós-operatório. Essa interação tem representado um item a mais para que o paciente tenha um evolução mais confortável após a cirurgia.  

Vamos as dúvidas:
1- Olá doutor, fiz a ligadura elástica há 2 dias e continuo sentindo fortes pressões, ardências e picadas. Ao evacuar, o anel pulou e acompanhado de sangue. No momento estou com dor, o que devo fazer?
Resposta: Casos como o seu, eu faço uma revisão endoscópica nos locais de colocação do anel elástico, para estudar possíveis complicações locais. Em alguns casos, eu tive de colocar novos anéis elásticos, porque os primeiros estavam mau posicionados. Para evitar este tipo de complicação que representa um  insucesso do método, eu tenho colocado dois anéis elásticos, de modo que se um anel sai mais precocemente o segundo permanece, e lembrar que a ligadura elástica funciona como um procedimento cirúrgico, amputativo para os mamilos hemorroidários.  

2-Bom dia doutor? Tenho 45 anos e tenho hemorroida interna a muitos anos, porém ultimamente vem incomodando no ato das evacuações, com sangramento. Estou usando pomadas, mas não está resolvendo quase nada. O que faço para parar este sangramento?
Resposta: O componente mais sintomático das hemorroidas são os internos e geralmente casos como o seu respondem bem ao tratamento conservador, feito através da ingestão  de 30gr de fibras diariamente, associado a 2l de água e medicamentos de uso local e oral. Para os casos que continuam a apresentar o sangramento, eu trato com a ligadura elástica e se não resolver com o laser.  As orientações nutricionais e comportamentais, são de grande importância para que você adquira hábitos e comportamentos compatíveis com uma vida saudável e passe a não mais apresentar sangramento. Sempre lembrar que os casos que não respondem ao tratamento clinico, feito com pomadas e medicamentos orais, fazer uma investigação endoscópica da mucosa anorretal, para afastar outras causas de sangramento como os pólipos.

3-Caro doutor Paulo, boa tarde, por acaso, vi seu blog na net e como estou sofrendo de estenose anal por conta de uma cirurgia de hemorroidas que fiz no ano de 2000, gostaria de ter uma noção para o tratamento e gostaria de saber onde o senhor atende e se atende conveniados da Cassi?
Resposta: Não atendo e não realizo a cirurgia por plano de saúde. A estenose anal poderá acontecer, como complicação do tratamento cirúrgico das hemorroidas, principalmente das hemorroidas de quarto grau. A estenose geralmente decorre:
- O cirurgião retirou muito tecido;
- A cicatrização do pacientes é acima do normal.
Geralmente pelo exame clinico, eu faço a diferença entre estreitamento e estenose anal. O diagnostico diferencial tem grande importância para o tratamento, que será diferente para essas duas formas de complicação. São casos complexos que exigirá calma e uma boa estratégia de tratamento.  

4- Olá, gostaria de saber se o Dr. Paulo atende por algum convênio e qual seria. Tenho 36 anos, sou portadora da Síndrome de NASH, Tireoidite de Hashimoto. Gostaria de uma consulta sobre cirurgia de hemorroidas com laser. Grata, Gisele.
Resposta: Não atendo, mas será um prazer, discutirmos do diagnostico ao tratamento da doença hemorroidária.


5- PPH x Hemorroidectomia: Oi boa noite. Sou medico e portador de doença hemorroidária grau III / IV, recidivadas após técnica de PPH, realizada em 2010. Na ocasião evoluiu com muita dor no pós-operatório. Voltei a apresentar sangramento, dor as evacuações e tenesmo.  Após exame físico recidiva total do prolapso e dilatação dos mamilos internos e externos. Gostaria de saber se a hemorroidectomia convencional a laser pode ser aplicada nas recidivas, e qual a vantagem do laser quanto a dor , recidiva e complicações em relação a técnica tradicional sem laser. Agradeço a atenção e oportunidade do questionamento.
Resposta: O PPH não trata os plicomas, ou as pelinhas fora da abertura anal. Eu tenho retirado essas pelinhas com o laser, sob anestesia local. A técnica do grampeador foi proposta inicialmente para tratamento do prolapso da mucosa retal, portanto de mucosa e não resolve os plicomas ou as pelinhas fora da abertura anal.

6- PPH: Doutor realizei a cirurgia de grampeamento para tratar hemorroidas de quarto grau. Antes da cirurgia as pelinhas fora me incomodavam muito e permaneceram até hoje. Queria ser tratada na sua clinica para possível retirada destas peles com o laser, é possível?
Resposta: É possível. Para os  casos de hemorroida operados com o PPH e que o prolapso ou saída da hemorroida continua, eu tenho tratado com a ligadura elástica e as pelinhas que ficam fora, eu retiro com o  laser e sob anestesia local.

7- THD: Realizei essa cirurgia para tratamento de hemorroidas de quarto grau, porem continuo com as pelinhas fora do Ânus que me dificulta a higiene e não gosto do aspecto, essa pele forma uma cortina na entrada do ânus. Tem como resolver?
Resposta: Já operei casos que realmente o plicoma forma uma verdadeira cortina sobre a abertura anal. O resultado tem sido muito gratificante para os pacientes do ponto de vista estético e funcional. O grande problema da técnica referida é que muitos pacientes, principalmente as mulheres, continuam com as pelinhas, e que muitas vezes o medico não valoriza a queixa dos pacientes, da sua dificuldade de higiene, coceira e estética. Eu retiro essas pelinhas com o laser, sob anestesia local.  

8- Doutor operei de uma hemorroida de quarto grau há 6 meses, e no momento estou com uma fissura na abertura anal, que não cicatriza. O que posso fazer, o senhor já tratou de casos como o meu?
Resposta:  A fissura por você referida, chama-se residual, é consequente a um estreitamento da abertura anal decorrente da cirurgia anterior. Na minha experiência, eu obtive com a cirurgia os melhores  resultados de tratamento para casos como o seu. As orientações e conduta de tratamento no acompanhamento semanal, contribuem para o bom resultado final. Não desista e tenha paciência.

9- Ficaria muito grato se poder responder a minha duvida. Tenho hemorroida de terceiro grau, que foi tratada com ligadura elástica, porem não funcionou. O meu medico quer repetir o procedimento. Queria a sua opinião?
Resposta: Os casos de hemorroida de terceiro grau, que eu tentei repassar os anéis elásticos, na maioria não obtive sucesso, mas vale apena tentar, por se tratar de um procedimento pouco agressivo e que poderá funcionar. As vezes na primeira colocação,  os anéis não ficaram bem posicionados e acabaram saindo. Um outro detalhe é que eu tenho colocado dois anéis em cada vaso hemorroidário, exatamente para evitar a sua expulsão.

10- Tenho hemorroida de segundo grau e uma fissura anal crônica. O meu medico falou que só irar fazer a cirurgia para a fissura anal crônica e com dieta adequada eu irei resolver a hemorroida. Ocorre que muitas vezes, eu tenho sangramento sem dor. O senhor não acha que as hemorroidas poderiam ser retiradas na hora da cirurgia?
Resposta: As hemorroidas de segundo grau, não são de tratamento cirúrgico. A fissura anal crônica, sim. Eu geralmente faço o tratamento da hemorroida através da ligadura elástica e a fissura crônica com o laser.
11- Boa tarde, estou com hemorroidas. Estou fazendo tratamento com pomadas e supositórios, mas não estou vendo melhora. Tem algumas veia dilatadas que não estão voltando ao normal. Estou preocupado com elas, principalmente por não está podendo realizar sexo anal. O que o Sr. Aconselha? Qual o procedimento para elimina-las?  Sou de Curitiba, podemos agendar uma consulta e se for necessário da para fazer o procedimento no mesmo dia?
Reposta: Eu precisaria examina-lo, para saber a melhor conduta que possa beneficia-lo. A relação anal não causa hemorroida, porem poderá inflama-las.


12- Tenho hemorroida de III, e as vezes de IV grau. Passei pelo proctologista há 5 dias, e o mesmo me deu encaminhamento para realizar a cirurgia. A ligadura elástica tem menos sofrimento na recuperação em relação a cirurgia a laser?
Resposta:  O seu caso é de tratamento cirúrgico, que eu faço com o laser. E faço a ligadura elástica somente para hemorroidas até o terceiro grau que apresentam sangramento.  


13- Ligadura Elástica: Dr. Paulo, Boa noite.
Sou o Carlos, tenho 21 anos e sou de Recife-Pe, e fiz o procedimento de ligadura elástica em 3 hemorroidas de 3 grau no dia 17/05/13 e até a data de hoje as hemorroidas não caíram. É normal esse prazo? Pode-se esperar um prazo? Pode-se esperar um resultado eficaz mesmo as ligas caindo antes? Será que preciso refazer o procedimento?
Resposta: O procedimento não foi eficaz para o seu caso. Se os anéis elásticos não forem bem colocados, caíram antes de haver necrose do vaso ou coxim hemorroidário. Para evitar este tipo de complicação, eu tenho colocado dois anéis elásticos em cada hemorroida, se o primeiro sair o segundo poderá ficar para garantir o bom resultado.

14- Gravidez: Olá gostaria de tirar uma dúvida, estou grávida de 9 meses e estou com o ânus doendo um pouco, já tive hemorroidas, no parto normal é verdade que as hemorroidas saem para fora e pioram? O que eu poderia fazer para evitar que meu problema se agrave?
Obrigado, aguardo resposta.....
Resposta: Durante a gravidez é difícil o tratamento, porque as hemorroidas dilatam mais por motivo hormonal e porque o útero aumentado determinará o aumento da pressão na cavidade abdominal o que dificulta o retorno do sangue das veias do reto, que abam ficando dilatadas. Mas a sua queixa esta mais para uma proctite, que é uma inflamação anal, que poderá ser tratada por medicamentos específicos. Mesmo para as hemorroidas com sangramento, eu mantive o  tratamento conservador, clinico, porem alguns casos eu atendi com trombose, cujo tratamento de inicio foi também clinico e para as gravidas que não melhoraram eu retirei o coagulo com o laser e sob anestesia local.

15- Dr. Paulo, o sr realiza cirurgia de hemorroidectomia ou anuplastia na sua clinica , como fazem alguns cirurgiões? Eu já fiz uma, mas vejo que o médico não retirou toda a hemorroida externa, e isto ainda me incomoda, e não quero ter que fazer internação em hospital. Moro em Campinas e iria até SP, tratar na sua clinica.
Grato.
Resposta: A clinica esta equipada para tratar qualquer tipo de hemorroida.  A anuplastia é um procedimento complexo, que poderá ser feita na clinica, e nunca em consultório.

16- Depois de um dia de trabalho, ao chegar em casa e tomar banho, senti uma pequena bolinha endurecida e dolorida, o que poderá ser?
Resposta: O que você refere é uma trombose hemorroidária, isto é o sangue coagulou dentro do vaso hemorroidário. A bolinha endurecida e dolorida que é por você tocada é o coagulo em baixo da pele. Esse coagulo poderá ter três caminhos:
1- Ser absorvido pelo seu organismo;
2- Ser expulso através da pele que o recobre
3- O cirurgião deverá retira-lo
A conduta deverá ser aquela com a qual o proctologista tenha mais experiência. No inicio o organismo reage a presença do coagulo com um forte edema que causará dor ao menor toque com o coagulo. Esse edema geralmente melhora com antiinflamatorio, e o momento da cirurgia será decidido pela experiência do cirurgião.

17- Fui diagnosticada com hemorroida mista, externa e interna, foi indicado tratamento cirúrgico, porém não me foi explicada a forma como este procedimento pode ser feito. É possível fazer tal cirurgia a laser? Qual o melhor método cirúrgico, em sua opinião, neste caso? E o tempo de recuperação?
Resposta:  hemorroida mista é de tratamento cirúrgico. O que eu tenho feito para diminuir a agressão cirúrgica e tornar o pós-operatório melhor, é tratar a hemorroida interna com a ligadura elástica e a externa, retirar com o laser, sob anestesia local, em técnica chamada hemorroidectomia hibrida.

18- Fiz cirurgia de hemorroida dia 04/09/2013 e ainda não fui ao banheiro. Estou comendo bastante fibras e tomando chás e água, mas percebo que a minha barriga está crescendo ou inchando. Meu médico não passou nenhuma pomada, ele só me disse que era para eu colocar um supositório a cada 2 dias se não tivesse ido ao banheiro. O que o Dr acha? Muito obrigado.
Resposta: Os meus pacientes eu já prescrevo para o pós-operatório imediato uma alimentação com 30% de fibras e prefiro medica-los com laxantes que lubrificam a mucosa anorretal. Os supositórios são difíceis de serem colocados pela dor e desconforto referido pelos pacientes.

19- Gostaria de saber onde posso marcar uma consulta para meu pai, pois ele precisa urgentemente operar das hemorroidas que já foram diagnosticas em estagio avançado. Tem 70 anos, toma remédio para a pressão , mas os exames recentes, inclusive o eletro e estavam normais.
Resposta: Os pacientes nesta idade, geralmente apresentam hemorroidas de quarto grau, com um grande prolapso, e se sentem profundamente incomodados pela dor, coceira e sangramento local. A cirurgia é a melhor forma de tratamento e geralmente apresenta bom resultado.

20- Doutor, costumo ler os artigos dos seus blogs, e parabéns pela iniciativa. Tenho sangramento por hemorroidas de segundo grau e também foi diagnosticada uma papila aumentada que chega a sair pelo ânus. O medico indicou a cirurgia convencional  para a retirada das hemorroidas e da papila. Queria saber se o laser estaria indicado para o meu caso?
Resposta: A hemorroida de segundo grau eu prefiro tratar com a ligadura elástica e a papila eu retiro com o laser, sob anestesia local. A regra que eu procuro seguir para os procedimentos proctologicos, será sempre do menos para o mais agressivo.

21- Estou com um problema: Fiz cirurgia de hemorroida no dia 14 de julho e a recuperação estava indo tudo bem, mas a cicatrização foi muito intensa, logo o ânus ficou com um orifício bem menor do que antigamente.
Com isso estou sofrendo muito pra defecar e toda semana vou ao medico, que realiza um procedimento muito dolorido, pois o mesmo da anestesia local e quebra as cicatrizes formadas no ânus! Por favor me ajude com os seus conhecimentos  e experiência, pois estou com medo de ter que fazer outra cirurgia!
Grata.
Resposta: Os casos de estreitamento anal por cicatriz, que é o seu caso, eu não obtive bons resultados com  o tratamento por dilatação como o que está sendo feito em você. Eu prefiro o tratamento cirúrgico que apresenta melhor resultado. Eu faço o inverso, trato o estreitamento cicatricial com a cirurgia e no retorno a clinica, mantenho a nova abertura anal com dilatações suaves. O médico deverá ser incisivo para que o paciente não abandone o tratamento, o que ocorre com grande frequência. Não desista, não perca a motivação e acredite que dará certo.

22- Gostaria  de saber se todas as cirurgias de hemorroida são doloridas, com muita intensidade!! Se for, o que fazer para suporta-la?
Resposta: Um médico proctologista, experiente ou não, que fale para o seu paciente que existe cirurgia anal indolor, está mentindo. O que existe na pratica, é a utilização de tecnologia, técnicas e recursos de técnicas cirúrgicas associadas a um pós-operatório bem e mal feito, principalmente em cirurgia proctologica, que influenciaram no resultado final do procedimento cirúrgico. Muitos casos de hemorroida de grau avançado, eu costumo usar pelo menos entre 2 a 4 técnicas cirúrgicas  para obter o melhor resultado possível. Na fissura anal crônica, há uma grande tendência em não se manipular a região da fissura, o que poderá causar mais dor no pós-operatório, em fim são esses cuidados intra-operatórios  que poderão fazer uma grande diferença.

23- Realizei a ligadura elástica há 3 meses atrás para tratamento de hemorroida interna de 3 grau. Fui ao banheiro e fazer a higiene, percebi a hemorroida que coloquei para dentro novamente. Na sua experiência, o que devo fazer, tentar nova ligadura?
Resposta: O medico tem de ter uma experiência para realizar a ligadura elástica para as hemorroidas de terceiro grau. Quando eu realizo, reduzo a hemorroida para dentro do reto e neste local faço a ligadura. Se não houver uma precisão e equipamento adequado, poderá acontecer do anel soltar precocemente. Casos como o seu eu tenho colocado dois anéis elástico, porque se o primeiro anel sair, o segundo garantirá o tratamento. 

24- Estou com hemorroida trombosada depois de ter diarreia por 7 dias, já passei pomada de tudo que é tipo, mas não estou mais aguentando isso, tive uma gastroenterite e estou gravida de 7 meses.
Resposta: O tratamento clinico deverá ser a forma inicial de abordagem. Se não resolver a retirada cirúrgica do trombo será indicada. É um procedimento relativamente simples, e poderá ser feito sob anestesia local. O medico deverá retirar o coagulo e fazer a menor cirurgia possível.  

25- Olá doutor, meu marido operou de hemorroida há 60 dias ( ferida aberta) e até hoje quando ele vai ao banheiro evacuar, sangra bastante, sangue vivo. Gostaria de saber se é normal! Obrigada....
Resposta: As feridas cirúrgicas resultante da retirada das hemorroidas, principalmente as de quarto grau, poderão demorar para cicatrizar, e pomadas de manipulação com elevado poder de cicatrização, deveram ser prescritas. Muitas vezes eu presenciei que os tecidos profundos cicatrizaram, mas a pele demora não envolver estes tecidos, então deveram ser utilizadas pomadas que contenham substancias que estimulem a multiplicação das células da pele, para encobrir os tecidos profundos, geralmente de cor avermelhada. Eu também procuro observar se não tem uma pequena fissura, chamada de residual, que geralmente deverá ser tratada pela cirurgia. Na minha experiência essa fissura quase sempre estava associada a um certo grau de estreitamento da abertura anal, causado pela cirurgia anterior, e a hipertonia ou contração aumentada do músculo formador do esfíncter interno do ânus Então, se esse estreitamento não for retirado, e a pressão do músculo não for diminuída, a fissura não irá cicatrizar. Esses procedimentos eu prefiro fazer com o laser e sob anestesia local e sedação. 



26- Olá boa noite. Gostaria de saber se vocês aceitam o plano medico Golden Cross, e se não qual o valor da consulta.
Além disso já gostaria de adiantar que tenho uma trombose hemorroidária já diagnosticada e gostaria de retirar com o laser, porque dentro de um mês eu vou ter a minha lua de mel, e quanto antes eu resolver, melhor.
Resposta: Acho que será melhor você primeiro resolver a trombose, e depois ir para a lua de mel, você ficará mais tranquilo. O procedimento será feito com laser e sob anestesia local, e você não precisará ficar internado. Eu não trabalho com plano de saúde.







27- Olá doutor!!!
Hoje fui tomar banho e repetir que estou com uma bolinha dura um pouco, para dentro do ânus, não dói mas estou preocupado.
Poderá ser uma câncer?
Resposta: Geralmente essas bolinhas endurecidas são tromboses, isto é o sangue coagulou dentro do vaso hemorroidário. Casos como o seu, eu prefiro fazer uma analise clinico-endoscópica na clinica para uma confirmação diagnostica e tratamento adequado.

28- Boa noite, Fiz 2 procedimentos com o dr Paulo Branco ano passado e estou precisando retornar para nova laqueadura / ligadura elástica de hemorroidas ( de outra que apareceu este ano). Há atendimento aos sábados nos consultórios ? Moro em itu, no interior, e por isso a preocupação qto a horários. Obrigado.
Resposta: Não abrimos aos sábados. Ligue para a minha secretaria, para combinar data e horário

Fístula e abscesso:
Comentário: Do ponto de vista pratico, o que você precisa saber é que a fistula é uma infecção que começa em uma glândula infectada pelas fezes na parte interna da abertura anal. Então essa glândula, que formará o orifício interno da fístula, precisará ser retirada pelo cirurgião, se não for a fistula se formará novamente, e esta é a principal causa do insucesso da cirurgia para retirada da fistula que eu tenho observado nos casos que eu reoperei na minha clinica. A outra cirurgia que eu mas realizei, foi para a retirada de próteses e fios usados para tratamento das fistulas. Então, raciocine comigo: o inimigo de qualquer prótese é a infecção, como a fístula é uma infecção, não dará certo, é tempo perdido para uma doença que continuará evoluindo agora juntamente com a prótese.

1-Fio guia x fistula: Estou sofrendo com uma fistula há 3 anos. Sou de Salvador e a minha medica vem tratando com antibióticos e mais recentemente me propôs colocar um fio para tratamento, já que a cirurgia convencional tem risco de incontinência anal. Doutor não aguento mais. Preciso resolver esta situação o mais rápido possível. Dependendo da sua resposta, pretendo tratar em SP, o que a minha medica esta de acordo. O senhor acha que a  cirurgia com laser, trata esta fistula, é possível?
Resposta: O principal motivo do fio como forma de tratamento da fistula, é o receio da sua proctologista  em lesar o musculo esfíncter anal durante a cirurgia,
com o risco de incontinência anal. Eu não indico esta forma de tratamento para os meus pacientes. Eu já retirei fistulas tratadas com o fio, estes pacientes são submetidos a uma grande angustia, porque continuam sintomáticos, com todos os sintomas da fistula que tinham antes da colocação do fio.  Eu retirei a fistula, juntamente com o fio, com o laser o que determinou a cura da doença.


2-Plug x fístula: Tive 03 abcessos drenados cirurgicamente que gerou uma fistula de trajeto único, operei e coloquei o Plug este não funcionou e há quatro meses estou com a fístula ativa, saindo secreção e inflamada....qual a possibilidade desta cirurgia a laser resolver o problema definitivamente.
Resposta: Essas próteses, plug e fios como forma de tratamento para as fístulas, acho que não funcionam. Eu prefiro retira-las com o laser, sob anestesia local e sedação, o que determinará a cura definitiva da fístula.  

3-Fui atendido por uma medica proctologista que me fez o diagnostico de fístula anal pela anuscopia. Ela me encaminhou para o cirurgião, mas fiquei preocupado com o risco da cirurgia que é a incontinência anal, queria a sua opinião?
Resposta: As fístulas, são formadas por um trajeto que poderá passar através do músculo formador do esfíncter anal, e para estes casos a cirurgia poderá causar a incontinência. A experiência do cirurgião será de grande importância para a retirada das fístulas trans-esfincterianas. Poderá haver a necessecida de seccionar o musculo, mas irá aproximar os seus bordos com um fio, que deverá ser seccionado posteriormente. Não tive nenhum caso de incontinência severa, após a retirada da fístula com o laser.

4-Moro em SC e tenho uma fístula interesfincteriana, segundo exame radiológico. Gostaria de saber  a sua experiência neste tipo de fístula na cirurgia a laser?
Resposta: A incontinência anal tem uma incidência maior na retirada das fístulas Interesfincterianas. Operei vários casos deste tipo de fistula com o laser e não tive caso de incontinência severa. 

5-Boa noite, operei de uma fístula anal, porém agora tenho outra, na qual no processo inflamatório tive uma drenagem espontânea devido os antibióticos pela vagina, estou com medo da cirurgia porque não se sabe exatamente o lugar, parece estar atrás do colo do útero, meu proctologista vai ainda falar com um ginecologista para ver uma solução. O senhor acha que poderá haver outra solução sem a cirúrgica?
Resposta:  A solução é cirúrgica, mas casos como o seu eu sempre prefiro estudar a região através de uma Ressonância magnética pélvica, para depois realizar a cirurgia. Poderá haver uma fistula reto-vagina

6- Fístula e tratada com fio: Boa tarde Dr. Paulo! Gostaria de ir até o seu consultório, mas moro em Campo Grande MT, então preciso ter certeza que o Dr. Pode solucionar meu problema. Tive um abcesso perianal, foi realizada uma drenagem em maio deste ano, em 20/08 fiz uma fistulectomia em um tempo  e em 13/09 a fistulectomia em dois tempos. Segundo a Dra, a fístula é de difícil tratamento, pois é do tipo isquiorretal e é bem grande. Na fistulectomia em dois tempos tive rejeição ao seton, que caiu no 5 dia. Tive um quadro de bacteremia e tive de ficar internada por uma semana. Segundo a minha médica, terei que passar novamente por mais uma cirurgia de fistulectomia, mas é preciso aguardar por 6meses. Gostaria de saber se o procedimento a laser é indicado para o meu caso?
Resposta: Eu não indico e nem uso o seton para tratamento da fístula. A cirurgia para tratamento da fístula eu sempre faço em um tempo e todo o trajeto da fístula deverá ser retirado, pois a principal causa do insucesso da cirurgia da fístula é a sua retirada parcial. Esperar 6 meses, drenando secreção e com dor local ninguém consegue. Já operei casos que eu retirei o seton juntamente com a fistula.

7- Dr. Boa noite
Parabéns pelo blog e interação com os pacientes
Há mais de um mês e meio identifiquei um caroço próximo ao ânus. Procurei um proctologista que, a princípio
apenas achou que poderia ser uma fístula. Me receitou um antibiótico e uma pomada. O caroço estourou, entretanto, não ficou bom, o que o fez receitar o antibiótico mas associado a um antiinflamatório, mas o caroço não sarou. Não sai sangue e nem pus, apenas arde muito. Procurei um outro medico que solicitou um exame radiológico que detectou uma fístula transesfincteriana. O médico me falou que a única forma de tratamento definitivo é a cirurgia, com possibilidade de lesão do esfíncter. Queria muito fazer a cirurgia na sua clinica, como faço a marcação.
Resposta: No tipo de fistula por você descrita, existe o risco de lesão do esfíncter e incontinência. O tratamento é cirúrgico e o medico com experiência, utilizará da técnica e recursos técnicos que o livraram da incontinência anal. Eu tenho realizado esta cirurgia com o laser, porem neste tipo de fistula, eu torno a frisar, que além da tecnologia, o médico deverá saber o que fazer, se lesar o esfíncter. Já enfrentei esta situação.  

8- Bom dia Dr. Paulo! Meu namorado esta com uma Fístula perianal complexa, e nosso medo é haver um comprometimento do esfíncter, fora o fato dos outros procedimentos serem muito agressivos. Moramos em Salvador – Bahia, mas temos interesse em realizar a cirurgia da fístula com o laser de CO2 contigo, e também queria saber sobre custos?
Resposta: Esse paciente veio da sua cidade e eu realizei a cirurgia. Se tratava realmente de uma fístula complexa com dois trajetos fistulosos e três orifícios. A cirurgia foi realizada com o laser, sob anestesia local e sedação. O paciente teve boa evolução no pós-operatório. Eu fechei parcialmente a ferida cirúrgica, e como de costume, deixei somente a pele aberta para uma drenagem local e mediquei com antibióticos, antiinflamatório e pomada para uso local. O paciente recebeu um guia com orientações comportamentais e nutricionais para o seu pós-operatório. 

9- Olha Dr. Paulo, minha irmã esta com um abcesso retal. Tudo começou quando realizou uma cirurgia de hemorroida em maio, desde então começaram os problemas. Ela já fez duas drenagens, em junho e junho. Mas ainda permanece com o problema, dor e sangramento. Doutor  o que poderá ser feito?
Resposta:  A sua irmã poderá esta com um abscesso perianal, que é uma complicação da cirurgia da hemorroida. Eu prefiro estudar bem a região através de uma Ressonância Magnética, para depois realizar um tratamento mais adequado. Muitas vezes poderá ser um abscesso que se forma atrás ou entre os músculos esfincterianos que precisará de uma limpeza cirúrgica local, antes que se transforme em uma fístula.  

10- Palmeira DÓ este-SP.
Olá Boa Tarde, fui diagnosticado por dois médicos com fístula perianal superficial. Na região onde moro ainda não tem o procedimento a laser. Gostaria de saber doutor, se corro o risco de incontinência anal neste tipo de fistula?
Resposta: Independente do tipo de fístula, o preparo do cirurgião será o principal fator de prevenção da lesão do esfíncter. As fístulas superficiais poderão ser palpadas abaixo da pele, como o cordão endurecido, de consistência fibrosa, o que a torna mais fácil de ser retirada, quando comparadas as fístulas mais profundas. Eu desenvolvi um guia metálico que identifica com facilidade todos os componentes da fístula e principalmente o orifício interno, que pela sua profundidade e relação de proximidade com o musculo formador do esfíncter anal, se torna a grande dificuldade para o cirurgião. Se esse orifício interno permanecer, as fezes entram e a fístula está formada novamente.

11- Boa tarde Dr. Paulo Branco, tudo bem? Tenho uma fístula perianal diagnosticada em novembro de 2012. Pois bem, passaram-se quase 12 meses e este problema ainda me incomoda muito. Vivo com mal cheiro, não consigo trabalhar direito por causa da dor e do odor que fica. Queria muito realizar a cirurgia o mais rápido possível, pois sinto que esta infecção está afetando meu corpo e já afetou demais a minha vida, muito obrigado e se poder me responder ficarei muito agradecido?
Resposta: É muito tempo de sofrimento para uma doença que poderá ser curada pela cirurgia. Se você quiser tratar conosco, entre em contato com a clinica.

12- Bom dia, meu nome e Patrick, tenho 21 anos e resido atualmente no Rj. Recentemente ao realizar uma ressonância da pélvis fui diagnosticado com uma Fístula anal sob fundo cego e localizada as 12hs. Estou desesperado com a hipótese de não melhorar, peço a orientação do eminente doutor sob que opção devo tomar, mas lendo seus artigos na Net, acho que prefiro retirar a fistula com o laser, qual a sua opinião?
Resposta: As fístulas como a sua, muitas vezes são de difícil acesso para o cirurgião. O seu caso é um abscesso, uma coleção e não tem um trajeto bem delineado para ser retirado, razão pela qual o tratamento conservador acompanhado pela ressonância será a primeira opção. Se não resolver a cirurgia poderá ser indicada.

13- Tenho fistula anal e apareceu agora na região do anus, uma coceira intensa e em algum ponto fica uma pequena dor.  O senhor opera a fistula com o laser e a hemorroida também.
Resposta: Geralmente a coceira é referida pelos pacientes, próxima ao orifício externo de drenagem da fístula, principalmente quando há drenagem de secreções. A retirada da fístula resolverá a coceira por você referida. A hemorroida também poderá causar a irritação da pele, pela drenagem de muco sobre a pele perianal. A retirada da fístula eu faço com o laser e a hemorroida eu trato com pomada local ou pela ligadura elástica.

14- Boa noite Dr. Paulo.
Estava procurando mais informações sobre a fistula anal. Meu nome é Tatiane, tenho 25 anos, em 2006, apareceu um abscesso onde foi drenado, ficando orifício aberto e saindo secreção, sangue e pus, foi quando realizei a primeira etapa da cirurgia, fiquei por 6 meses com o ponto e não tive problemas, retornei para retirada e consegui ficar bem por um tempo, depois voltou a dor e a vazar novamente pus e sangue, realizei o exame para verificar se estava com a doença de Crohn e graças a Deus, não tenho. Mais o ano passado, fez uma grande bola de sangue externa e estourou. Voltei ao médico e me deu antibiótico. Gostaria de informações e se possível o contato para agendarmos uma consulta. Estou muito preocupada, sou muito nova. Desde já agradeço.
Atenciosamente.
Resposta: Você tem uma fístula que necessita ser tratada, e a forma de tratamento definitiva é a retirada de toda a fistula para que você se livre desta afecção de uma vez. Abandone esse ponto que não funcionou e realize a cirurgia.

15- Bom dia doutor, por favor me tire uma duvida. Eu fiz em maio uma cirurgia para drenagem de um abscesso perianal. Já se passaram quatro meses, só que até agora continua vazando um pouco, saindo secreção será que virou uma fístula, gostaria de saber onde fica a clinica do senhor?
Resposta: Você seguramente tem uma fístula que eu retiro com o laser e sob anestesia local.

16- Olá Dr. Paulo, sou da cidade de Marilia SP, foi me diagnosticado que estou com fístula anal. Gostaria de me consultar com o senhor.
Resposta: Você poderá entrar em contato com a clinica.  Discutiremos no PC, com ilustrações, a origem das fístulas perianais e as formas de tratamento para o seu caso.

17- Boa noite, meu esposo fez uma cirurgia de fístula e no momento da alta, o médico nos informou que era profunda, que deixou uns fios para tentar evitar uma nova cirurgia. Explicou que no consultório amarraria uns fios, soltaria outros, enfim......Ele já retornou ao médico com quinze e 21 dias após a cirurgia, mas os fios ainda não caíram. O próximo retorno ao médico será 48 dias após a cirurgia e o médico disse que ainda tem dois fios para amarrar. Nossa dúvida são:
-     Esses fios podem cair sozinhos mesmo?
-     Isso evitaria nova cirurgia?
-     Essa cirurgia seria agora?
-     É possível retornar ao trabalho      ainda como os fios?
-     Resposta: Sinceramente, eu não tenho a menor noção da forma de tratamento que foi feito no seu caso, mas uma coisa é certa, não faço esta forma de tratamento que usam fios. Sou imediatista quanto ao resultado do tratamento para as fístulas perianais. Retiro toda a fístula com técnica e tecnologia apropriada e ponto final.

18- Tenho uma fistula anal, que geralmente drena uma secreção amarelada por um pequeno orifício próximo ao ânus. Meu proctologista propôs tratar colocando uma prótese. O senhor tem experiência com essa técnica?
Resposta: Tenho sim. Já retirei varias fistulas com a prótese junta. A prótese além de não resolver, estava infectada e drenando secreção. Não indico, não faço essa forma de tratamento para as fístulas perianais.

19- Fui operado há dois anos atrás de fistula perianal, mas o fato é que não parou de drenar secreção ao longo desse tempo. Na sua experiência o que poderá ter acontecido e qual o melhor tratamento?
Resposta: A principal causa do insucesso, é a retirada parcial da fístula, e possivelmente é o que aconteceu com a cirurgia realizada no seu caso. Uma nova cirurgia deverá ser realizada  e a estratégia que eu gosto de fazer para uma reoperação como a sua, será primeiro identificar a fístula residual pela ressonância magnética, para depois retira-la cirurgicamente.   

20- Estava lendo o seu blog e fiquei muito curioso a respeito do seu tratamento com guia para retirada de fístula anal. Já fiz uma cirurgia para retirada de fístula, porém anos depois um outro orifício se formou após um abcesso perianal. Fui ao proctologista e o mesmo me disse que esse caso é de uma fístula complexa e que uma cirurgia poderia resultar em incontinência anal. Por conta isso resolvi não fazer a cirurgia, mas  gostaria muito de ficar sem esse problema. Moro em Belém do Pará e gostaria de saber se é possível realizar esta cirurgia na sua clinica?
Resposta: Obrigado pelo e-mail, eu também sou paraense. Esse guia por você referido, facilitou em muito a cirurgia das fistulas perianais, sejam elas simples ou complexas. Não tive casos de incontinência anal. O fato da fístula ser classificada como complexa, nem sempre aumenta o risco de incontinência anal. Acho que você poderá realizar a cirurgia com tranquilidade.

21- Dr. Boa noite, tenho uma fístula e estou fazendo exames, provavelmente para cirurgia. Estou com muito medo, qual seria a melhor cirurgia a fazer para fistula e vou precisar ficar internado por quantos dias?
Ficarei muito grato se poder me responder!
Resposta: Eu faço a cirurgia sob anestesia local, e portanto você não precisará ficar internado. A melhor técnica será aquela que o seu cirurgião tenha experiência.

22- Boa noite Dr. Paulo, meu nome é Valmir sou da Bahia, tenho fístula já fiz uma cirurgia, mais ela voltou. Quero saber sobre a cirurgia a laser pois não tenho coragem de fazer a cirurgia novamente.
Resposta: Entenda que Somente uma nova cirurgia poderá deixa-lo curado da fístula residual, assim definida  por resultar de uma retirada incompleta da fístula na primeira cirurgia. O incompleta é porque foram retirados o orifício externo, uma parte do trajeto e ficaram a metade do trajeto e o orifício interno, que é por onde a fístula começa.

23- Bom dia Dr. , estou com uma fístula anal e gostaria de saber quanto custa o tratamento a laser e onde o Sr. faz a cirurgia.
Moro em Curitiba – PR.
Fui atendido por uma proctologista que fez aquele exame do reto e nenhum outro tipo de exame, como ela não faz cirurgia pelo meu plano de saúde, me encaminhou para outro médico. Estou preocupado pelo risco de incontinência dessa cirurgia como o senhor fala, pela retirada parcial da fístula. Um abraço e obrigado pela atenção e aguardo pela sua resposta.
Resposta: Os seus medos são compreensivos, mas uma técnica cirúrgica apurada torna as chances muito pequenas das referidas complicações. Você poderá ligar na minha clinica em SP para que eu possa confirmar o diagnostico da fístula e poder trata-lo com o laser.

24- Boa tarde. Dr. Paulo peguei o e-mail no seu site e me veio em hora certa. Estou com uma fistula anal desde dezembro e o meu medico me pediu uma fistulografia. O senhor faz na sua clinica?
Resposta: Eu não solicito mais este exame, e faz tempo. Hoje só pelo exame clinico, eu confirmo o diagnostico e se necessário tenho um guia metálico que confirmará a presença do trajeto fistuloso para as superficiais. As fístulas de diagnostico mais difícil, eu solicito a Ressonância magnética ou ultrassonografia endoanal. Mas volto a afirmar que na maioria dos casos somente pelo exame clinico, inspeção e palpação eu confirmo o diagnostico.

25- Fistula x Borrachinha: Fui operada de fistula anal ha 4 meses. O meu medico deixou uma borrachinha, que ele chamou de prótese e me falou para ter paciência que a fistula fecharia. O senhor tem experiência com este método?
Resposta: Não faço, não indico e não gosto. A fístula é uma doença curada pela sua retirada completa através da  cirurgia, e ponto final.  

26- Eu moro em Santarém/Pará, fui submetido a um procedimento, drenagem de substancia purulenta, que o médico me disse que seria um abscesso perianal. Ocorre que depois de 30 a 40 dias os abscesso voltaram em menor intensidade, mas continuam incomodando, a cicatriz onde foi aberto para a drenagem ainda não fechou e de vez em quando ocorre a saída de uma secreção, o que o senhor me aconselharia fazer, já que eu faço a palpação e sinto que tem alguma coisa ainda dentro da região onde eles se formaram.
Resposta: O que você refere palpar é o trajeto fistuloso, e portanto a fístula. A secreção drena pelo orifício externo da fístula. A cirurgia deverá ser realizada para que você fique curado de vez da fístula.

27- Nunca fui ao proctologista mas pelos sintomas e pelo que pesquisei...É só ir no banheiro evacuar que um tempinho depois começa a doer ao redor do ânus, então pego um espelho e olhando vejo que tem uma bola inchada, então pressiono e sai um tipo de pus com fezes e sangue as vezes .... aí para de doer tanto....Só que as vezes parece que fecha essa bolinha e começa a doer muito, fica muito inchada, aí entro em desespero e furo com uma agulha que desinfeto, aí sai um monte de pus com sangue.....e a dor diminui. Faz tempo que isso acontece, só que estou com vergonha de ir no médico porque não sou homossexual e não gostaria que as pessoas soubessem que tenho isso, porque ficariam falando que é coisa de gay....
Resposta:
Primeiro: abandone a sua forma de tratamento com a agulhinha, que só contribui para piorar as coisas.
Segundo: A opção sexual, não é a causa da sua doença.
Terceiro: Me parece que a sua historia e achado clinico são de uma fístula perianal.
Quarto: A sua doença deverá ser curada por um cirurgião proctologista.
Quinto: A sua saúde é o que interessa e não o que as pessoas pensam.

28- Fiz uma operação de Fístula anal: O médico disse que havia tirado tudo e que a mesma não era tão funda. A fistula foi retirada através de dois cortes pequenos. Já faz 1 mês e 15 dias que operei e ainda continua saindo muito pus! A 5 dias atrás na verdade eu fui ao medico e ele viu que estava formando tipo como capsulas de pus e ele apertou e retirou todas. Depois disso eu venho apertando para não formar mais e estou me sentindo melhor! Gostaria de saber por quanto isso demora e se é normal todo esse tempo para parar de sair pus! Falando com outro medico no hospital ele disse que pode ter mais ainda, e o medico que me operou falou que foi um sucesso! O senhor poderia me explicar, dentro da sua experiência, o que está acontecendo?
Resposta: Você tem uma fistula, pare de apertar que não resolve nada. Não deixe esta historia se prolongar mais. Faça uma Ressonância magnética para identificar o trajeto fistuloso e uma cirurgia para retirada e cura.

29- Fístula & Fio de SETON: Em dezembro de 2010 tive um abscesso perianal que me levou a uma cirurgia, pois sentia muita dor, então  foi feita uma fistulectomia e o Dr. Deixou um fio de SETON que foi retirado após uns 30 dias. Hoje 3 anos depois continuo com a fístula, pois ela nunca fechou. Vive inflamada e sai sangue e pus. As vezes dói muito. Dr eu preciso resolver este problema na minha vida e já li relatos seus, no qual o senhor retirou a fístula com o fio juntos com o laser, seria possível no meu caso?
Grato e esperançoso:
Resposta: É verdade, eu já retirei vários trajetos fistulosos juntamente com o fio.
O fio não resolveu, e ainda manteve a fístula infectada. Agora chegou a hora de fazer a retirada cirúrgica de toda a fístula e ficar curado.

30- Boa Noite,
Dr. Paulo, gostaria de saber se o Sr ainda está operando nesta clinica, sou do Rio de janeiro – Búzios, tenho este problema de fístula perianal e através do seu blog vi que o Sr é especialista no caso. A minha fístula é simples, segundo diagnostico em uma clinica local.
Desde já grato pela atenção, e espero que eu possa tratar com o senhor,
Att
F.Melo,

Resposta: As fístulas simples, são superficiais, formadas por um único trajeto e mais fáceis de serem operadas. Veja o endereço da clinica no site.

31-Fistula & plicoma: Fiz uma fistulectomia há 2 meses, quando foi removido um plicoma que estava próximo ao trajeto fistuloso. Hoje pela manhã, examinando o meu ânus, qual não foi a minha decepção ao observar o surgimento de outro pequeno plicoma, próximo à cicatriz da cirurgia. Gostaria de saber, qual a forma mais simples de retirar o plicoma?
Resposta: Eu faço com anestesia local e  laser. Geralmente o procedimento cirúrgico é simples e apresenta bom resultado. Um detalhe importante que eu tenho feito, antes de começar a anestesia local, é de demarcar, com lápis apropriado, a pele que forma o plicoma, porque quando se injeta o anestésico local, poderá haver uma distorção dos limites desta pele, com o risco de ficar plicoma, como no seu caso.  

32-Possuo fístula anal que foi gerada após um abscesso que foi drenado, já estou com isso há 3 anos e o incomodo é muito grande. Vi pela internet que na sua cirurgia é utilizado o laser e a recuperação é mais rápida. Aqui na minha cidade não existe um tratamento idêntico, então fiquei interessado em fazer o tratamento na sua clinica. Quais os exames e estou me programando ir para SP?
Resposta: A cirurgia eu realizo sob anestesia local, e após a retirada da fístula, eu fecho a ferida cirúrgica, o que contribuirá também para uma melhor recuperação pós-operatória. Os exames, que eu achar necessário, solicito na



33-Prezado Dr. Paulo Branco,
Fui diagnosticado com Fístula perianal e ao que fui informado o tratamento é somente cirúrgico. Pesquisando sobre o assunto na internet, encontrei em seu blog ( blog da saúde medica), matéria super interessante, sobre essa doença, principalmente por usar anestesia local juntamente com o laser. Consulto se o Dr. Atende em Brasília/DF?
Caso não, precisava saber por qual hospital o Dr. Atende em São Paulo.
Desde já agradeço pela atenção
Cordialmente.
Resposta: Atendo na minha clinica, em São Paulo. A fístula é uma doença de tratamento cirúrgico que eu faço com o laser e sob anestesia local. Não lembro a ultima vez que fiz a cirurgia com a Raquianestesia. Acho que a anestesia local com sedação, em centro cirúrgico devidamente equipado são suficientes para a realização do procedimento.

34- Olá doutor Paulo, tenho uma fistula a mais de 20 anos, mas só a dois anos que vim descobrir que era esse o problema desde 2012 para cá já foram realizadas 4 cirurgias, fistulectomia, fistulotomia, uso de cola, mas nada resolveu o meu problema. O medico me fala que o meu caso é difícil, já que o orifício interno esta segundo uma ressonância esta localizada a 9 horas, gostaria de saber com a sua experiência se meu caso tem solução, pois o medico me disse que só iria tentar mais uma cirurgia, e se não desse certo iria me encaminhar para outro especialista, Queria muito a sua opinião  e quem sabe, realizar a cirurgia em São Paulo, será possível?
Resposta: Eu sempre acho, falo, escrevo que as formas de tratamentos por você descritas, eu não realizo na minha clinica, porque são ineficazes, incompletas e fadadas ao insucesso.
Eu realizo uma anestesia local, leve sedação, cateterizo o trajeto da fístula com um guia metálico por mim desenvolvido e retiro o trajeto com o laser.

35- Boa noite Dr Paulo, numa pesquisa na internet, li sua matéria sobre fistula, achei muito esclarecedora. Meu marido a dois anos fez uma cirurgia de Fístula anal, aparentemente foi bem sucedida, só que recentemente começou a sentir dor novamente e sair secreção por um orifício na nadega, numa consulta medica descobriu que a fistula havia voltado. Moramos em Porto Velho no estado de Rondônia, gostaria de agendar uma consulta com o senhor e se possível, já realizar também o procedimento cirúrgico, será possível?
Resposta: Na realidade o procedimento de retirada da fistula foi incompleto, e agora o seu marido deverá ser operado para que todo o trajeto e os orifícios da fistula sejam retirados totalmente. A principal causa de insucesso da cirurgia da fistula é a permanência do orifício interno da mesma, por onde as fezes entram e formam novamente o trajeto fistuloso.

36- Dr. Paulo,. Muito boa noite !!! Moro no interior de São Paulo, Pindamonhangaba. Estou com o diagnostico de fístula perianal. Já passei com o proctologista aqui, porém ele me pediu ressonância e demais exames para ver se é cirúrgico ou não. Ao ler o seu blog que por sinal é muito esclarecedor vejo que meu problema é cirúrgico e o método pelo qual o Sr utiliza me fez ficar mais confiante e ciente da cirurgia. Eu gostaria de marcar e se possível agendar essa cirurgia e ver custos também, uma vez que não possuo convenio. Assim que receber uma resposta ligo em seu consultório.
Resposta: Sinceramente eu só peço ressonância, se tiver alguma duvida, porque geralmente eu enxergo o orifício externo, palpo o trajeto e muitas vezes, se necessário cateteriso o trajeto da fístula com o meu guia metálico. 


Fissura anal:
Comentário: Dr Paulo Branco
A fissura é uma doença que causa dor nos pacientes. A informação que você deverá ter, é que a fissura quando classificada como crônica, somente a cirurgia deixará você livre daquela dor insuportável. É incrível como muitos pacientes me procuram com uma longa historia de fissura crônica, tentando com pomadas e com uma grande capacidade de adapcao pela ingestão de fibras insolúveis e líquidos. Um outro fato que me chama a atenção é o grande numero de colonoscopias solicitadas para estes pacientes. Só pela inspeção ( olhar ) já se vê a fissura.


1-Tenho tido problemas com fissuras anais. Fiquei algum tempo sem ter relações sexuais, mas atualmente estou com alguém, e fiquei com fissuras muito doloridas. Tratei com pomadas e mudança na alimentação, mas elas voltaram. Andei lendo artigos que diziam que levam de 10 a 15 dias para as dores melhorarem, isso é verdade?
Resposta: As fissuras decorrentes da relação, geralmente são múltiplas e estão relacionadas com uma lubrificação inadequada e um esfíncter anal hipertônico ou muito contraído. Geralmente cicatrizam com pomadas que atuem diminuindo a pressão no esfíncter. Na relação respeite o tempo de relaxamento do esfíncter anal, 2’ e use lubrificante a base de água. A dor desaparece com a cicatrização das fissuras.


1-       Pessoas com fissura, as minhas parecem as agudas, conforme li no seu blog, podem fazer sexo anal normalmente, quando estão sem elas?
Resposta: Você falou bem. A fissura é uma porta de entrada para os microrganismos das fezes e para as DST ( doença sexualmente transmissíveis), e por isso a relação passiva deverá ser evitada para proteger a sua saúde. As fissuras agudas respondem bem ao tratamento com pomadas. Uma vez a fissura cicatrizada, você poderá levar uma vida sexual normal.


2-       Meu nome é Flávia, tenho 47 anos e sempre tive fissura anal aguda que sempre sarava com pomada, de uns tempos virou crônica, ai um medico indicou a cirurgia, onde foi feita a fissurectomia com esfincterotomia. Eu acho que não adiantou pois o esfíncter não relaxa e ainda por cima continua sem cicatrizar, a fissura que ele tirou e cauterizou, o que o senhor acha que devo fazer, pois esta dor está me deixando doida, eu sou passiva e já faz um tempo que não tenho relações. Devo operar novamente?
Resposta: A fissura anal crônica é de tratamento cirúrgico, e a cirurgia realizada foi a referida. Antes de fazer outra cirurgia, faça um exame para avaliar a pressão do musculo esfíncter anal interna. Se a pressão estiver elevada, o cirurgião deverá atuar novamente sobre o esfíncter.

4-Olá Dr. Paulo td bem? Pesquisando na Net sobre fissura anal encontrei seu Blog, parabéns pelo trabalho. Então Dr. moro em Novo progresso no Pará e aqui não tem especialista em Proctologia, então em maio fui para Sinop ( MT) fazer uma consulta com um proctologista, que detectou uma fissura anal. O tratamento foi com pomadas, tive uma melhora razoável nos dois primeiros meses, agora a dor intensa com sangramento. Vou me programar para ir a SP realizar este procedimento na sua clinica com laser, é possível?
Resposta:  Não esqueça que a fissura tratada com pomadas é a aguda, portanto o diagnostico correto da fissura, se aguda ou crônica  tem importância fundamental para o tipo de tratamento escolhido. As fissuras agudas poderão ser tratadas com alimentação com fibras, pomadas com substancias que diminuam a pressão do esfíncter anal e seja cicatrizante e com o Botox. Para a sua melhor compreensão, a aplicação do Botox a curto prazo tem um resultado melhor em relação a cicatrização da fissura, 98%, contra 60%  da pomada que é melhor a longo prazo. Na fissura crônica, a cirurgia tem o melhor resultado.


5-Olá, gostaria de saber como posso fazer consulta para tratamento de fissura anal, e como obtenho informações de valores?
Resposta:  A consulta será feita na clinica, que é especializada com equipamento adequado para o diagnostico da fissura anal. Falo isso porque é uma consulta na qual o paciente está com a região extremamente dolorida. Atualmente eu só pela inspeção já confirmo o diagnostico da fissura, classifico em aguda e crônica, e evito fazer o toque e muito menos um exame endoscópico. Quanto aos valores, somente após a consulta. 

6- Estou provavelmente com problema sugerido em vossa matéria sobre fissura anal. Venho sofrendo com dores constantes há uma semana e com sangramento toda vez que evacuo! Gostaria de agendar o mais breve possível uma consulta para tratamento do problema, se possível na primeira hora de segunda feira, gostaria de uma confirmação?
Resposta: Evacuação com sangue e dor é característico de fissura anal. Uma inspeção anal confirmará o diagnostico.







7- Dr. Paulo, há nove dias procurei um proctologista porque havia tido um pequeno sangramento nas fezes. Ele me examinou e disse que eu poderia ter tido uma pequena fissura  anal, mas durante exame de toque não tinha mais sangramento. Pediu para que eu retornasse dentro de um mês e meio. Não receitou nada e não fez nenhuma recomendação. Mas, hoje, nove dias depois estou sentindo dor no lado direito do ânus, que está me incomodando e preocupando. O senhor pode comentar o caso e me receitar um analgésico e uma pomada cicatrizante, já que não estou medicada com nada.
Resposta: Para casos com a sua  historia clinica, se o toque não é conclusivo, eu indico um exame endoscópico do canal anal e reto, como meio de diagnosticar a causa do seu sangramento. A endoscopia deverá ser sempre indicada para os pacientes que referem a eliminação de sangue junto com as fezes. Eu não medico sem examinar o paciente.

8- Dr. Branco, há seis dias fui diagnosticada pelo médico com fissura anal. Estou sentindo uma forte sensação de inchaço no ânus. Preciso saber se isso é um sinal de cicatrização, ou não é normal?
Resposta: A fissura poderá causar uma reação inflamatória na sua volta que poderá ser o inchaço por você referido. Geralmente os pacientes referem melhora com a regressão do inchaço ou edema.

9- Doutor, gostaria de saber onde o senhor atende e se por ventura atende por convenio. Estou preocupada pois tenho sintomas de fissura anal e me incomoda muito, no primeiro sangramento  fiquei assustada.
Resposta: O sangramento sem dor, geralmente foi causado na minha experiência por hemorroidas internas. Eu costumo fazer uma analise endoscópica durante a consulta para confirmar esta impressão diagnostica.


10- Fui detectado com fissura anal há 13 dias, mas a situação esta me incomodando muito. Ontem senti dor intensa  e tive a sensação que estava me rasgando tudo. Sinto que tem uma coisa dentro do ânus e que vai sair, não sei explicar se é contração muscular ou não. Tomei analgésicos e antiinflamatorios para ver se alivia, irei retornar no medico na semana que vem, esses medicamentos estão  certos?
Resposta: Os antiinflamatorios e analgésicos melhoram a dor pela redução do edema local, mas pomadas de manipulação com substancias que reduzam a pressão do esfíncter anal deveram ser associadas para que ocorra a cicatrização da fissura anal.

11- Dr. Paulo, desde março desse ano eu venho sofrendo de uma dor anal insuportável seguida de sangramento intenso, já procurei 4 médicos e todos foram unanimes em dizer que tenho uma fissura anal aguda, hoje fiz uma colonoscopia pois a dor e muito intensa e esta me impedindo de ter uma vida normal. Queria saber se o Botox é indicado para o meu caso, pois estou sofrendo demais e não aguento mais esta situação. Existe algum tratamento com a mesma eficiência?
Resposta: O Botox atua relaxando ou diminuindo a pressão do músculo formador do esfíncter anal, que é o responsável pelo aparecimento da fissura anal. Na fissura aguda a toxina tem um  resultado a curto prazo melhor que as pomadas de manipulação, que é a outra forma de tratamento para as fissura agudas.


12- Há aproximadamente 4 semanas atrás as minhas fezes estavam bem ressecadas, na primeira vez doeu pra sair mas não ficou tão dolorido, mas a partir da segunda vez eu não conseguia nem mais dormir de tanta dor. Usei pomadas durante 2 semanas e não melhorou. Marquei uma consulta com o especialista no começo da semana e ele diagnosticou como fissura anal, medicou e esta um pouco melhor. Acontece que nessa fissura há duas pelinhas pra fora que eu nunca tive antes, e estou bem preocupado. Tenho uma foto que tirei, posso enviar e como faria para retirar essas pelinhas?
Resposta: As pelinhas referidas poderão fazer parte da fissura, são chamadas de plicomas e a única forma de tratamento é a cirúrgica. Eu retiro com o laser, sob anestesia local. Geralmente essa pelinha conceitua a fissura como crônica, e as fissuras crônicas são de tratamento cirúrgico, na qual eu retiro a fissura junto com a pele, porque só adianta retirar a pelinha junto com a fissura. 

13- Olá, resido no rio, tenho 28 anos, possuo fissura anal crônica, provavelmente pelo tratamento inadequado e alimentação imprópria de minha parte. Existe aqui no rio algum médico conhecido seu que partilha da sua ideia, pois fui em vários proctologistas e ficam tentando tratar sempre e há tempos tenho sangramentos e é difícil a alimentação e ingesta de água no regime de plantão que trabalho. Se não tiver, pretendo ir a SP realizar o tratamento que o senhor achar melhor para o meu caso.
Grato pela atenção e parabéns pelo blog da saúde medica.
Resposta: Não perca mais tempo, porque a sua fissura é crônica e tratada somente pela cirurgia. Eu faço o procedimento a laser, aue não tem na sua cidade.

14- Fiz cirurgia de hemorroida há seis meses, há dois meses tive relação anal e apareceu uma fissura. Uso pomada cicatrizante, mas se tento novamente a fissura reaparece, o que tem me incomodado bastante. Estou preocupada porque fico nessa de melhorar e aparecer novamente, o que tem comprometido em muita a minha vida sexual com o meu marido. Doutor preciso urgentemente de uma avaliação sua, para um tratamento mais definitivo.
Resposta: Toda cirurgia para tratamento de hemorroida, dá um certo grau de estreitamento que poderá ir de leve a severo. Como há estreitamento, você deverá ter todos os cuidados durante a relação passiva, como uma lubrificação adequada, um bom relaxamento esfincteriano, para que a fissura não ocorra. Tenho usado pomadas de manipulação que contem substancias que tornam o tecido de revestimento anal mais resistente a traumatismos.



15- Olá, Boa noite Dr. Paulo. Sou um leitor dos seus artigos na internet. Tenho uma pequena duvida sobre qual seria a pomada mais indicada para o tratamento de fissura anal. Mais uma vez, grato pela sua atenção!
Resposta: A pomada ideal deverá conter substancias que relaxem o musculo formador do esfíncter anal que é o causador da fissura anal.

16- PPH ( Grampeador). Boa tarde Dr. Paulo, gostaria de saber em que lugar atende, pois já fiz cirurgia de hemorroida pela técnica do grampeador há 3 anos e há 1ano estou com problemas de fissura e com plicoma também. Posso realizar a cirurgia a laser?
Resposta: Já tratei de casos como o seu, pois o grampeador não retira a pele ou plicoma. Faço a retirada da fissura e do plicoma com o laser, sob anestesia local.

17- Dr gostaria de saber quais  os procedimentos para marcar uma consulta com o senhor. Estou com uma fissura anal há mais ou menos 3 meses, estou fazendo tratamento com uma pomada, passada pelo medico proctologista, porém não obtive resultado algum. Li bastante sobre a cirurgia, por mais que seja leigo no assunto, eu acho que seria o mais adequado pra mim. Não suporto mais conviver com essa dor. Agradeço desde já, pela sua atenção.
Resposta: Se a sua fissura for crônica, a cirurgia é a forma de tratamento mais adequado e com melhor resultado para o seu caso.

18- Dr. Paulo, gostaria de agradecer  a atenção ao responder minhas mensagens. Tenho 30 anos e descobri que tenho fissura anal. Isso incomoda muito para evacuar e sangra também. Mas o que mais me desespera e que surgiu uma pele na parte externa. Fui a net e descobri que possivelmente seja um plicoma. O meu proctologista viu e disse que não precisaria cirurgia, que era estético, mas me incomoda muito para higienizar, sem falar na estética propriamente dita. Jamais conseguiria conviver com essa pele na parte exterior do meu ânus e vejo que isso está me deixando bastante deprimido. Olhando seu site, descobri um procedimento a laser que nem precisa de internação e pode ser feito sob anestesia local. Esse procedimento serve para o meu caso?
Desculpa pelo incomodo e obrigado mais uma vez.
Resposta: A maioria dos pacientes que procuram a minha clinica, não tem as suas ansiedades e constrangimentos gerados pelas pelinhas resolvidos pelos seus médicos que não realizam o procedimento com fins estéticos. Agora o seu caso poderá ser um plicoma, causado pela fissura crônica. A pele faz parte da fissura e durante a cirurgia eu já retiro a fissura juntamente com a pelinha.

19- Tenho uma fissura anal crônica, tenho tentado tratamentos com pomadas desde 2011 sem resultado. Fiquei sabendo que o senhor trata com o laser. Queria saber se corro o risco de incontinência anal após a cirurgia?
Resposta: Pare  com as pomadas, porque pelo tempo de existência da fissura, somente a cirurgia poderá cura-lo desta enfermidade. Saiba que a grande maioria dos pacientes  que realizam cirurgias proctologicas, apresentam algum grau de incontinência, que dura por volta de 30 dias e depois desaparece. Eu não tive nenhum caso de incontinência severa.



20- Bom dia,
Acompanho as suas orientações aqui na internet e gosto muito.
Tenho uma fissura anal e hipertonia também, já diagnosticadas. O meu medico nunca me falou sobre tratamentos com Botox e/ou  laser. Cheguei a fazer uma cirurgia para a retirada da fissura, mas depois de um tempo ela voltou. Acho que é por causa da hipertonia.
Sou da Bahia e pretendo ir a SP para realizar este tratamento.
Resposta: Retirar somente a fissura sem diminuir a pressão do esfíncter, não resolve, isto é não haverá cicatrização da fissura. Eu tenho feito a cirurgia sob anestesia local e diminuo a pressão do esfíncter através de uma pequena incisão na lateral da abertura anal, o que gera um pós-operatório menos dolorido com uma recuperação mais rápida.

21- bom dia!! Doutor estou com uma fissura anal há 3 meses, fui ao proctologista que me indicou uma pomada. Estou a usar a pomada por uns 15 dias e nada melhorou, ele me indicou cirurgia, mas não me senti seguro. Fui a um farmacêutico amigo que me receitou antibiótico e uma pomada, Kolagenase. Sou de Goiás e aqui não temos os recursos como em SP. O senhor poderia me orientar?
Ficaria muito grato!
Resposta:  As pomadas usadas  no tratamento da fissura anal, contem uma substancia que atuara diminuindo a pressão do músculo esfíncter anal, porque a causa da fissura é a pressão aumentada deste músculo. Eu não prescrevo pomadas como a citada por você para a cicatrização de fissura anal. O antiinflamatorio, eu prescrevo associado a uma alimentação com 30 gr de fibras.

22- O meu medico, ao exame clinico falou que tenho uma fissura de aspecto um pouco estranho, mas não me explicou, será maligna?
Resposta: As fissuras anais geralmente tem um aspecto macroscópico característico na visão e no toque de um medico experiente. As fissuras que fogem a esta característica, como bordos irregulares, muito endurecidos, friável permitem ao medico pedir primeiro um exame anatomo-patológico, antes de realizar a cirurgia.

23- Olá Dr. Paulo, desde março desse ano eu venho sofrendo de uma dor anal insuportável seguida de sangramento intenso, já procurei 4 médicos e todos foram unanimes no diagnostico de uma fissura anal crônica. Hoje fiz uma colonoscopia pois a dor e muito intensa e esta  me impedindo de ter uma vida normal. A colonoscopia diagnosticou uma fissura anal com esfíncter anal hipertônico. Queria saber, qual a melhor saída para o meu caso, li no seu artigo que o Botox, esta indicado para o meu caso e para as  fissuras, existe uma outra forma de tratamento, desde já agradeço muito pela sua atenção e um forte abraço.    
Resposta: Obrigado pelo abraço. O melhor tratamento para a fissura crônica é o cirúrgico e o resultado com o Botox é bom para alguns casos de fissura aguda.

24- OLÁ. Dr. , possuo fissura anal crônica e gostaria de saber maiores informações sobre a cirurgia a laser, pois fico preocupado com o resultado estético. Gostaria também de saber sobre os custos. O senhor é conveniado pela UNIMED?
Resposta: A cirurgia a laser não é coberta por nenhum plano de saúde. O resultado estético eu sempre faço o melhor possível, o qual é permitido pelos cuidados e técnica cirúrgica. Eu atualmente quase sempre faço a aspiração com o laser da fissura crônica e diminuo a pressão do esfíncter pela lateral do ânus, o que tornará o procedimento menos agressivo e uma melhor recuperação pós-operatória. Nesta cirurgia a complicação imediata poderá ser o sangramento, razão pela qual todos os pacientes que eu opero ficam com um tampão que será retirado com 3 horas.  

25- Bom dia, doutor! Estou com um problema sério de fissura anal, tenho medo até de ir ao banheiro, já passei pelo cirurgião do plano de saúde recentemente, mas a demora para atendimento é grande e eu não suporto mais esta situação. Queria ser atendido o mais rápido possível?
Resposta: Um dia destes um paciente me ligou as 2hs da manhã, eu atendi e ele me falou, doutor não é possível, a dor é tão intensa que parece que eu estou evacuando um gato de unhas grandes. A dor da fissura é realmente intensa, e exige um tratamento imediato. Na fissura crônica eu prefiro o cirúrgico e na aguda pomadas, alimentação com fibras.

26- Fissura & HPV: Prezado Dr. Paulo Branco, Gostaria de saber a respeito de tratamento para a fissura anal. Fiz um procedimento de cauterização por conta de HPV interno e externo no ânus e depois disso, venho tendo problemas com fissura recorrentemente. Essas fissuras cicatrizam com o uso de antiinflamatórios e outros remédios para amolecer as fezes, no entanto se eu descuido um pouco da alimentação elas voltam e quando tenho relação sexual passiva aí é certo que há problemas, com sangramento intenso e dor, muita dor. Tenho lido a respeito da utilização da toxina botulínica e gostaria de saber se tem indicação no meu caso?
Resposta: A adapcao do paciente a fissura anal, eu posso comprovar toda semana na minha clinica. A sua fissura poderá ser decorrente da cirurgia para retirada das verrugas causadas pelo hpv e recebe o nome de residual. Essa fissura poderá ser decorrente do estreitamento anal, causado pela cicatriz cirúrgica e para estes casos a cirurgia será a solução. Se não houver estreitamento o tratamento clinico com pomadas poderá resolver. O Botox não tem indicação para o seu caso.


27- Sou de Arcoverde-PE, em março de 2013, fiz a cirurgia convencional de hemorroida, foi 1 hora de cirurgia, tudo ok, sem dor, sem sangramento pós-operatório. Mas depois de 6 meses estou com uma fissura na cicatriz e um excesso de pele, meu médico disse que depois de sarar a fissura, deve retirar a pele. O que devo fazer? Atenciosamente.
Resposta: A pele faz parte da fissura, que é diagnosticada como crônica. Se a fissura cicatrizar, você poderá retirar a pele ou plicoma sentinela como é diagnosticado. Se a fissura não cicatrizar com o tratamento clinico, na cirurgia o plicoma já será retirado juntamente com a fissura.

28- Dr. Fissura & incontinência: Paulo meu nome é Geo, tenho 36 anos, moro no Rio de janeiro....estou com uma fissura anal por conta de uma constipação que  já fazem 2 anos. Já fui em vários médicos que passaram medicamentos de farmácia e manipulação, fibras do tipo suplemento e fiz todos os tratamentos, só que não deu em nada. Tenho muito medo de fazer a cirurgia pelo risco de incontinência fecal. Esse risco existe e já aconteceu com pacientes operados pelo senhor?
Resposta: O riso existe, e muitas vezes faz com o medico fique tentando um tratamento conservador, que sabidamente não tem bom resultado para casos como o seu, o que só piora a fissura que só aumenta, se tornado uma verdadeira úlcera. Eu tenho realizado a cirurgia para casos como o seu e ao longo destes anos não tive casos de incontinência severo. Lembrar que a incontinência leve é muito frequente, que acaba geralmente com 30 dias de pós –operatório.

29- Olá. Queria fazer uma pergunta que não tive coragem de esclarecer com o meu médico.  Após quanto tempo de cirurgia de fissura anal, eu poderia ter relação?
Resposta: Como eu trato do publico há alguns anos, a media foi de 30 dias após a cirurgia, nestes pacientes eu realizei a técnica de diminuir a pressão do esfíncter por fora do ânus, que na minha experiência é menos agressiva possibilitando um retorno mais precoce a sua vida sexual.


30- Fissura & Câncer: Doutor tenho dor e sangramento anal ao evacuar, fui examinada por um colega seu, que detectou uma fissura anal e hemorroida, mas me falou que era cirúrgico, porem acha necessário fazer uma biopsia da fissura, antes da cirurgia. A fissura anal pode se transformar em câncer?
Ficarei muita grata pela sua resposta.
Resposta: O aspecto da fissura é determinará essa conduta de solicitar  uma biopsia para exame anatomo-patologico. As fissuras com o tecido endurecido, bordos irregulares e infiltrativos, com muito tempo de existência e que não cicatrizaram com o tratamento clinico, poderão ser biopsiadas antes da cirurgia, para que uma estratégia de tratamento seja feita.

31-Fissura & HPV: Caro doutor operei de hemorroida e hpv, há 6 meses atrás. Comecei a sentir dores durante as evacuações com sangramento, um muco e coceira. Me examinando senti uma área dolorida e verruguinhas na parte de dentro do reto. A consulta com o meu medico, irá demorar, o senhor poderia me da uma ideia do que poderá ser. Essas verruguinhas, poderão ser o hpv que retornou?
Resposta: A coceira foi  um sintoma frequente nos pacientes que eu tratei e que voltaram a ter o HPV. Um exame endoscópico detalhado irá esclarecer. O que eu tenho acrescentado na minha clinica é a anuscopia de alte resolução para detectar os vírus do HPV que poderão está dentro da pele, e responsáveis pela coceira por você referida. Se a anuscopia de alta resolução for positiva para o hpv, e as áreas coradas contendo os vírus forem grandes, eu medico os pacientes com imunomodulador forma de creme, porem se as áreas forem pequenas eu trato com o laser.


Dor: Retal, anal e cóccix:
Comentário: Dr Paulo Branco
Essas dores tornam as pessoas praticamente incapacitadas de exercer  qualquer tipo de atividade, no trabalho, esportiva, escolar, viagens, muitas delas se acentuam mais durante a noite, demoram ou são rápidas, aparecem do nada ou tiveram relação com traumatismos, como as dores no cóccix. O diagnostico geralmente eu faço somente pelo exame clinico, e os exames geralmente são normais. O tratamento eu faço pela associação   de medicamentos de manipulação na forma de enemas e/ou pomadas, com fisioterapia, massageamento e quando necessário aplicação local. Geralmente esses pacientes já passaram por vários e diferentes profissionais de saúde, esgotaram os exames e não sabem mais o que fazer.


Dúvidas:
1-Boa tarde, Dr. Paulo acompanho seu blog da medicina integrada e preciso passar por uma consulta devido a fortes dores que sinto na região anal. Moro na região da consolação. Se possível me diga como faço para agendar uma consulta?
Resposta: A Dor na região anal deverá ser investigada, através do exame proctologico clinico e endoscópico. Esses dois se bem feitos poderão confirmar ou afastar as causas proctologicas da dor na grande maioria das vezes, já na primeira consulta e assim realizar o tratamento o mais rápido possível.  Os exames mais complexos e caros, como a Ressonância magnética, eu solicito quando tenho alguma dúvida no diagnostico.


2-Tenho 32 anos e há 2 dias estou sentindo uma dor em queimação terrível no lado direito do ânus, que não está me deixando dormir. Não sei o que fazer, o que será?
Resposta: Tendinite do músculo perianal. É uma variedade da síndrome do elevador. A dor geralmente é constante e não se irradia e poderá demorar desde uns segundos até meia hora ou mais. Muitos pacientes referem que a dor piora quando ficam sentados por longos períodos de tempo. Exercícios para relaxamento perineal, antiinflamatorios oral e muitas vezes injetados no local determinam a melhora do quadro doloroso.


3-Dr. Paulo, meu nome e Marcia tenho 36 anos de vez em quando sinto umas pontadas como umas fisgadas no reto logo acima do ânus e quase sempre meu intestino esta constipado e as fezes duras. Já acordei algumas vezes durante o sono com essas fisgadas e uma dor que dura apenas alguns segundos e some do nada, na sua experiência, o que poderá ser:
Resposta: O seu quadro clinico parece ser de  Contratura Paradoxal, leia no meu site.

4-Dr. Paulo, bom dia. Espero muito que você leia este e-mail e responda. Leio as suas matérias e percebo que você descreve totalmente os sintomas que sinto. Em 2009 fiz uma cirurgia do períneo e retirei o útero, depois desta data praticamente sinto dor todos os dias na região anal, retal e cóccix. Nenhum remédio me ajuda, já fiz tratamento até na clinica da dor. Gostaria muito de fazer uma consulta com você pois tenho certeza que fará exames que me ajudaram a descobrir o que tenho e assim me devolver a minha qualidade de vida.
Abraços, Cleide. Tenho 49 anos.
Resposta: Cleide você poderá vir para SP, mas traga na mala uma ressonância magnética pélvica, que mostrara se a sua dor é consequente as cirurgias referidas. Na clinica eu farei um exame clinico proctologico para as causas proctologicas sejam confirmadas.


5- Dr. Paulo Branco gostaria de saber se há tratamento para contratura paradoxal! Marco
Resposta: Poderá ser definida como um distúrbio complexo e de natureza obscura, caracterizada por Contração, em vez de relaxamento, do músculo puboretal e da musculatura estriada do assolho pélvico , numa atividade paradoxal durante o ato evacuatório, para a sua melhor compreensão , quando as fezes chegam no reto, para sair encontram o ânus fechado, em vez de aberto. Por isso eu sempre penso nesta síndrome nos pacientes que referem dificuldade evacuatória com esforço e dor.
  Tratamento: Postural, medicamentoso e fisioterápico, feito através da reeducação ou reaprendizado da contra do musculo puboretal.

6-Realizei a cirurgia para retirada de todo o útero e no momento estou com muita dor tipo que queima no lado do reto. O que poderia ser e se eu posso tratar com pomadas para hemorroida?
Resposta: Casos de dor perianal com história de cirurgia pélvica, eu gosto de pedir uma Ressonância Magnética da pélvis, para confirmar ou afastar causas geradas pela própria retirada do útero, tais como aderências, granulomas tipo corpo estranho, isto é rejeição a fios de sutura, pontos cirúrgicos, etc. As inflamações que causam esta dor, geralmente são muito profundas, e por isso não são tratadas com pomadas. 

7- Levei um tombo de bicicleta e cai em cima do cóccix. Depois de duas semanas comecei a sentir uma dor intensa no osso, que já dura 10 meses. Realizei tratamentos com medicamentos antitinflamatorios, mas a dor retorna, principalmente quando estou sentado. Gostaria de uma orientação sua.
Resposta: Uma das principais causas de inflamação do osso cóccix é determinada pelo traumatismo, o que me parece ser as sua história. Para os casos de trauma, uma radiografia será fundamental para diferenciar se houve uma  fratura ou luxação do cóccix. O resultado da radiografia definirá a melhor forma de tratamento.


8- Obrigada pelas informações contidas no seu blog. Tenho sentido uma ardência /dor anal crônica há alguns meses. Meu medico disse, apos exames, que minha dor possivelmente tem fator psicológico. Já iniciei antidepressivo com acompanhamento há três semanas mas ainda sinto muita ardência. Me identifiquei com a Dor anal crônica ou síndrome dos elevadores do ânus, que o senhor cita no seu blog. Gostaria de saber mais informações sobre os tratamentos  e ficaria grata se pudesse me informar o nome da pomada para poder discutir com o meu medico. Tenho 60 anos de idade. Quero muito poder aliviar esta dor que esta me     impedindo de realizar minhas atividades diárias e me deixando tão triste.
    Desde já agradeço!
           Resposta: Você  leu e entendeu sobre o capitulo da dor crônica perianal, o que me deixa gratificado. O tratamento eu indico após uma confirmação diagnostica da dor, e consta da aplicação de substancias, e uso de medicamentos retais na forma de enema e pomadas para o alivio da dor.  

           9-Há cinco anos que sinto uma ardência no reto, já fui duas vezes no proctologista, fez o toque mas nada constatou, me prescreveu uma pomada, aliviou, mas não parou de arder até hoje, e agora além de arder está doendo ( dor leve de vez em quando ). Evacuo fezes normais, uma vez por dia e não sai sangue. Mas não para de arder. Não sei o que fazer, às vezes sinto até ardência na uretra. Aguardo uma resposta.
     Agradeço de coração!
               Resposta: Obrigado pelo seu e-mail. Eu faria um novo exame clinico, mas agora palpando os tendões perineais, responsáveis pelo sintoma por você referido.
         
          10- Dr preciso agendar uma consulta para meu marido urgentemente, pois ele tem dores na região anal e ninguém descobre o problema. Quando posso agendar?
              Resposta: Muitas dores na região anal, são inespecíficas e o próprio paciente não sabe referir o ponto exato. Onde é examinado, dói. Para esses casos, eu prefiro começar pela analise endoscópica do canal anal e mucosa do reto, exames que faço durante a consulta, para afastar as doenças proctologicas vasculares e inflamatórias que poderão ser responsável pela dor, e complementos com um exame clinico dos músculos e tendões.

          11- Pela primeira vez em mais de 10 anos consigo achar uma informação mais próxima sobre uma dor real que sinto desde os meus 11 anos de idade! Hj tenho 41! Já circulei vários médicos que dizem que além de não ter cura, não há prognostico para o meu problema. Me disseram que é muscular, faço alguns exercícios há anos, e nada. Tenho melhorado um pouco com acupuntura. Já tive fases na minha vida de sentir uma a duas vezes por semana. Hoje são mais raras, ainda bem!
               Moro no Rj, mas gostaria muito de poder fazer uma consulta com o senhor em SP.
                Resposta: O exame clinico é fundamental para o diagnostico diferencial neste tipo de dor. Você poderá ter uma inflamação nos músculos e tendões perianais, que se apresenta clinicamente com uma dor no meio da região glútea. Na realidade essa dor é reflexa ao processo inflamatório primariamente responsável pela dor. Essa dor a característica referida por você, lembra a proctalgia fugaz.  

           12- Cóccix: Tive uma queda de moto há 3 anos atrás e cair de costas sobre a região lombar. Hoje tenho uma dor no osso cóccix que já tentei diversas formas de tratamento e não tenho melhora clinica. Sou do seu tratamento com aplicação e massagem local. Gostaria muito da sua avalição clinica para fazer o tratamento?
               Resposta: Poucos pacientes necessitam fazer o reposicionamento óssea ou ligamentar pela via retal. Essa forma de tratamento apresenta melhor resultado quando há uma alteração de posicionamento das estruturas pelo trauma. Um exame radiológico dinâmico da região sacrococcígea definirá a melhor forma de abordagem.  Nos casos de dor no cóccix, que eu associei a aplicação local ao massageamento, os resultados foram melhores.
    
               13- Cóccix: Costumo andar de bicicleta frequentemente, mas recentemente estou sentindo dor em queimação no lado do reto e na região do cóccix. Devo continuar a pratica deste esporte que poderá esta causando as referidas dores?
               Resposta: Tive pacientes com a mesma dor e que praticavam o esporte. Você deverá evitar, até como forma de confirmar a relação, o diagnostico e de ter uma melhora clinica.


14- Bom, Moro em Natal, sou homossexual e nas ultimas semanas, eu venho sentindo dores e uma ardência no meu ânus, não é sempre, mas na maioria das vezes é quando faço sexo, é um ardor tão grande que não consigo sentar na minha moto para ir ao trabalho, gostaria de saber se isso é um começo de hemorroida, queria saber se existe algum medicamento para aliviar as dores?
               Resposta: Eu tenho pacientes que deixaram ou diminuíram em andar de moto ou mesmo de bicicleta por piorar a ardência e dor anal. O sexo poderá determinar uma proctite, que é uma inflamação na parte interna do canal anal, principalmente se não houver uma lubrifição adequada ou um traumatismo por exemplo pela falta de um relaxamento adequado dos esfíncteres. Não é hemorroida. Casos como o seu, eu faço um exame endoscópico na parte interna do canal anal para confirmar a proctite. A ardência poderá ser pela tendinite, causada possivelmente pela moto. Um exame clinico proctologico confirmaria esta impressão diagnostica.


15- Desculpe entrar em contato via e-mail, mas é que estou distante, moro em Brasília, e estou desesperado. Já passei por 3 médicos diferentes, várias pomadas e exames, e continuo sofrendo com a dor anal ao sentar. Como trabalho sentado, tenho tido muitos problemas desde outubro de 2012. Fiz o exame de toque, endoscopia, ultrassom endoretal e nenhuma anormalidade foi detectada. Minha dor é principalmente na parte mais externa do ânus, principalmente no meu lado direito, mas não tenho alterações intestinais, não sinto dor ao defecar e nenhuma alterações na fezes. Na crise não aguento ficar sentado por 5’, que a dor e ardências são insuportáveis. Qual o tratamento que o senhor me indica? Desde já, muitíssimo obrigado pela atenção!
              Resposta: O diagnostico será confirmado pelo toque, desde que o médico saiba o ponto exato, onde está o processo inflamatório. Você terá de ter paciência e fazer o tratamento com medicamentos orais associados a exercícios de fisioterapia que relaxam os músculos envolvidos com a dor e uso local de pomadas e medicamentos na forma de enema que contem substancias com ação antiinflamatoria e relaxante. Esses medicamentos são adquiridos em farmácias de manipulação.
      
         16- A minha mãe tem 75 anos, e sofre de depressão a 4 anos. Á uns 9 meses, ela tem uma dor anal  com ardência que incomoda muito e tira sua qualidade de vida. Eu já levei em vários proctologista  e gastros, já fez vários exames e toque retal que foram normais. Qual poderia ser o problema dela?
               Resposta: Eu já tratei de pacientes como a sua mãe. Não devemos esquecer que a deficiência ou falta do hormônio  estrógeno também poderá causar esta dor. Os casos leves eu tratei com fisioterapia e medicamentos orais e para os mais graves ou que responderam mal ao tratamento clinico eu associei a aplicao local de medicamento antiinflamatório com melhora na segunda aplicação.

17- Doutor sofria de intestino preso e uma dor tipo ardência no lado esquerdo do reto. Realizei uma cirurgia chamada colectomia total, para tratamento de intestino. No pós-operatório, eu tive de me adaptar as longas diarreias e a permanência da ardência retal, que piorou muito depois da cirurgia. O meu medico realizou um estudo radiológico contrastado do reto, onde fora diagnosticado uma retoceli. Ele achou que a dor tipo ardência no reto era decorrente da queda do reto. Fui operada, mas a dor no reto piorou. Dr. A minha qualidade de vida esta um inferno. Li os seus artigos sobre a tendinite retal, e queria muito ser examinada pelo senhor para um possível diagnostico e tratamento o mais rápido possível?
Resposta: Eu sinceramente, nunca realizei uma colectomia para tratar uma obstipação intestinal. A retocele na minha opinião foi consequente ao descolamento do reto para a realização da colectomia. Você já tinha a ardência ou dor retal antes da cirurgia. Eu confirmaria uma possível tendinite pelo  toque retal e faria um tratamento adequado, possivelmente com enema medicamentoso associado a aplicação local de substancia antiinflamatoria. 

18- Cóccix: Doutor após um acidente de moto, há 2 anos atrás, tenho uma dor no cóccix e já fiz, fisioterapia, acupuntura, tratei com medicamentos e está chegando ao insuportável. Conheci um paciente que tratou na sua clinica, e queria ser avaliado para seguir a mesma linha de tratamento, será possível?
Resposta:  A dor no cóccix, se chama Cocciodinea e costuma ser secundaria a traumatismos, comportamentos, como ficar sentado por muito tempo, excesso de peso e mesmo durante as evacuações. O cóccix funciona como um amortecedor, quando você senta e tem mobilidade. Geralmente os casos leves são tratados com medicamentos, antiinflamatórios não hormonais, fisioterapia, calor local com bolça de água morna enquanto os mais severos eu trato com medicamentos de uso local na forma de enema, aplicação  associada a massagem retal para reposicionamento dos ligamentos do cóccix.


19- Presado Dr. Paulo,  
Li o seu estudo a respeito de Proctalgia Fugas. Porém tenho algo semelhante e a dor é constante e mas frequente no lado esquerdo do ânus e o tempo todo. Qual exame devo fazer para confirmar essa doença?
Resposta: Geralmente os pacientes com a Proctalgia fugaz, já passaram por vários e diferentes profissionais na área da saúde. Todos os exames que os pacientes fizeram ( Ultrassom, ressonância, colonoscopia ),  geralmente são normais. A confirmação diagnostica desta patologia, eu faço pelo exame clinico proctologico. Isto está me atrapalhando muito principalmente ao dormir. Me ajude por favor.
Desde já agradeço pela atenção e fico no aguardo da sua resposta.




20- Boa tarde Dr. Paulo.
Primeiro gostaria de agradecer pelas explanações e explicações. Gostaria também de saber se atende a convênios, no caso Bradesco, onde atende e se não atende convenio, qual o valor da sua consulta. Fui diagnosticado com 5 hérnias lombares, comprimindo o nervo ciático, tenho muita dor lombar que se irradia pelas nádegas e perna esquerda e de um tempo para cá tenho algumas queimações anais que parece fogo vir de dentro do ânus, do lado esquerdo principalmente quando muito tempo sentado ou logo ao deitar. Não sangra, somente queima e dói, que algumas vezes piora com as evacuações. O senhor tem alguma ideia do que poderá ser e de como tratar. Sou obeso e fiz uma cirurgia bariátrica, há 45 dias atrás e consegui perder 25kg
Resposta: Os sintomas referidos, apontam para a Proctalgia  fugaz e tendinite, que são afecções de causa desconhecida. Na Proctalgia, a dor muitas vezes de caráter insuportável poderá aparecer e desaparecer em um curto espaço de tempo. O diagnostico eu faço pelo exame clinico proctologico,  e geralmente os exames complementares que eu peço estão normais. Na tendinite o toque no ponto exato da inflamação poderá confirmar o diagnostico. O tratamento eu costumo fazer com medicamentos de manipulação na forma de enema e pomadas e quando necessário eu associo a aplicação de substancia no local inflamado. Medidas comportamentais, e exercícios fisioterápicos que determinam o relaxamento dos músculos e tendões colaboram em muito para um melhor resultado.


Estenose anal:
Comentário: Dr Paulo Branco
Esta é uma situação complexa, que poderá resultar de qualquer procedimento cirúrgico sobre a região anorretal, principalmente as cirurgias que precisam retirar tecido em maior quantidade, como no tratamento cirúrgicos das grandes hemorroidas. Felizmente a grande maioria dos estreitamentos são leves, de pele, portanto na abertura anal e que respondem bem aos tratamentos conservadores.  

Duvidas dos internautas:
     1-Bom dia, eu li o seu blog e gostaria  de tirar uma dúvida. A estenose anal tem cura, quando diagnosticada?
      Resposta: A estenose anal tem cura, mas lembre que geralmente ela é consequente a um tratamento cirúrgico de alguma doença proctologica. Muitas vezes o cirurgião realiza uma cirurgia tecnicamente perfeita, mas o paciente tem uma cicatrização exagerada, determinando um estreitamento da abertura anal, por isso os procedimentos proctologicos poderão ser ingratos com o medico e seu paciente em relação a estenose ou estreitamento anal. Toda cirurgia anal sempre determinará algum grau de estreitamento na abertura anal. Felizmente a estenose anal é menos frequente.



2-Dr. Paulo, sou um leitor dos seus blogs. Realizei uma cirurgia, há 1 ano atrás de hemorroida, tive de fazer varias dilatações com vela metálica para tratamento de estenose anal, e o meu medico me indicou  mais, só que melhorou muito pouco. Queria ser examinado e tratado pelo senhor, será possível?
Resposta: Os casos de estenose que eu tenho tratado, praticamente na consulta, e através do toque, eu já uma base para a dilatação ou cirurgia. Os estreitamentos severos de pele e canal anal são de tratamento cirúrgico. A propia dilatação acabou criando fissuras de difícil cicatrização e para os casos mais leves, eu começo com as dilatações associadas a pomadas de manipulação.


3-Fui operado de hemorroida, mas no momento estou com uma dificuldade enorme para evacuar. Estou fazendo dilatação, mas não vejo melhora. Quero ser examinado pelo senhor e não vejo a hora de voltar a vida normal.
Resposta: Se a dilatação não está resolvendo um estreitamento anal pós cirurgia de hemorroida, é melhor parar com a dilatação e começar a discutir a possibilidade do tratamento cirúrgico. Esta foi a minha conclusão durante estes anos de tratamento.  Nestes casos a recidiva ou retorno do estreitamento é grande por que o tecido cicatricial tomou boa parte da abertura anal e costuma ocorrer uma melhora clinica após a dilatação, porem as dificuldades para evacuar e ardência , dor e sangramento logo estão de volta.

4-Boa noite, doutor: Estou com um estreitamento anal, pós radioterapia para o tratamento de um câncer de próstata, o senhor tem experiência no tratamento desta forma de estreitamento?
Resposta: Tenho. O estreitamento pós radioterapia, é mais difícil de tratamento por se tratar de áreas com fibrose, tecido endurecido e extremamente friável. Primeiro é muito importante saber o que está com estreitamento, se a abertura ( pele) ou o canal anal, o que poderá ser detectado somente pelo toque. Os estreitamentos recentes poderão ser tratados com pomadas adequadas e dilatação adequada , enquanto os mais antigos, com fibrose instalada, pela cirurgia. o tecido fica extremamente friável e endurecido, de modo que as manobras cirúrgicas deveram ser delicadas no sentido de melhorar o estreitamento. Muitos pacientes que eu operei, retornaram a clinica semanalmente para realizar sessões de dilatação. São pacientes muito sensíveis pela situação, região, geralmente já não suportam ser manipulados, e querem o resultado mais rápido possível.


HPV
Comentário: Dr Paulo Branco
O aspecto mais importante a ser compreendido, e que o HPV é uma doença sexualmente transmissível ( DST ), de evolução crônica, causadora de alguns tipos de câncer, e prevenida pelo uso regular do preservativo nas relações sexuais, principalmente nas relações iniciais e de risco. 

Você poderá nos enviar as suas dúvidas, como o paciente inicial, então vamos lá?


Paciente inicial: Doutor, Fui tratado de HPV, e não consegui tirar as duvidas abaixo, o senhor poderia me responder?
-Qual a faixa etária mais atingida?
Resposta: Nos últimos anos a faixa de idade mas acometida foram os adultos jovens com idade entre os 20 e 24 anos, período em que a atividade sexual e maior.
-Como o vírus penetra no organismo?
Resposta: Esse vírus precisará encontrar uma abertura na pele e através desta chegará a sua camada mas profunda descrita como basal onde se instalará dentro destas células comandando o seu DNA a espera de uma oportunidade para se multiplicar. Essas células se multiplicam, até a superfície, onde iram formar as verrugas.


-Como se multiplica?
Resposta: Quando houver uma multiplicação das células da camada basal os vírus se multiplicam também chegando até a superfície da pele formando o que em medicina de chama de apudoma que no caso serão as verrugas.

-Uma vez no meu organismo eu sempre terei a doença?
Resposta: Se não ocorrer a replicação ou multiplicação, o vírus permanecerá no organismo inofensivo ou latente e portanto sem causar as verrugas.



-Quanto tempo levara para o aparecimento das verrugas?
Resposta: A fase de incubação poderá demorar de 4 a 8 semanas até 6 a 7 meses e o seu aparecimento tem uma relação direta com a resistência imunológica dos pacientes. Em alguns pacientes poderá levar anos para se manifestar.

- Quais exames serão importantes eu fazer apos a retirada das verrugas?
Resposta: Os exames são o clinico, peniscopia, anuscopia ampliada e a  colposcopia anal.

25-Quais as indicações da anuscopia de alta-resolução?
Resposta: Prurido ou coceira anal crônica, imunodeprimidos, portadores do vírus HIV, homossexuais do sexo masculino e para o controle de pacientes que retiraram cirurgicamente as verrugas.

26-Todos os pacientes infectados formarão as verrugas?
Resposta: Não. A forma mas frequente ou comum de manifestação do vírus é a subclínica ou assintomática na qual o vírus habita a camada mas profunda da pele não formando as verrugas que acomete 10% dos pacientes infectados.
Comentário: Aqui reside o grande problema. Você poderá está correndo risco com aquele Deus grego ou aquela princesa, portadores do HPV, então até conhecer melhor use a camisinha.



27-Em que tipo de relação sexual é mas frequente?
São mas frequentes na relação anal passiva, onde a solução de continuidade criada na pele pelo atrito é maior.

28-Qual a consequência da infecção simultânea pelos vírus HIV e HPV?
Resposta: A incidência do HPV em pacientes HIV vem aumentando nos últimos anos principalmente quando os pacientes apresentam níveis de anticorpos chamados TCD4 abaixo de 500/uL.

29-Quantos tipos de vírus existem?
Resposta: Existem mas de 200 tipos virais, sendo que 40 desses infectam a região anogenital.

30-Quais os tipos cancerígenos?
Resposta:
Tipos de alto risco: 16, 18, 31 e 45
Comentário: Esses foram os tipos mas frequentemente isolados nos pacientes com Câncer anal.



31-Qual o risco de contrair o HPV?
Resposta: Baixo risco
Comentário: Em 90% dos casos os vírus são destruídos pelos seus anticorpos e não reproduzem a doença clinica ( Verrugas ) que ocorre em 10% dos pacientes contaminados.

32-Quais regiões os vírus poderão acometer?
Resposta: Poderá acometer a mucosa retal e uretra peniana, canal anal, a pele das regiões perianal e da virilha.

33-A associação das partes contaminadas se da com frequência na sua experiência?
Resposta: Esse tipo de contaminação foi mas frequente em mulheres e a anal geralmente foi secundaria a genital
34-Na sua clinica em que tipo de pratica sexual o HPV foi mais frequente ?
      Reposta: Em homens que praticam   o sexo anal com outros homens.
       Comentário: Tenho observado na minha clinica, que nos pacientes com HIV as verrugas estavam localizadas dentro do canal anal em mas da metade dos casos e em muitos destes casos essas verrugas não foram diagnosticadas e tratadas em outras clinicas. Lembrar que essa observação é de grande importância clinica pelo fato do câncer anal tem uma frequência maior nos pacientes com HPV e HIV.

35-Quais as formas de apresentação clinica da doença?
Resposta: As verrugas de coloração esbranquiçada únicas ou múltiplas e de superfície rugosa foi a forma de apresencao clinica mas frequente da infecção pelo HPV, mas poderá aparecer na forma de manchas avermelhadas e mas raramente na forma infecciosa como uma fístula.

36-Como detectar o vírus na doença assintomática?
Resposta: Tenho realizado a  anuscopia de alta resolução associada ou não a citologia oncótica.

37-Retirei as verrugas há dois meses e no momento estou com muita coceira o que devo fazer?
Resposta: A coceira ou prurido anal em quem já retirou as verrugas poderá ser um sintoma indicativo de infecção assintomática da doença. Casos como o seu eu faço uma anuscopia que se negativa para HPV, solicito a colposcopia anal.

38-Tratei as verrugas dentro do ânus com pomada o que não resolveu e estou com muita dor as evacuações e sangramento, qual a sua orientação?
Resposta: Você poderá esta com um estreitamento anal consequente a cicatrização da  cirúrgica realizada.
Comentário: Se o grau de estreitamento for leve a moderado eu primeiro tento sessões de dilatação anal com instrumento adequado associado a uma dieta rica em fibras. No estreitamento severo eu prefiro a cirurgia com o laser.
39-Fui operado de um grande condiloma anal que o medico diagnosticou como acuminado há quatro meses e fiquei com um estreitamento anal severo que o medico optou pelo tratamento clinico, esta correto?
Resposta: O estreitamento anal decorrente de uma cirurgia , geralmente é por cicatriz. Um exame clinico através do toque, já diferenciará se o estreitamento é por cicatriz ou por hipertonia do músculo esfíncter anal. No músculo contraído, pomadas especificas poderão resolver, porém se houver cicatriz ou uma fissura associada, passará a ser de tratamento cirúrgico.




40-Estou com fissura anal e verrugas posso fazer o tratamento com o laser das duas doenças?
Resposta: Tenho feito as duas cirurgias ao mesmo tempo. O detalhe é que atualmente tenho tratado as verrugas usando simultaneamente o laser e a anuscopia de alta – resolução.  A fissura anal de tratamento cirúrgico é a crônica e consiste em diminuir a pressão do esfíncter anal interno que eu prefiro fazer através de uma pequena incisão feita lateralmente a abertura anal o que tornará a cirurgia menos agressiva e a recuperação menos dolorida para os pacientes no pós-operatório.

41-Retirei as verrugas perianais e de grandes lábios da vagina posso ter relação sem risco de contaminar o meu parceiro?
Resposta: Se você fez um bom controle e não apresenta as verrugas poderá ter a relação e se surgir alguma duvida use a camisinha.
Comentário: Já tive vários pacientes para os quais o medico proibiu a relação anal para sempre. Não penso assim e acho que o objetivo do tratamento será de fazer o paciente retornar a sua vida normal.

42-Estou com condiloma acuminado inclusive com acometimento das virilhas, poderei retira-los em uma sessão com o laser?
Resposta: Já tratei de casos como o seu que representam a minoria. Em todos os casos eu retirei todas as verrugas em uma sessão, porem tem cirurgiões que realizam a retirada em duas sessões. Em casos como o seu eu tenho associado antibióticos por via oral.

43-Sou HIV positivo e o meu namorado tem fimose e tratou uma verruga no pênis com pomada, corro risco?
Resposta: Não indico esta forma de tratamento com pomadas. É conhecido que a recidiva ou retorno do HPV é mas frequente em pacientes com fimose porque o excesso de pele criará um meio propicio para a multiplicação viral. A minha conduta é retirar a verruga e o excesso de pele com sob anestesia local. É uma cirurgia que eu realizo frequentemente com o laser.


44-Tenho verrugas perianais e em mucosa vaginal posso tratar simultaneamente com o laser?
Resposta: Sem nenhum problema. Primeiro eu retiro as verrugas da mucosa vaginal e posteriormente as perianais.

45-O doutor já teve pacientes com hpv na boca?
Resposta: A contaminação fora da região genital é mas rara. Na boca a concentração do vírus é muito baixa para causar a doença, porem eu acho que para os parceiros recentes ou é melhor usar a camisinha para o sexo oral.

46-Doutor percebi algumas verruguinhas próximas ao ânus e morro de vergonha de ir ao medico, por favor me oriente?
Resposta: Muitos pacientes morrem de vergonha de ir ao medico, principalmente se o medico for um proctologista e a doença for uma DST. O medico tem de entender, tranquilizar e esta junto do paciente para diagnosticar e tratar a doença.
Possivelmente você tem o HPV perianal que poderá ser diagnosticado e tratado com tranquilidade.
Comentário: Essa vergonha de ir ao medico só será benéfica para o HPV e com certeza atrasará em muito o seu tratamento.
 
47-Realizei a retirada das verrugas anais e não consigo ter relação pela dor e sangramento, o que acontece?
Resposta: Casos como o seu na minha experiência foram causados por uma pequena fissura chamada de residual que é consequente a cicatrização da cirurgia anterior. Geralmente essa fissura está associada a um esfíncter anal hipertônico e a um estreitamento da cirurgia anterior. A qualidade de vida fica comprometida e a  relação passiva fica quase impossível, razão pela eu indico tratamento cirúrgico.

48-Doutor qual o resultado do tratamento com pomadas do HPV?
Resposta: Trabalho recente com o uso das pomadas nas verrugas concluiu que houve regressão total em 46% dos casos e diminuição do tamanho e numero em 33% que foram tratados pela cirurgia.

31-  A anuscopia de alta resolução poderá ajudar no tratamento das verrugas e na doença  assintomática?
Resposta: A principal forma de apresentação clinica da doença é assintomática. Durante o exame microscópico, são usados corantes que detectam os vírus na camada basal da pele, como áreas esbranquiçadas. As maiores poderão ser tratados com imunomoduladores, e as menores com o  laser. As verrugas maiores eu tenho tratado com o laser e as menores ou minúsculas eu detecto com o microscópio e na mesma hora já elimino com o laser.

32-Tenho uma verruga somente no freio do pênis, será possível tira-la e manter a pele que cobre a glande, e tem algum risco?
Resposta: O freio do pênis é formado por tecido, vasos e nervos. Quando se dá uma ereção, esse ligamento traciona a ponta da glande para baixo, estirando o nervo do freio, determinando a dor. Muitos pacientes me pediram para retira-lo juntamente com a verruga, por apresentarem dor durante a relação e alguns até sangramento. A cirurgia é relativamente simples e feita sob anestesia local e o laser.
Comentário: O resultado da cirurgia deverá ser estético e funcional. Os pacientes que operei com o laser referiram uma vida sexual normal após o procedimento. O cuidado que tive durante a retirada do freio é que a uretra está abaixo do freio e se deve ter o cuidado de não aprofundar o plano de clivagem cirúrgico para não lesa-la.

33- Tenho Hpv juntamente com excesso de pele que cobre a cabeça do pênis, preciso retirar o excesso de pele?
Resposta: A pele criará um meio propicio para multiplicação dos vírus, e a retirada do excesso de pele diminui o numero ou a carga de vírus no local, o que contribuirá para uma menor possibilidade de retorno ou recidiva do HPV. Eu sempre retiro o excesso de pele com o laser e sob anestesia local.
34- Tenho hemorroida interna, tenho sangramento, realizei a anuscopia e deram verrugas, preciso retirar as hemorroidas?
Resposta: Casos como o seu eu atendo frequentemente na minha clinica. Eu prefiro tratar as hemorroidas com a ligadura elástica associada ou não ao laser e com este retirar as verrugas do canal anal ereto. As hemorroidas que deveram ser retiradas são as internas de terceiro ou de quarto grau. Eu sigo o principio em proctologia de realizar sempre que possível o procedimento menos agressivo e sempre gosto que os pacientes leiam um guia, escrito por mim com todas as orientações pós-operatórios.

35- Realizei a retirada de verrugas na pele perianal, e no momento estou com uma coceira insuportável na pele e drenagem de uma secreção esbranquiçada, o senhor acha que estou com HPV?
Resposta: Os sintomas referidos, geralmente são indicativos de possível recidiva do HPV.  Casos como o seu eu prefiro fazer uma anuscopia de alta-resolução para detectar o HPV dentro da pele que dá a coceira por você referida e realizar o tratamento com pomadas adequadas.

36- O meu namorado retirou verrugas do pênis, mas tem com frequência coceira e um excesso de pele, queria a sua orientação, tenho risco de ser contaminada?
Resposta: Acho que a melhor conduta será retirar o excesso de pele, que facilita a recidiva da doença e fazer uma analise endoscópica da uretra que poderá conter o vírus.




37- Tenho uma relação de 2 anos, estável, sou monogâmico e estou com verrugas na pele perianal. No meu namorado estive observando e não vi nenhuma verruga, será possível ele ter me contaminado?
Resposta: Entenda que a principal forma de apresentação do HPV é a assintomática, sem verrugas, os vírus moram na camada mais profunda da pele, ou poderá esta na uretra do seu parceiro, que deverá ser investigada pela peniscopia.

38 - Apareceu no pênis do meu namorado uma pequena verruga que parece crescer lentamente  ou um excesso de pele ..... não sei ao certo.
Mas meu namorado diz que não dói, e que ele percebeu que essa verruga nasceu, depois de uma vez que tivemos relação sexual sem camisinha e machucou e nesse mesmo local deu a verruga. Será possível um machucadinho virar uma verruga?
Resposta: Uma verruga indica possível infecção pelo vírus do hpv e um machucado não se transformará em uma verruga. Como apareceu após o inicio da relação sem camisinha, você deverá ser examinada e solicitado exames específicos para detectar o hpv. Se confirmada a verruga, a conduta que faço na minha clinica será a sua retirada com o laser juntamente com a analise pela anuscopia de alta- resolução.

39- Verrugas na região intima sempre é hpv?
Resposta: Nem sempre será hpv. Um medico experiente somente pelo exame clinico local já confirmará ou não o diagnostico de hpv.


40- Boa tarde Doutor! Me chamo Gu e fui diagnosticado com Hpv na região anal, sou homossexual mas minha família não sabe que sou e nem aparento para não chamar a atenção. Tenho 20 anos e estou com muito medo dessa doença pois comecei a me tratar fiz uma cauterização para a retirada de algumas verrugas externas e meu medico falou que terei de fazer outra cirurgia para retirar as verrugas internas, mas ele não foi muito profissional comigo, pois passou apenas uma pomada e um antiinflamatório, e não me deu nenhuma dica de como se alimentar melhor, pois estou com muita dificuldade de utilizar o banheiro, e gostaria de continuar, mas com uma outra abordagem de  tratamento. Queria saber como faço para marcar uma consulta na sua clinica?


Resposta:
Esteja o HPV em qualquer localização, o seu tratamento deverá ter sempre a mesma abordagem.  A minha atualmente é a retirada das verrugas internas e externas e acompanhamento com microscopia de alta-resolução para detectar os vírus dentro da pele e combater com imunomodulador. Eu tenho feito todo o protocolo no mesmo tempo. Acho melhor combater ou tratar as verrugas internas no mesmo tempo, porque as vezes, e principalmente nos pacientes HIV positivo as verrugas poderão aumentar muito e comprometer o resultado do tratamento. Considero sempre o aspecto emocional e psicológico dos pacientes que optam pelo tratamento que os livre o mais rápido possível das verrugas, para poderem retomar as suas vidas. Para marcação da consulta, você poderá ligar na minha clinica.

41- Eu gostaria de marcar uma consulta e por considerar que os tratamentos até aqui realizados para o HPV anal, não foram eficientes, queria partir para o tratamento com o laser. Estarei em SP no próximo mês e se possível já chegar agendado para a consulta e procedimento, será possível?
Resposta: Eu teria de examina-lo antes para uma confirmação diagnostica e fazer uma estratégia de tratamento adequada para o seu caso.

42- olá dr!
tenho uma duvida que esta me deixando louca ...... fiz um exame e constou que tenho hpv perianal, então o médico me indicou uma cauterização perianal, e realmente não tinha nenhuma verruga na vagina e depois que o médico já tinha passado a cauterização notei que apareceu uma verruguinha na vagina e agora? Quando fizer a cirurgia será que os cirurgiões vão exterminar só anal ou eles vão ver que tem alguma coisa na minha vagina? Porque acho que não adiantaria nada se removesse só as anais ou estou errada?
Resposta: Casos como o seu eu trato com o laser as verrugas anais e vaginais, que geralmente estavam presentes nos grandes lábios. Essa será com certeza a forma correta de tratamento.

43- Presado Dr. Paulo,
Sou também médico, aqui em SP e suspeito que estou com HPV / condiloma intra-anal, apenas pelo exame digital de exploração. Acredito tratar-se de 2 pequenas lesões. Fiz uma pesquisa e percebi que você é experiente com o publico G, e portanto trabalha de maneira discreta. Vi em minhas pesquisas que talvez o tratamento das lesões intra-anais com lazer de CO2 é o mais indicado. Queria ser tratado na sua clinica e não queria ir para hospital, entende?
Resposta: Entendo. O meu protocolo de tratamento para o hpv, que inclui o laser seguido da anuscopia de alta resolução poderá ser feito na clinica. Fica tranquilo. Os meus pacientes com o hpv, geralmente me cobram a discrição.

44- Acredito que possua HPV 6/11. Possuo uma lesão bem pequena no pênis e estou tratando com pomada. Gostaria de saber se, com esse tratamento, estarei livre do vírus do HPV e se poderei manter relações sem camisinha. Um abraço.
Resposta: O diagnostico da tipagem do HPV, será feito por exames da biologia molecular, através da analise tecidual. Entenda que essa doença é crônica, não tem cura, mas poderá ser controlada, de modo que você poderá ter uma vida sexual normal, seguindo as mesmas regras do sexo seguro seguido pela  população geral.

45- Moro no Rj e estou com verruguinhas na entrada do ânus, porem tenho vergonha de consultar um medico aqui na cidade, o senhor teria algum medico proctologista no Rio de Janeiro que tenha um atendimento sem preconceito gls como o senhor?
Resposta: E difícil um atendimento aberto, quando se fala sobre sexo e principalmente para a comunidade LGBT.  Como eu tenho um blog que fala de diversos temas relacionados com o publico, passei a não ter dificuldades durante as consultas. Infelizmente não tem uma clinica na sua cidade, focada no publico, como a nossa em SP.

46- Olá. Eu moro em Curitiba e não sei onde encontrar clinicas que tratem hpv com laser. É possível uma indicação de algum eventual parceiro/clinica amiga. Grato.
Resposta: Uma clinica amiga, para tratar doenças proctologicas e difícil, e para tratar as verruguinhas com o laser é praticamente impossível.

47- Oi  doutor,
Eu estou com hpv, inclusive irei fazer  o tratamento com o laser na sua clinica. Mas eu gostaria de saber se realizando esse procedimento eu elimino o hpv do meu corpo para sempre?
Resposta: Essa doença é crônica, não tem cura e continuará com os vírus sobre o controle medico e da sua imunologia.

48- Boa noite Dr. Paulo. Me chamo Laís, tenho 24 anos e sei que o senhor deve receber muitos e-mails por dia, mas vou aguardar uma resposta ansiosa! Sempre realizo minhas consultas ao ginecologista periodicamente, e , em abril deste ano, descobri que tinha HPV. Fiz a cauterização na região anal e estou me recuperando bem. Entretanto, como preciso me examinar para cuidar e tratar do pós da cauterização, notei que tenho duas pelinhas na região que nunca me causaram dor nem sangramento, e acredito que sejam plicomas. Esteticamente, estão me incomodando muito. Li muitos artigos seus na internet e gostaria de saber como posso marcar uma avaliação sua para o acompanhamento do hpv e retirada dos plicomas. Como tenho certeza que o senhor não atendi convênios, ou ao menos o meu, gostaria de saber quanto sairia uma consulta?
Resposta: Essa pelinha incomoda muita gente e não é só a você. Além de comprometer a estética, dificulta a higiene e poderá ser irritada por detritos de fezes que poderão ficar nas suas dobrinhas, causando a dermatite, caracterizada clinicamente por uma  coceira no local.

49- Prezado Dr. Paulo.
Fiz cirurgia anorretal para retirada das verrugas provocadas pelo HPV em 25/03/2013. Segundo minha médica, eram várias as lesões. Passei muito aperto nas primeiras semanas, e o desconforto e sangramento ao evacuar acontecem até hoje, 51 dias após a cirurgia. Minha médica tem me consultado a cada 20 dias, e na ultima consulta ela verificou uma infecção, por isso antes a dor era intensa, estou tomando antibiótico e antiinflamatorio, mas essa recuperação é demorada assim mesmo? Ainda tem saído secreção do ânus, ela só vai parar quando a cirurgia cicatrizar? E após a cicatrização, o que pode ser feito para essas verrugas não aparecerem novamente?  Estou tomando a vacina, já tomei a primeira dose.
Resposta: Entenda que a vacina, não trata as verrugas, mas sim diminui o numero de vírus do seu corpo. Casos como o seu, eu prefiro fazer uma analise endoscópica na parte interna do canal anal para confirmar ou excluir o HPV. Os sintomas geralmente desaparecem com a cicatrização das feridas cirúrgicas. As vezes o processo é muito demorado, razão pela qual eu prefiro medicar pomadas de manipulação na tentativa de acelerar a cicatrização.


50- Doutor, sou homem, nunca tive relação anal, pois sou heterossexual, mais a três semanas atrás próximo ao ânus apareceu uma verruga, o que pode ser e como foi contraído?
Resposta: As verrugas poderão ser contraídas por outros meios que não o sexual, manipulação, brinquedos, secreções e sauna, porem na maioria dos casos será pela via sexual.


HIV
Comentário: A conscientização da forma de transmissão dessa DST teve grande impacto sobre o aumento da perspectiva de longevidade dos portadores dessa afecção. O ruim que eu comprovei na minha clinica, foi um aumento da doença, nos pacientes com idade acima de 60 anos, gerado possivelmente pelo uso dos  medicamentos para a ereção, associado a falta do hábito, ou aprendizado de usar o preservativo nas suas relações sexuais. Nos jovens, o lado negativo das baladas foi o principal responsável pela contaminação.


 Leia com atenção, e espero que você use as orientações no seu dia a dia.

1-Atualmente a epidemia da doença esta relacionada mas a comunidade GLBT?
Resposta: De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) as relações heterossexuais são a principal forma de transmissão do HIV do ponto de vista global, embora nos países desenvolvidos a exposição ao HIV por relações homossexuais ainda é a responsável pelo maior numero de casos.  A principal forma de transmissão do HIV se dá hoje através de relações heterossexuais desprotegidas que tem uma relação linear com o numero de parceiros e a frequência de mudanças destes parceiros. A promiscuidade parece ser uma grande aliada na transmissão do HIV independente da preferencia sexual.      

2-Quais as formas mas comuns de transmissão?
Resposta: As principais formas de transmissão são a sexual, sanguínea e perinatal e as ocupacionais por acidente de trabalho em profissionais da área da saúde. A transmissão sexual é considerada a principal forma de transmissão da doença.

3-Qual a forma mas comum de transmissão para os homossexuais e travestis?
Resposta: É a relação sexual anal receptiva sem proteção. Com a identifição do vírus e suas formas de transmissão, ficou claro que a maior incidência inicial neste grupo foi decorrente de uma maior exposição a contaminação através de relações sexuais com múltiplos parceiros e o aparecimentos de novas maneiras e  variações no sexo passivo como se da com os praticantes do fisting.  
Comentário: O tecido que reveste a região anorretal é de uma delicadeza e fragilidade muito grande e se você não tiver o cuidado de manipular com delicadeza e carinho os ferimentos com sangramento iram acontecer, aumentando o risco de contrair o vírus da AIDS. Meta isso na cabeça do ativo.


4- Quais os fatores que influenciam ou aumentam o risco de infecção pelo HIV?
Resposta:
- Profissionais do sexo;
- Homens homossexuais;
- Homens casados;
- Travestis
- Pessoas Promiscuas;
- Numero de relações sexuais receptivas;
- Idade do inicio da relação sexual com homens;
- Uso de enemas para limpeza retal;
- Contatos  com parceiros com HIV;
- Contato desprotegido com o sangue e semem.
- A relação anal de risco ou incerta;
- Relação oral e a ingestão de semem.

5- Para os travestis, gay’s, bissexuais  e idosos qual a forma mas comum de transmissão?
Resposta: Nos indivíduos com mas de 13 anos a principal forma de transmissão, em números absolutos, continua sendo através do contato sexual de homens que fazem sexo com outros homens. Tenho observado também na clinica o aumento considerável de gay idosos com o HIV o que provavelmente se deve de um lado a falta do habito do uso da camisinha quando ativo e passivo e as novas formas de tratamento da disfunção erétil com vasodilatadores. No entanto, observamos um aumento na proporção dos casos em que o uso de drogas endovenosa é o fator identificado como o modo de transmissão da infecção, que mas tem evoluído juntamente com os idosos.

Comentário: Tenho tratado a cada ano um maior numero de pacientes idosos com HPV anal com o laser. Eu queria pedir aos idosos que aproveitem os prazeres da vida sexual possibilitado pelos avanços da medicina, porem que desfrutem praticando sexo responsável e seguro deixando a fragilidade e emoções ficarem para depois de colocar a camisinha quando ativo e controlando o ativo com a mesma responsabilidade. A consulta nos idosos com HIV geralmente exige uma tranquilidade para que haja um dialogo claro e uma explicação para que ele não se exponha a contração de outras doenças oportunistas como HPV, herpes, gonorreia, molusco contagioso, etc. Os gay’s idosos frequentam muito as saunas para realizar as suas fantasias eróticas, encontrar os amigos
pois muitos são sozinhos e buscam companhias nestes lugares. As saunas hoje são bem estruturadas, confortáveis e fornecem as CAMISNHAS para a realização do sexo sem riscos para os ativos e passivos.

6- Qual a real chance de aquisição do HIV após uma relação sexual desprotegida?
Resposta: A estimativa da probabilidade de que um individuo suscetível seja infectado pelo HIV-1 a partir de um único contato sexual com pessoa infectada pelo HIV é importante para compreender a disseminação epidêmica do HIV-1 e ajudar a explicar porque a transmissão parece variar em diferentes regiões do mundo. A descoberta da AIDS se deu como consequência da investigação epidemiológica e as primeiras definições de caso e acompanhamento da emergência da epidemia, ainda antes de se conhecer o agente etiológico, foram feitos através dos dados epidemiológicos e estatísticos. Em trabalho realizado na Tailândia por exemplo, avaliou-se homens expostos a profissionais de sexo com soro prevalência de aproximadamente 85% e obteve-se uma probabilidade de transmissão do HIV por contato sexual, da mulher para o homem, de 0,031. Esta probabilidade foi maior do que a calculada na América do Norte ( Homem para mulher, 0,01). As probabilidades de transmissão, no entanto, variaram de acordo com a presença de DST e de circuncisão. Na américa do Norte a probabilidade chegou a 0,0057 ( oito vezes maior) se o parceiro já apresentava. Estima-se que a probabilidade de contaminação em relação sexual anal receptiva sem proteção entre homens seja de 0,005 a 0,030.

7- O que poderá ser feito para reduzir o risco da transmissão do HIV pela vida sexual?
Resposta: as três estratégias de intervenção empregadas pelos programas nacionais de controle envolvem:
1- O uso de preservativos adequados e seguros;
2- Redução do numero de parceiros sexuais;
3- Controle das outras DST.
Comentário: O preservativo masculino é a única barreira comprovadamente efetiva contra o HIV e o uso correto e consistente deste método poderá reduzir substancialmente o risco de transmissão do HIV e outras DST.
O uso regular de preservativos pode levar ao aperfeiçoamento na técnica de utilização, reduzindo a frequência de ruptura e escape e, consequentemente, aumentando sua eficácia.

8- Poderá contrair o HIV mesmo usando camisinha?
Resposta: Usuários apontam como fatores de risco para a ruptura ou escape com contaminação:
- Lubrificação insuficiente;
- Lubrificantes oleosos;
- Presença de ar e/ou ausência de espaço para recolher o esperma na extremidade do preservativo;
- Tamanho menor que o pênis;
- Preservativo que venceu o tempo de validade;
- Sexo anal realizado de forma inadequada sem as suas regras do tempo de relaxamento associada a um  ativo apressadinho;
- Coito excessivamente vigoroso;
- Lubrificante em excesso adicionado no interior ou exterior do preservativo;
- Perda de ereção durante o ato sexual;
- Contração da musculatura anal durante a retirada da camizinha sem que se segure firmemente o preservativo na sua base. Muitos pacientes me enviam e-mail, descrevendo que o preservativo ficou dentro do reto.
- O uso de dois preservativos poderá aumentar o risco de ruptura em função da fricção entre eles e alguns usuários relatam empregar lubrificante adicional entre os dois preservativos para evitar ou diminuir o atrito entre eles.
- As geleias espermicidas usadas juntamente com os preservativos são capaz de inativar o HIV, porem mas estudos médicos precisaram ser feitos para se indicar de forma mas rotineira.

9- Quantos tipos de HIV existem?
Resposta: Existem dois tipos de HIV, denominados de HIV-1 e HIV-2.
HIV1: É responsável pela maioria dos casos de AIDS, sendo apenas alguns casos isolados atribuídos ao HIV2.

10- O que é o CD4+ e qual a relação do CD4 com o quadro clinico?
Resposta: O vírus entra na corrente sanguínea e pousa, adere ou conecta-se como em um aeroporto imediatamente em uma proteína do anticorpo. Esse anticorpo é chamado de linfócito T que é  muito conhecido entre os pacientes com AIDS que é o CD4+, que será atacado pelo vírus da AIDS. Uma vez firmemente aderido ao CD4+, injeta neste o seu RNA que será convertido por uma enzima em DNA e passará a ter o controle desta célula, é como se assumisse o controle, um novo piloto na aeronave. Assim, o DNA viral passa a comandar a máquina reprodutiva da célula hospedeira, enviando ordens para que se produzam mais copias do DNA do vírus. Para se ter uma idéia são produzidos 10 bilhões de cópias em um só dia. Os medicamentos destinados ao tratamento da doença atuam exatamente bloqueando a reprodução dos vírus nesta etapa. A maioria dos vírus ficam escondidos dentro do CD4+ e dos gânglios. A contagem de células CD4+ no sangue periférico tem um valor ou implicação prognostica na evolução da infecção pelo HIV pois é a marca registrada de déficit imunológico ou da resistência quando associado a certos sintomas clínicos. O sistema imunológico luta ao produzir anticorpos que combatem o HIV, mas não podem acabar com a contaminação. A maioria dos testes de HIV faz a contagem desses anticorpos.
Um teste  ELISA positivo indicará a contaminação. Entre três semanas e seis meses surgem os anticorpos, e a taxa do vírus no sangue diminui. A doença entra na fase de latência, em que a maioria dos homens se sentem bem, mas seus anticorpos CD4+ estão gradualmente sendo destruídos. Depois de aproximadamente 10 anos sem tratamento, a contagem de CD4+ cai para 200. Com a crescente supressão do sistema imunológico, o HIV se multiplica e a carga viral ou numero de vírus aumenta. É nesse momento que a AIDS se desenvolve. Não é fácil contrair o HIV. O vírus se espalha por meio do sangue ou fluidos corpóreos, esperma e possivelmente saliva. A maioria dos  gays, travestis e principalmente os heterossexuais são infectados pelo sexo desprotegido ou inseguro ou pela injeção de drogas nas veias com agulhas compartilhadas. Você pode esta pensando que nunca usou drogas, mas os anabolizantes esteroides? Já usou agulhas de amigos para injeta-los? O vírus não fará distinção entre uma carona da cocaína, da heroína ou dos esteroides.


- CD4+ > 500cél/mm3: Baixo risco de infecção.
- CD4 entre 200 e 500cél/mm3: Surgem sinais e sintomas de infecção. Risco moderado de desenvolvimento de doenças oportunistas, como o herpes simples, herpes zoster, pneumonia bacteriana e candidíase.
- CD4+ entre 50 e 200cél/mm3: Alta incidência de doenças oportunistas como as pneumonias, candidíase e vírus como o citomegalovírus.
- CD4+ < 50: Grave comprometimento da resposta a infecção. Alto risco de surgimento de doenças oportunistas.

11- O que é a carga viral e qual a sua relação com o desenvolvimento da doença? 
Resposta: Carga viral é a quantificação de células infectadas pelo HIV por mililitros de plasma. A carga viral está correlacionada com a evolução da doença, sendo que já foi demonstrado, por exemplo, que pacientes com uma alta carga viral apresentaram rápida progressão da doença, ao passo que indivíduos com níveis menores apresentaram uma progressão mas lenta para a AIDS. Na verdade, ela nada mais é do que a expressão do grau de viremia ( Numero de vírus ) presente em um paciente.

12- Quanto tempo após uma exposição pode-se afirmar com certeza que o individuo não se contaminou?
Resposta: A recomendação ;e de um acompanhamento sorológico de seis semanas, doze semanas e seis meses após a exposição, sem deixar de realizar a sorologia no tempo zero após o acidente.

13- O sexo oral é seguro?
Resposta: O sexo oral é considerado de risco moderado se praticado sem proteção e de baixo risco com a proteção de preservativos de látex não-lubrificados.
Comentário: Embora alguns pesquisadores tenham registrado casos isolados de transmissão do HIV por meio por meio do sexo oral, o risco é mínimo o que se deve principalmente a baixa concentração ou numero de vírus na saliva. Use a camisinha, sempre.

14- Poderá ser transmitido pelo beijo, aperto de mão ou abraço?
Resposta: Não. Embora o vírus tenha sido isolado de vários fluidos corporais como saliva, urina, lágrimas, somente o contato com o sangue, sêmen, secreções genitais e leite materno têm sido implicados como fonte de infecção.

15- É necessário o uso de preservativos entre dois parceiros soropositivos?
Resposta: Todo paciente desenvolve após infecção com o vírus HIV uma resposta imunológica com a produção de anticorpos. Com o tempo há uma diminuição nessa resposta e os anticorpos neutralizantes não são protetores, por isso o uso de preservativos é indicado na relação entre dois parceiros soropositivos. Existem também, vários fatores que poderão tornar os parceiros mas vulneráveis a infectividade, como:
- Imunossupressão: Traduzida por níveis baixos de CD4+.
- Tratamento: Com  anti-retroviral.
- DST: Poderão aumentar a transmissão sexual do HIV.
- Sexo: Praticas sexuais traumáticas que resultam em rompimentos e ferimentos que permitiram o contato com sangue aumentando a transmissibilidade do HIV.

16- Há uma orientação para restringir a pratica de esportes nos homossexuais?
Resposta: sabe-se, por outros estudos que o risco de transmissão em acidentes percutâneos entre atletas é extremamente baixo e depende de vários fatores como a ocorrência de sangramento ou lesão de pele de um atleta infectado ou exposição de membrana mucosa como porta de entrada. Estas condições só ocorrem em limitada taxa de atividades esportivas. Todos devem estar cientes para evitar ao máximo a ocorrência de ferimentos, acidentes com materiais cortantes, exposição de pele e mucosa a sangue e secreções.
17- O que é soroconversão?
Resposta: É  positivação da sorologia para HIV. A soroconversão é  acompanhada de uma queda expressiva na quantidade de vírus no plasma ( carga viral), seguida pela recuperação parcial dos linfócitos TCD4+ no sangue periférico. Esta recuperação é devida tanto à resposta imune celular quanto humoral. Nesta fase observa-se o sequestro das partículas virais e das células infectadas ( CD4+ ) pelos órgãos linfoides responsáveis por nossa imunidade, particularmente os linfonodos.  

18- O que janela imunológica e quanto tempo leva para um exame tornar-se positivo?
Respostas: É o tempo compreendido entre a aquisição da infecção e a soroconversão.  O tempo decorrido para a sorologia anti-HIV tornar-se positiva é de seis a 12 semanas após a aquisição do vírus, com o período médio de aproximadamente 2’1 meses. Em função do exposto, não há dúvida quanto a necessidade de um período de seguimento sorológico, com a repetição do exame a determinados intervalos. Geralmente este período de acompanhamento é de 18 meses após a última exposição considerada de risco. A periodicidade da realização do exame anti-HIV é variável de acordo com o serviço de saúde. Em muitos serviços o seguimento é feito com três, seis, 12 e 18 meses, caso não exista outra exposição de risco.

19- Quais os principais sintomas da doença?
Resposta:  
- No inicio da doença:
Crescimento de gânglios linfático
Febre alta
Diarreia constante
Emagrecimento
Erupções na pele

-     Defesa orgânica comprometida:
Pneumonia
Aparecimento de certos tumores
Neuropatias
Comprometimento da memoria
Comprometimento motor ou dos movimentos
   
20- Aquela gotinha de secreção que sai do pênis nas preliminares poderá ter vírus e contaminar?
Resposta: Pode, mas sempre em secreções. O liquido transparente e viscoso que sai pelo canal do pênis quando o homem está excitado pode ter o vírus HIV. A uretra é uma mucosa e, como tal, está sempre úmida. Na erotização anal, as brincadeiras com o pênis e sua secreção quando excitado podem ser uma forma  de contaminação. Portanto use camisina desde as preliminares, principalmente nas relações impulsionadas pelo aquele tesão de ultima hora ou na pratica do
sexo casual.

21- Qual o tratamento atual, tem cura?
Resposta: A cura da AIDS ainda não foi descoberta. Ainda não existem medicamentos que eliminem o vírus HIV do corpo humano. Atualmente poderá ser controlada com medicamentos que promovem uma qualidade de vida digna e uma maior e melhor sobrevida. O tratamento contra a HIV é um dos que muda mais rapidamente na área da saúde, mas os medicamentos jamais devem ser vistos como uma alternativa ao sexo seguro. Fico assustado ao ver pacientes que não se preocupam em ser soropositivos só porque acham que os medicamentos os manterão saudáveis. Há cerca de um ano os médicos aconselhavam o início do tratamento apenas quando as células caíssem abaixo de 200. Novas pesquisas, porém, aconselham o tratamento tão logo sua carga viral chegue ao número de 5.000 a 10.000 cópias por milímetro ou assim que sua contagem de CD4+ caia abaixo de 500. Alguns médicos, ainda, são a favor de iniciar o tratamento tão logo se saiba, que se está com o vírus. Independente de outros indicadores. Vários medicamentos estão sendo usados para o tratamento. O medicamento mas usado é o AZT que atua impedindo a reprodução do vírus na fase inicial da doença.
Comentário: Esse medicamentos poderão causar danos no Fígado, rins e no seu sistema imunológico.

22- Vacina, existe?
Resposta: Os médicos estão tentando desenvolver uma vacina, porem a principal dificuldade é a grande capacidade mutante do vírus.
23- Quais condições facilitam a infecção pelo HIV?
Resposta: Cortes abertos nos dedos, na sua boca ou no ânus tornaram a contaminação mas frequente. As DSTs concomitantes, incluindo o herpes e a gonorreia, facilitam a contaminação pelo vírus, provavelmente por criarem pequenos ferimentos por onde o vírus ganhará acesso à corrente sanguínea.



24- Qual o testo que detecta a AIDS?
Resposta: O teste ELISA verifica os anticorpos virais no sangue e é o principal dos testes para detecção do HIV. Embora muito preciso, há alguns resultados erroneamente positivos entre pacientes com doenças crônicas como hepatites e lúpus. Por isso, todo teste deverá ser repetido com a mesma amostra de sangue e realizar outros mais específicos, como o Western Blot. Se este também for positivo, então você tem AIDS. Nos EUA o padrão será a confirmação dos Anticorpos do HIV por um segundo teste para proteger aqueles poucos pacientes que tem um teste ELISA positivo e um Western Blot negativo.

25- Profilaxia: Como fazer?
Resposta: A relativamente nova estratégia de tratamento contra o HIV por profilaxia diz respeito a ingestão de medicamentos em uma das seguintes situações: Logo após o sexo desprotegido com um parceiro suspeito, ou imediatamente após descobrir que você é soropositivo. Não há ainda qualquer prova médica de que a contaminação possa ser evitada depois do tratamento profilático em nenhum desses casos. Deve-se começar nas 24  horas seguintes à exposição ao vírus. Caso você continue com os testes negativos, a maioria dos médicos irá aconselhar a interrupção da medicação e a repetição do teste regularmente para verificar se você não se tornou soropositivo. A terapia profilática não deve ser vista como uma alternativa ao sexo seguro.

27- Como o senhor acompanha os pacientes HIV positivos com verrugas?
Resposta: O HPV ou verrugas é a doença que eu mas trato nos pacientes com AIDS. Eu retiro as verrugas com o laser na pele perianal, canal anal e reto com o auxilio da endoscopia. O acompanhamento eu faço na clinica através da colposcopia anal que detecta os vírus dentro da pele e deveram ser tratados antes que se transformem em verrugas. Tenho associado para alguns casos a vacina e medicamentos  para aumentar a resistência local ao vírus.

28- Muitos pacientes com AIDS tem infecção anal com a formação de abscessos e fistulas, como o senhor trata?
Resposta: A fistula anal seguramente é a doença protologica que eu mas trato com o laser nos pacientes HIV positivos. No meu protocolo os pacientes tomam antibióticos específicos e a retirada da fístula eu faço sob anestesia local e as vezes sedação. Em relação ao HIV é muito importante saber o momento certo para realizar a cirurgia anal.

Fimose:
1-Há alguns anos atrás eu realizei a cirurgia de postectomia, porém ficou “sobra”, minha glande fica coberta até a metade, e tem muita mobilidade em ereção. Gostaria de saber se e possível refazer o procedimento para retirar o que sobrou?
Resposta: Se possível a cirurgia deverá retirar a quantidade de pele, suficiente para uma exposição estética e saudável da glande. A cirurgia será possível de ser feita, porém mais difícil, por se tratar de uma reoperacao em um órgão com pequena extensão de tecido.

2- Após a retirada do excesso de pele que cobria toda a cabeça do pênis, achei que alterou um pouco a minha sensibilidade peniana, tem haver?
Resposta: Alguns homens, muito pouco, que eu operei de fimose tiveram alteração de sensibilidade. No primeiro mês após a cirurgia, os pacientes referiram alteração da sensibilidade, que desapaceu a partir do segundo mês.

3- Tenho um odor que sai da cabeça do pênis e um excesso de pele enorme. O senhor acha que retirando essa pele, o odor irá desaparecer?
Resposta: O excesso de pele em muitos casos torna a higiene laboriosa e aí vem o mal cheiro. Já tratei de pacientes que o mal cheiro chegou a comprometer o relacionamento, que foi salvo pela retirada do excesso de pele.

4- Boa tarde Doutor Paulo! Tenho 23 anos, estou com excesso de pele no meu pênis, não é muito e  também não me incomoda. Lembrando que eu consigo esticar a pele do meu pênis até em baixo. Estou em duvida quanto a este excesso. É normal na minha idade?
Resposta:  Se você está na dúvida, e a pele não te incomoda, vou te da uma sugestão, não retire. Muitos homens que eu operei, só queriam retirar o freio do pênis, que lhes causava dor durante a relação, mas gostavam do aspecto do pênis com o excesso de pele.  

5-Sou Anderson do Rio de Janeiro, tenho 25 anos, e gostaria de está fazendo a postectomia a laser. Essa cirurgia poderá alterar a minha ereção?
Resposta: O que eu faço na postectomia, é preservar o máximo possível de tecido peniano,  o que é de grande importância para a ereção. A cirurgia de postectomia se feita com técnica adequada, não irá comprometer a sua ereção.  

6-Dr. Paulo boa noite. Esta semana tive uma consulta com um urologista da minha região, o mesmo disse que tenho excesso de pele sobre a glande e que teria que realizar um procedimento cirúrgico, não é uma coisa grave mas lendo os seus blogs, soube que o senhor faz a cirurgia a laser. É possível para o meu caso, e qual o tempo de recuperação?
Desde já agradeço e  fico no aguardo, Bruno.
Resposta: É possível. Geralmente você levará uma vida normal e a cicatrização ocorrerá em duas semanas.

7- Doutor, ultimamente sinto sintomas de candidíase e estou com muita dificuldade de higienizar o pênis pelo fato de eu possuir um excesso de pele que se tornou uma fimose. Gostaria muito de operar e me livrar dessa fimose. Gostaria muito de operar para retirar esse excesso de pele que se tornou um problema para a minha qualidade de vida por cocar de mais ao ponto de causar ferimentos. Tenho plano de saúde e gostaria de saber se a cirurgia a laser é coberta por plano de saúde?
Resposta: Já pude comprovar o resultado após a retirada da pele. A micose e seus sintomas passam a ser um problema do passado. A cirurgia a laser não é coberta por planos de saúde.


8- Doutor boa tarde, tenho 27 anos e tenho fimose eu pesquiso muito sobre o assunto e vi que a cirurgia feita a laser tem vantagens comparada com o bisturi, eu gostaria de saber o valor da cirurgia para que eu possa fazer! Obrigado.
Resposta: Primeiro você precisará de um cirurgião competente e que tenha todo o cuidado em obter um bom resultado estético e funcional. A vantagem do laser é a menor agressão aos tecidos, o que gera uma recuperação melhor. Geralmente eu faço o procedimento sob anestesia local.

9- Olá, eu tenho um problema no meu pênis, a pele do pênis quando esta ereto não desliza totalmente para trás, apesar de eu conseguir ejacular normalmente, o problema é mesmo não deslizar completamente, sendo que eu fico com restos de esperma seco dentro da pele, e que me dói ao puxar a pele para trás, sou muito envergonhado e não me sinto bem em ir ao medico. O que me recomenda fazer?
Resposta:  Geralmente essa inflamação crônica que você apresenta na glande, chamada de Balanite é consequente a repetidos processos inflamatórios na cabeça do pênis, determinados pela associação entre o excesso de pele e higiene inadequada. O tecido normal é substituído por fibrose que dificulta o deslizamento da pele sobre a glande. Já operei pacientes que tinham feridas na glande. Você precisará retirar imediatamente o excesso de pele, se existir. Se não tiver o excesso de pele, as infecções por fungo foram muito frequentes na minha clinica.

10- Bom dia Dr. Paulo Branco, estava vendo sua matéria sobre postectomia, tenho esse problema há anos, o excesso de pele me incomoda muito, sou do Paraná, foz do Iguaçu, aqui nosso verão é na media dos 40 graus, então imagine o sofrimento com irritação, na verdade metade do ano fico irritado, precisaria de uma cirurgia de postectomia e frenoplastia. Eu não teria problema para ir a SP, é possível?
Grato.
Resposta:  Essa é uma indicação frequente por comprometer, em muito a sua qualidade de vida. A pele cria um meio propicio a irritação da glande principalmente por germes.

11- Doutor, tenho excesso de pele no pênis e hidroceli. O senhor realiza as duas cirurgias?
Resposta: O excesso de pele incomoda a muitos homens, até mesmo pela estética e pela dificuldade em manter uma higiene adequada. A hidrocele é caracterizada pela presença de liquido na bolça escrotal consequente a trauma ou  infecção. O tratamento consiste em esvaziar o liquido e retirar a túnica ou membrana que secreta o mesmo. Eu faço as duas cirurgias no mesmo tempo cirúrgico. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário